A negação de Marcelo

Marcelo, o dos mergulhos do Tejo, afinal era uma fraude, e a sua coragem só lhe serviu para se afastar da comunidade que precisava dele.

O mundo e a nossa maneira de interagir com ele vai mudar, é a maior consequência deste drama do COVID-19. E uma das faces dessa mudança será o viajar menos, consciencializem-se disso. Assim, será mais difícil ver, “in loco”, em Nova Iorque, no Metropolitan Museum onde está exposto, a tela de Caravaggio; «A Negação de Pedro». Marcelo Revelo de Sousa, católico assumido, conhece muito bem o episódio dos Evangelhos em que é contado que Jesus Cristo, durante a Última Ceia, revelou a Pedro que este o iria negar conhecê-lo antes que o galo cantasse três vezes no dia seguinte. E assim aconteceu.

O coronavírus mostrou a negação de Marcelo. O inquilino de Belém, mas com morada real no seu bunker de Cascais, negou os portugueses duas vezes. Primeiro, quando se escondeu em casa por auto-decreto de quarentena no clímax da sua evidência de hipocondríaco como aqui escrevi no ECO na semana passada. Aí, o Presidente da República, que durante quase um mandato vendeu abraços e afectos gratuitamente, perdeu autoridade e prestígio. Marcelo, o dos mergulhos do Tejo, afinal era uma fraude, e a sua coragem só lhe serviu para se afastar da comunidade que precisava dele. Logicamente que não defendo que ele andasse por aí, mas tinha de dizer algo e não mergulhar para a cave da sua residência sem uma palavra de alento.

Depois, choveram as críticas e Marcelo que treme por cada vírgula de popularidade perdida sentiu que tinha de fazer algo para reconquistar o País, pois na sua mente está a cada segundo presente a sua reeleição presidencial. Logo, viu que a saída com mais retorno era decretar um estado de emergência pedido nas redes sociais por gente que não sabe o que isto sequer quer dizer, para obter uns “likes” e umas simpatias de ocasião que, contudo, nunca esquecerão a sua bizarra e cobarde actuação nos primeiros quinze dias da crise.

A cara de António Costa no Parlamento não era de cansaço. Era a de quem conhece Marcelo há muitos anos, desde os tempos em trabalhou com Jorge Sampaio na Câmara de Lisboa, e sabia que ele escolheria não a via de interesse nacional, que podia ser seguida por outro patamar menos duro de segurança, mas a do seu interesse próprio e, com isso, ao despoletar a sua bóia de salvação, Marcelo negou pela segunda vez os portugueses. Como ele disse duas vezes também no seu discurso, somos um País de 900 anos de história, da qual ele fará parte num modesto e recôndito rodapé

PS: Os portugueses estão a bater “records” de audiência de televisão, os sites de jornais aumentam o número de utilizadores com maior consumo informativo e o que acontece? Empresas cancelam campanhas de publicidade com a justificação de que como se está em casa não vale a pena investir pois não se compram produtos. Isto é de uma tacanhez e falta de visão inaudita. Recordo a estes decisores que a responsabilidade social é uma forma de se reforçarem as marcas e permanecerem no “top-of-mind” dos consumidores. Era bom que todos ajudassem, sobretudo grandes empresas, instituições que têm capacidade para manter o investimento (exemplo da Santa Casa da Misericórdia), bancos a quem tanto já demos. É tempo de não se desinvestir nos media, pelo contrário, precisamos deles saudáveis para serem nossas muletas para ultrapassar estes dias complicados. E irão ver que não esqueceremos que, tal como na política, saberemos reconhecer quem esteve e quem desertou. E quem ficou vai ganhar com isso.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A negação de Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião