A Omertá do Parlamento na trilogia da vergonha

Ninguém quer assistir a este jogo de sombras onde não há transparência e cada “questiúncula” obscura e imoral é uma pazada na solidez da nossa democracia.

Na ressaca da Web Summit ainda esperei que algum corajoso chegasse a esse evento e explicasse que servem de pouco conferências de tecnologia num país mortificado pela corrupção, onde prolifera o tratamento por “doutor” e afunilado numa espécie de oceano vivo – como no livro “Solaris” de Stanislaw Lem – de vaidades e egos que são apenas a exuberância de incultos e insignificantes seres. Já no ECO manifestei que a causa das nossas insuficiências passa por uma elite medíocre, mas também por uma Justiça forte com os fracos e rastejante perante os poderosos. Se não fosse assim, só poderia ser delirante que apenas ao fim de dez longos anos saíssem sentenças de prisão para indivíduos que causaram prejuízos de seis mil milhões de euros que todos os portugueses, sem apelo nem agravo, tiveram de pagar com uma austeridade severa e implacável. Dez anos, mas ainda vêm os recursos, para incriminar a seita do BPN, um banco que era lixo mas que serviu, nas palavras da juíza que decretou a sentença, para «brincarem com o dinheiro do cidadão cumpridor». Porém, tenho de recordar que sobre o BPP, nada; BES, nada; e sobre a maior empresa portuguesa, a PT, que foi morta a sangue-frio, «rien de rien». Se bem se lembram, num país moderno e respeitador da sua comunidade, a Islândia, quando ocorreu o caos da banca, a grande maioria desses gestores encontraram o ocaso das suas carreiras atrás das grades sem qualquer contemplação. É essa a diferença de se estar no Primeiro Mundo ou numa qualquer fogueira das vaidades sem qualquer impacto na vida das pessoas.

Por isto tudo, foi com algum gozo que assisti a Rui Rio mencionar pela enésima vez algo em que é especialista: «uma reforma profunda do regime democrático, que tem uma coisa que se chama a reforma do sistema político». Acentuando que «a maior parte dos valores pelos quais se fez o 25 de Abril estão a ser abastardados com o desgaste que o regime tem tido». Pois bem, o PSD tem o maior grupo parlamentar, mas desde a escolha de Negrão para o liderar, tem-se dedicado pouco a fazer oposição e mais a afiar as facas para ajustes de contas e golpes em qualquer esquina. A grande maioria já percebeu que com Rio a ir a votos a nau é certa candidata a naufrágio, logo, existe um enorme terror na perda do seu lugarzinho. Rio fala de limpeza e «reformas», na senda dos tais banhos de ética que é excelente a apregoar mas timorato a dar e tomar, contudo, pactua com a imoralidade das passwords de José Silvano e da padroeira contra as virgens ofendidas, Emilia Cerqueira. Aliás, quando vi as conferências de imprensa de ambas as criaturas, dos quais os portugueses que lhes pagam salário na generalidade nunca tinham ouvido falar, lembrei-me da personagem de um “Despachante” (assassino) de um dos mais brilhantes escritores de língua portuguesa, Rubem Fonseca, no seu livro “Calibre 22” que avisava: «eu tenho os meus princípios, já disse. Não mato mulher, criança e anão. E sou honesto». Ora, naturalmente, estes dois deputados não são assassinos, têm os seus princípios e são honestos, mas não podem sonegar que o que lhes convém mesmo é “o venha a nós” dos 69 eurinhos de diária por presença em sessão plenária, mesmo que lá não estejam, como era o caso do mestre da ubiquidade, José Silvano.

Portanto, a somar à mediocridade das elites e à cobardia da Justiça perante o poder, nesta trilogia da vergonha, somemos a falta de respeito da classe política com quem os elege, também a sua pequenez, mediocridade e exiguidade de cultura e leitura. Logicamente que todas as regras têm excepções e há casos de bons serviços, em todos os partidos, de eleitos para a Assembleia da República que, efectivamente, dão o máximo para melhorar a vida dos portugueses, a esses a minha vénia. No entanto, o que mais me chocou nesta ópera-bufa das passwords, foi a lei do silêncio que se impôs entre todos os partidos. A incomodidade evidente com o enorme receio que a serenata ridícula de Silvano e Emília se alargasse a outros quadrantes do hemiciclo. Notei o cinismo e o mutismo como se houvesse uma Omertá do parlamento quanto a estas questões, como se quisessem, mas não pudessem, dizer que a roupa suja se lava em casa, ninguém denuncia ninguém. Assim, é impossível Portugal fazer as pazes com a classe política. Ninguém quer assistir a este jogo de sombras, a um bailado macabro onde não há transparência e cada “questiúncula” obscura e imoral é uma pazada na solidez da nossa democracia.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A Omertá do Parlamento na trilogia da vergonha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião