A primeira criptomoeda soberana

As criptomoedas aparecem como possibilidades interessantes, mas ainda distantes, faltam encaixar peças importantes, mas se isso acontecer, tudo terá começado nas Ilhas Marshall com o SOV.

A República das Ilhas Marshall (RIM) arrisca-se a entrar para a história financeira como o primeiro país a adotar uma criptomoeda como divisa soberana – o SOV -, a qual terá curso legal para o pagamento de dívidas, impostos e cobranças públicas. O facto de a RIM ser membro votante das Nações Unidas confere ao SOV o estatuto internacional de moeda.

Este é um desenvolvimento extraordinário e o primeiro passo de uma revolução que, a acontecer, pode mudar radicalmente a ordem monetária e financeira global num futuro não muito longínquo.

Como e porquê as Ilhas Marshall?

A RIM é um país da Micronésia, com 70 mil habitantes e um território disperso por dezenas de milhares de pequenas ilhas. A economia é rudimentar para os padrões modernos e a moeda oficial é o dólar americano, situação que impõe uma completa dependência da política monetária da Reserva Federal dos EUA.

Este conjunto de circunstâncias torna a RIM ideal para esta experiência monetária:

  • A fragmentação geográfica e a ausência de um sistema financeiro digitalizado obrigam a que a compensação monetária se faça por barco entre as centenas de ilhas habitadas, o que implica importantes riscos e desperdício de recursos. Com o SOV, os pagamentos são feitos com total segurança a partir de um telemóvel e a compensação é virtual e instantânea.
  • A implementação do SOV abre a possibilidade da RIM se catapultar para a vanguarda de uma tecnologia e de um mercado em crescimento exponencial, como é o caso das criptomoedas, o que pode vir a revelar-se uma oportunidade única de desenvolvimento para uma economia que carece de escala e de fatores estruturais de competitividade.
  • A ausência de autonomia monetária significa que a RIM tem pouco a perder e potencialmente muito a ganhar com criação de uma moeda própria – a qual circulará em paralelo com o dólar, pelo menos inicialmente. Se a experiência fracassar pode sempre reverter para o regime inteiramente baseado no dólar.

Implementação e funcionamento do SOV

A quantidade total emitida de SOV será fixa e predeterminada, tal como acontece com a bitcoin. Esta configuração garante que a criptomoeda não será inflacionada discricionariamente (em contraste com o que ocorre com o euro ou o dólar), o que se afigura crucial para que os investidores lhe venham a atribuam valor.

Uma característica curiosa da implementação do novo sistema monetário das Ilhas Marshall consiste na distribuição gratuita pela população de 10% dos SOV emitidos, o que se traduzirá num benefício inequívoco para o povo e, também, num eficaz incentivo para a rápida adoção do SOV como meio de pagamento.

Um outro aspeto fundamental do SOV é ser de arquitetura aberta, permitindo que entidades terceiras construam soluções financeiras baseadas na sua rede blockchain, tais como plataformas internacionais de pagamentos, bolsas, mercados virtuais, entre outras funcionalidades. Esta abertura é uma condição indispensável para o sucesso do SOV e a única via para a transformação da RIM num centro criptofinanceiro, perspetiva que encerra possibilidades de desenvolvimento económico e tecnológico inimagináveis noutra qualquer circunstância.
Uma bitcoin domada

Nos dias de hoje é impossível ignorar o potencial de expansão da bitcoin e das suas sucedâneas como formas de dinheiro. Mas ainda subsistem muitas dúvidas quanto à viabilidade da adoção massiva das criptomoedas como unidade de conta e como reserva de valor, sobretudo por não terem qualquer reconhecimento oficial e também pelo véu de secretismo associado à sua utilização.

O SOV procura endereçar estas inquietações, garantindo que todas as transações são auditáveis, ainda que sem colocar em causa a privacidade dos utilizadores legítimos. Para certificar a licitude do uso do SOV aplicar-se-ão ferramentas, já hoje utilizadas, no âmbito dos mecanismos de prevenção da lavagem de dinheiro e do financiamento do terrorismo.

Este atributo de transparência do SOV qualifica-o para a utilização em todos os canais e instituições do sistema financeiro internacional, como os bancos, as empresas de cartões de crédito e as bolsas de valores. Ao garantir a privacidade e segurança do utilizador sem impor secretismo total ao seu uso, o SOV surge como uma versão domada da bitcoin.

Fait-divers ou revolução?

A criação do SOV não fez notícia nos meios de comunicação tradicionais. Aliás, o próprio conceito de uma criptomoeda soberana é, para muitos, uma impensável excentricidade. A verdade é que o mundo vai ficando cada vez mais desperto para o criptodinheiro. A este respeito, o recente anúncio de que o Facebook iria lançar a Libra muito contribuiu para aumentar a visibilidade do segmento das criptomoedas na opinião pública geral.

Mas, uma questão é o aumento de visibilidade e o reconhecimento do potencial das criptomoedas; outra diferente é a assunção de que o cripto vai ser o novo padrão do dinheiro soberano. Daí a relevância do sucesso do SOV. Se este vingar, pode até ser adotado por outros micro-estados (como as Ilhas Caimão ou o Mónaco) através de um processo de bifurcação da sua blockchain (fork).

A instabilidade do sistema monetário mundial vigente é evidente. A crise de 2008 não terá sido a última, nem porventura a mais violenta do atual regime. Advinha-se uma mudança radical, ainda que esta possa demorar. Neste momento, as criptomoedas aparecem no horizonte como possibilidades interessantes, mas ainda distantes: faltam encaixar importantes peças tecnológicas e institucionais para que elas possam ser o padrão monetário internacional. Mas uma coisa é certa, se isso acontecer, tudo terá começado no dia em que as recônditas Ilhas Marshall criaram o SOV.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A primeira criptomoeda soberana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião