A Web Summit não é a esponja dos nossos problemas

O Omo é que lavava mais branco, a criação do senhor Paddy Cosgrave não serve para branquear a realidade.

Eu sou favorável aos grandes eventos em Portugal e entendo há muito, e já o escrevi no ECO, que o turismo é o nosso ouro negro, logo, a Web Summit é uma organização que devemos acolher bem e estimular para que cá continue. Todos sabemos que tem custos, mas, esses, são amplamente compensados pela promoção internacional do nosso País e pelo estímulo que aporta à nossa economia.

Porém, a Web Summit não é a Ilha da Fantasia (agora até a podem rever na RTP Memória), onde tudo acaba bem e o toque de Midas não acontece para todos os empreendedores que apostam nessa conferência. Sabemos também que a taxa de start-ups que se transforma em sucesso é baixíssima, abaixo dos 10 por cento. O sonho e a ambição fazem mover o mundo, no entanto, é bom que todos tenham os pés bem assentes no chão e não entrem em “trips” tecnológicas que podem terminar numa reabilitação pesarosa.

O que é irritante é o clima em torno do evento. Valha a verdade que pouco importa a qualquer português o que pensa um jovem estrangeiro sobre Portugal quando só o contacta por umas horas. E, assim, as horas que se perdem com microfones à frente das suas bocas são tão estúpidas como o tempo dado a opiniões de adeptos de futebol à porta dos estádios, que só servem para encher chouriços com um monte de imbecilidades e lugares-comuns.

Estes poucos dias de invasão não podem ser uma dose de qualquer pastilha de euforia que abafa os problemas reais que enfrentamos. Nem temos de quase pedir desculpa para continuar a viver a nossa vida e as nossas cidades, enquanto um bando de deslumbrados circula todo o dia com o seu cartão do evento pendurado ao pescoço como se pertencessem a um qualquer círculo de eleitos ou seita de Charles Manson de smartphone em punho.

Os deuses adoram ironia à custa de vidas humanas e no meio do clímax do evento tecnológico, somos assaltados por uma doença do século passado que já provocou dois mortos. E, depois, os corpos dessas vítimas de Legionella ainda são retirados do velório pois não tinha sido feita a autópsia, é inacreditável de tão ridículo. Ainda subsistem dúvidas sobre o que aconteceu em Tancos, desaparece e aparece armamento sem qualquer explicação, sem responsabilidades devidamente apuradas. E temos em mãos uma árdua tarefa, quase só ao alcance de um Marquês de Pombal dos tempos modernos, que é a reconstrução e reordenação de uma importante faixa do nosso território, assassinada às mãos de uma criminosa indústria dos fogos que se alimenta da tragédia humana e de perdas praticamente irrecuperáveis.

A vida continua, devemos desenvolver e fazer crescer as nossas aptidões, estar em constante aprendizagem e estarmos abertos ao novo e a Web Summit serve para isso. Mas não é a esponja dos problemas de um País. O Omo é que lavava mais branco, a criação do senhor Paddy Cosgrave não serve para branquear a realidade. Que aproveitemos o evento sem o deslumbramento de parolos nem olvidando que Portugal segue dentro de momentos.

Nota: o autor escreve segundo a antiga ortografia

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A Web Summit não é a esponja dos nossos problemas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião