Ao espaço político não socialista sugere-se mais prudênciapremium

É cedo para declarar o óbito à governação socialista e é ainda mais precipitado começar a festejar o regresso da direita ao Governo.

Após o chumbo do Orçamento do Estado (OE), a direita apressou-se a festejar o suposto fim da geringonça. Percebo, partilho do entusiasmo, mas recomendaria que refreassem um pouco os ânimos. É cedo para declarar o óbito à governação socialista e é ainda mais precipitado começar a festejar o regresso da direita ao governo. Além disso, os últimos meses têm sido pródigos em surpresas políticas. Poucos acreditavam que Moedas conquistasse a Câmara Municipal de Lisboa e muitos pensavam que esta crise à esquerda em torno do OE não passaria de mais um golpe de teatro, que já estávamos habituados a assistir nos últimos anos. Os momentos que vivemos sugerem cautela. Vejamos: Ainda não devemos dar como certa a dissolução da Assembleia da República. É verdade que essa intenção foi declarada por

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos