As taxas de juro e os ratings da DBRS

Este é o quinto artigo de um conjunto de análises à proposta de OE2017 no âmbito do acordo do ECO com as universidades do Minho, do Porto e de Coimbra, com a marca ECO da Academia.

De acordo com as projeções do orçamento de 2017, os juros da dívida pública representarão 4,3% do PIB do próximo ano, o valor mais elevado da zona Euro. Uma subida das taxas de juro pode facilmente colocar em causa a execução orçamental. Atualmente as taxas de juro são fortemente condicionadas pela intervenção do BCE no mercado e dependem em última instância do rating atribuído pela DBRS.

A DBRS decidiu hoje manter os atuais ratings das dívidas de longo prazo (BBB) e de curto prazo (R2) emitidas pelo Estado português.

A importância desta decisão por parte de uma agência relativamente desconhecida (de origem canadiana) prende-se, em primeiro lugar, com o facto de por um lado ser a única agência a manter o nível de “investment grade” para a dívida pública nacional (nas agências mais conhecidas a Fitch manteve em Agosto o nível de “lixo” BB+, confirmado em Agosto pelas suas congéneres Standard & Poor’s também com BB+ e Moody’s com Ba1).

Em segundo lugar, pelo facto de a política de aquisição de ativos por parte do Banco Central europeu (programa PSPP-Public Sector Purchase Programme) exigir a existência de “investment grade” para os ativos a adquirir. A manutenção da dívida nacional ao alcance do programa de PSPP é visto habitualmente como um seguro contra uma subida das taxas de juro. Recorde-se que o rating de BBB da DBRS é o quarto nível numa escala de 1 a 9 (antes de incumprimento) e o último antes da entrada na zona crítica de “non-investment grade”, onde se encontram por exemplo Chipre (no nível 6, ou B) e a Grécia (no nível 8, ou CC).

Uma eventual alteração em baixa da notação de risco da DBRS teria consequências potencialmente muito negativas para a confiança na dívida pública nacional, para as taxas de juro das obrigações do Tesouro (OT) português e potencialmente para a capacidade de financiamento autónomo do Estado português nos mercados internacionais de dívida. É de recordar que o acesso ao financiamento externo foi perdido em fevereiro de 2011 e reconquistado a muito custo em janeiro de 2013 após uma ausência de dois anos e na sequência da confiança internacional criada durante o processo de ajustamento introduzido pela troika.

Saliente-se que as taxas de juro nacionais chegaram a atingir valores máximos de mais de 17% antes de iniciarem um processo de descida para um mínimo de cerca de 1,7% nos primeiros meses de 2015, a que se seguiu uma subida gradual para os atuais cerca de 3,2%.
Em termos comparativos, enquanto as OT nacionais apresentavam um rendimento de 3,26% (valor no final de setembro), registando Chipre e a Grécia, respetivamente, 3,62% e 8,34%.

A análise da relação entre os ratings da DBRS e as taxas de rendimento das obrigações soberanas sugere que o caso português poderá ser um caso particular, com um prémio de risco superior ao que é sugerido pelo seu rating. Chipre, com um rating dois níveis inferior, tem um prémio de risco apenas cerca de 0,4 pontos percentuais superior.

Por outro lado, considerando as três agências principais, para mais de 100 países, em apenas 9 casos há discordância de classificação entre “investment grade” e “non-investment grade”. Para essas três agências a dívida de Portugal é classificada como “non-investment grade”. Já a DBRS diverge apenas das maiores agências na classificação da dívida portuguesa e turca, sendo a dívida portuguesa o único caso em que diverge das outras três agências.
A ocorrência hipotética a prazo de uma possível melhoria de rating poderia ter um impacto muito significativo nas taxas de juro nacionais, como é visível no facto da Irlanda, com um rating (A) superior em apenas um nível ao nacional beneficiar de uma taxa de juro tão somente de 0,42% (menos 2,84 pontos percentuais).

Por sua vez, o espetro de uma aproximação aos valores das taxas de juro da Grécia (mais 5 pontos percentuais) seria catastrófico para Portugal mas parece estar para já bastante afastado a curto prazo.

Dada a importância para Portugal do programa de compra de obrigações por parte do Banco Central Europeu, e de a sua manutenção depender neste momento da notação recebida por uma destas quatro agências, não é de estranhar a importância dada ao anúncio da agência DBRS.

O BCE tem na verdade desempenhado um papel determinante na estabilização das taxas de juro da dívida portuguesa. Desde o início do programa PSPP, em março de 2015, até setembro do corrente ano, as compras de dívida pública portuguesa pelo BCE superaram os 21 mil milhões de euros. Este valor representa, sensivelmente, o dobro do montante de emissões líquidas de obrigações do tesouro nesse período.

Logo, a perda de estatuto de elegibilidade da dívida portuguesa poderá ter um impacto considerável sobre as taxas de juro das obrigações. Saliente-se ainda a situação peculiar na qual se encontra a agência DBRS, dado que a sua decisão tem um impacto importante sobre o próprio risco que se propõe avaliar.

A expectativa de manutenção de rating assenta sobretudo na continuação por parte do atual Governo de uma imagem internacional de respeito pelo compromisso de equilíbrio orçamental e de uma política de austeridade ainda que com contornos distintos dos observados em 2011-15.

A possibilidade de alcance em 2016 de um défice orçamental inferior ao acordado com as instâncias europeias e a estabilidade política evidenciada desde a tomada de posse do atual Governo são também fatores importantes, tal como a relativa saúde das contas externas.

Mas se a curto prazo se prevê que não haja alterações nos ratings, a perspetiva a um prazo mais dilatado encerra riscos preocupantes para as taxas de juro da dívida portuguesa. Por um lado, é pouco provável que os historicamente baixos níveis das taxas de juro da zona euro se mantenham por muito mais tempo, com o consequente impacto orçamental (e a dívida pública teima em não se reduzir em percentagem do PIB).

A economia portuguesa continua sem dar sinais de poder alcançar taxas de crescimento muito superiores a 1%-1,5%, limitando o crescimento de receitas fiscais que possam compensar a rigidez da despesa pública corrente (que dificilmente se irá contrair de modo significativo com a orientação política atual).

A instabilidade do sistema fiscal e a hostilidade de algumas recentes medidas de política económica em relação aos investidores não parece suscetível de criar a curto ou médio prazo confiança por parte de agentes económicos essenciais para o crescimento económico.

A carga fiscal direta e indireta continua a toldar o poder de compra dos consumidores nacionais. Finalmente, mantém-se uma elevada fragilidade da economia e contas públicas à conjuntura internacional, a eventuais necessidades de injeção de fundos no sistema financeiro e às dificuldades de financiamento do tecido empresarial junto da banca.

Em suma, dada a precariedade financeira ainda subsistente, toda a prioridade da atuação económica deve ser urgentemente encaminhada para o crescimento económico sustentável e para a criação de um clima de confiança duradouro dos investidores, combinado com um adequado equilíbrio orçamental. Se tal não suceder, uma subida das taxas de juro da dívida portuguesa poderá ter consequências muito nefastas.

Num cenário mais pessimista, poderemos mesmo perder de novo o acesso aos mercados, tornando inevitável um novo resgate. O que ninguém deverá desejar.

Artur Rodrigues (Universidade do Minho), Jorge Farinha (Universidade do Porto), Nelson Areal (Universidade do Minho) e Nuno Silva (Universidade de Coimbra)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

As taxas de juro e os ratings da DBRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião