Babados com a China

Sou apologista de que Portugal se posicione como parceiro estratégico da China, mas isto distingue-se profundamente de branquear o regime totalitário.

Há umas semanas, tinha Bolsonaro acabado de quase dispensar a segunda volta das eleições presidenciais no Brasil, conversava com o meu amigo Diogo Nogueira Leite e dizia-me ele que é possível que este ressurgimento de regimes anti-liberais seja apenas uma reversão para a média da História da Humanidade, onde a Democracia tem sido episódica. A hipótese da repetição da História, apesar de assustadora, fez sentido.

E voltou a fazer sentido quando, há uns dias, durante um jantar-conferência, se aflorou a questão do papel da China no mundo. À mesa, alguém mencionou a baixa rentabilidade de alguns dos investimentos estrangeiros chineses e usou esse facto como prova da falta de ambições hegemónicas da China. Pois a mim pareceu-me que esse argumento favorece a ideia de que há nessas aquisições de capital um interesse que não é somente financeiro, mas tem muito de geopolítico ‒ sendo os investimentos em África um bom exemplo disso.

Pareceu-me também que o Ocidente insiste em tomar-se como referência e analisa o mundo à luz dos seus próprios valores. Creio que estava convencido de que, uma vez inserida no comércio internacional, a China rapidamente arranjaria os seus Rousseau e Voltaire e faria em poucos anos as revoluções liberais que Europa e Estados Unidos conheceram no século XVIII. Mas ficou surpreendido com o facto de a China conseguir ser simultaneamente capitalista e comunista.

Não confundamos, contudo, esta minha crítica com o apelo que ouvi a Daniel Traça para que olhemos “com abertura” o modelo político chinês. Confesso que aqui a surpreendida fui eu, porque nunca tinha pensado vir a assistir a condescendência com uma ditadura vinda do director da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa. Fui verdadeiramente apanhada de surpresa com a sua intervenção na conferência “Road to China: Portugal-China, uma relação com futuro”. Daniel Traça afirmou que há um “contrato claro entre o partido que está no poder e o povo de algum controlo como contrapartida de um crescimento económico muito acelerado”. Isto a respeito de um regime de partido único, onde não existem eleições.

Que o PCP seja complacente com democracias musculadas, desde que esse músculo seja em nome da luta de classes, não se estranha. Mas, pelos vistos, liberais e gente defensora da Democracia também conseguem distinguir boas e más ditaduras: se se estiver a proporcionar crescimento económico, parece que é razoável suprimir umas liberdadezinhas. Afinal de contas, quando uma pessoa tem comida na boca, a liberdade de expressão não interessa muito, não é? E, então, se se estiver a jogar o jogo do mercado, é que não conta mesmo nada, rapidamente se esquece o comunismo.

Sim, eu sei que a China é a maior economia do mundo, se a avaliação for feita em função do PIB em paridade do poder de compra ou da população, o que faz dela o maior mercado mundial. E que está em segundo lugar se o critério for o do PIB nominal em dólares. E percebo que as suas taxas de crescimento económico acima dos 6% nos deixem a salivar ou que admiremos a sua 28.ª posição no índice de competitividade do Fórum Económico Mundial. Compreendo a importância do investimento chinês na saúde, nos seguros, na banca ou na energia.

Entendo que estamos a falar de um relevante parceiro comercial, destino de 1,5% das nossas exportações de bens (o que a torna o nosso 11º cliente) e sexto fornecedor internacional de bens. Não ignoro que é a China o principal mercado emissor de turistas, sector fundamental na economia portuguesa.

Sou, por isso, apologista de que Portugal se posicione como parceiro estratégico da China, numa lógica ‒ aí concordo com Daniel Traça ‒ de multilateralismo, procurando usar os laços históricos que tem para ser parte activa no processo de afirmação chinesa no triângulo Europa-África-América, influenciando-o. Mas isto distingue-se profundamente de branquear o regime totalitário da República Popular da China; de elogiar um modelo de partido único, transformando-o num compromisso com o povo, como se a liberdade fosse moeda de troca pelo crescimento; de fingir que não existem presos políticos e outros atropelos vários aos direitos humanos, de que a política do filho único será o caso mais divulgado, (com os decorrentes abortos forçados e outras consequências que ainda hoje em dia continuam a vitimizar as mulheres.

Aliás, é sobretudo por concordar com Popper quando, no seu ‘A Sociedade Aberta e Os Seus Inimigos’, afirma que “talvez a mais poderosa causa do colapso da sociedade fechada tenha sido o desenvolvimento do comércio e das comunicações por mar. […] o comércio, a iniciativa comercial, parece ser das poucas formas sob as quais a iniciativa e a independência individual se podem afirmar, mesmo numa sociedade em que o tribalismo ainda prevalece”, que tenho esta posição.

Mas a visita, na semana passada, de Xi Jinping abala este meu optimismo. É que a ideia era a de que ela contribuísse para abrir a sociedade chinesa, não dar tiques totalitários à portuguesa. E se fico muito contente por o Ritz em Lisboa ter tido uma taxa de ocupação de 100%, fico ainda mais chocada que se tenha aceitado sujeitar os moradores da zona a uma clara violação da sua privacidade, querendo, por exemplo, conhecer o nome das suas visitas durante a semana.

Há uns dias, uma notícia do The Guardian fazia-nos saber que, em Londres, a China Global Television Network está a recrutar jornalistas para a sua estratégia de influenciar favoravelmente a opinião pública relativa à China, numa campanha mundial de marketing. Para Portugal podem poupar essa despesa: aparentemente, já estamos babados com eles.

Nota: A autora escreve segundo a ortografia anterior ao acordo de 1990.

Disclaimer: As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente a sua autora.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Babados com a China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião