Bem-vindos a Astana!

Mais uns anos e ninguém distinguirá Portugal de uma qualquer autocracia da Ásia Central: um país maioritariamente miserável com uma fachada de luxo na capital.

Na mesma semana em que se soube que maternidade de Castelo Branco está em risco de fechar, ficamos também a saber que está a ser planeado já para esta legislatura algo que o país suspirava há muito: um pavilhão do gelo em Lisboa.

O leitor medianamente informado certamente não saberá o que é um pavilhão do gelo – eu também não – mas tendo sido anunciado num encontro com a Federão Portuguesa de Desportos de inverno, provavelmente é um espaço para praticar todos aqueles desportos pelos quais Portugal é sobejamente reconhecido lá fora como o ski alpino ou o curling. Uma espécie de um frigorífico em ponto grande cujo consumo energético certamente passará no Estudo de Impacto Ambiental de uma organização ambientalista contratada para o efeito. Qualquer português olha para o estado da saúde, da educação e para a carga fiscal e a primeira coisa que pensa é na necessidade urgente de ter um sítio para praticar hóquei no gelo em julho.

Em defesa do Governo, provavelmente esta será só mais uma promessa inconsequente feita para enganar papalvos, desta vez os papalvos da Federação de Desportos de inverno que trataram de recompensar a aldrabice com o prémio de “Personalidade do Ano” ao secretário de Estado que fez a promessa. A acontecer seria mais uma evidência de um Governo cada vez mais focado em construir uma realidade paralela na capital, enquanto o resto do país sofre com falta de serviços básicos.

O Município de Lisboa gasta mais dinheiro do que sete municípios com o triplo dos habitantes e uma área 10 vezes maior. Não é surpreendente: a concentração de poder político em Lisboa atrai o poder económico, alimentando um ciclo vicioso de centralismo, que depois gera todo um conjunto de receitas municipais.

Carlos Guimarães Pinto

De resto, esta já é uma estratégia com alguns anos. O Governo concentra investimento em Lisboa. Portugal fica com uma capital ao nível dos países mais desenvolvidos da Europa, enquanto o resto do país se vai deteriorando ao ponto de competir com os países mais desenvolvidos de África.

No Twitter, um militante do PS, Rui Teixeira, fez as contas: apresentados os orçamentos municipais, a Câmara Municipal de Lisboa apresenta uma despesa (devidamente suportada por receita, acrescente-se) superior aos sete municípios seguintes (Porto, Sintra, Gaia, Cascais Loures, Braga e Amadora) juntos. Repito: o Município de Lisboa gasta mais dinheiro do que sete municípios com o triplo dos habitantes e uma área 10 vezes maior. Não é surpreendente: a concentração de poder político em Lisboa atrai o poder económico, alimentando um ciclo vicioso de centralismo, que depois gera todo um conjunto de receitas municipais. Só para a Web Summit este ano, a Câmara Municipal de Lisboa gastou o correspondente a meia ala pediátrica do Hospital São João.

Claro que na hora de beneficiar das receitas da concentração de poder, a Câmara Municipal de Lisboa não hesita, quando chega a hora de pagar os custos dessa concentração, passa a fatura ao Governo Central. Quando foi preciso pagar pelos novos passes sociais cujos benefícios se concentram na Área Metropolitana de Lisboa e no concelho de Lisboa em particular (pelo potencial de redução no tráfego automóvel dentro da cidade), o orçamento superior a mil milhões de euros já não foi suficiente para uma despesa de algumas dezenas de milhões.

Os contribuintes de Castelo Branco, prestes a ficar sem maternidade, também precisaram de dar o seu contributo.

Infelizmente, o ambiente político não parece favorável a grandes mudanças. O centralismo vai aos poucos roubando elites políticas económicas e políticas ao resto do país. A única região do país que ainda vai mantendo alguma capacidade de luta, a Área Metropolitana do Porto, também acabará por ceder.

Temos um primeiro-ministro que já foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa, um Presidente da República que foi candidato à Câmara Municipal de Lisboa e até o portuense que se alinha para suceder a António Costa, Fernando Medina, só conseguiu atingir visibilidade nacional como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. No maior partido da oposição, um dos candidatos à liderança afirmou em janeiro na conferência do MEL que era preciso concentrar investimento público em Lisboa porque “é aí que as pessoas vivem”.

Mais uns anos e ninguém distinguirá Portugal de uma qualquer autocracia da Ásia Central: um país maioritariamente miserável com uma fachada de luxo na capital onde a elite pode fingir viver num país desenvolvido e os políticos podem mostrar um simulacro de país desenvolvido a quem o visita.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bem-vindos a Astana!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião