Brexit: a tentação de uma suspensão do artigo 50 (e May fica)

Há um crescente alarme ou angústia, tanto em Londres como em Bruxelas, com a aproximação da fatídica data de 29 de março. Esse alarme pode conduzir à hipótese de um novo adiamento.

Embora o Brexit já seja um tema fatigante, estamos a dois dias da votação do Parlamento britânico e é inevitável tentar perceber o que vai acontecer.

O que é possível dizer, sem fazer apostas que são atrevidas num mundo imprevisível e num tema cada vez mais retorcido, é que a senhora May terá grande dificuldade em ter o seu acordo aprovado.

Aparentemente, só na última semana a primeira-ministra fez esforços mais dedicados para conseguir votos de deputados trabalhistas — o único caminho que a poderia libertar do cutelo dos conservadores dissidentes e dos unionistas da Irlanda do Norte. Não só não terá conseguido aliados novos como sofreu revezes processuais que são reveladores.

Parece haver um único consenso em Westminster: uma maioria é contra um Brexit sem acordo e fará alguma coisa para o impedir. Não há maioria para mais nada de momento — nem para o acordo (o desígnio de May) nem para eleições antecipadas (o desígnio de Corbyn).

Mas há um crescente alarme ou angústia, tanto em Londres como em Bruxelas, com a aproximação da fatídica data de 29 de março. Esse alarme pode conduzir a algo de que já vos falei: a hipótese de um novo adiamento. Na verdade pode ser preciso mais tempo e, portanto, o artigo 50, que é aquele que determina a saída do Reino Unido da União Europeia, poderia ficar suspenso por umas semanas ou meses. Isso alivia a pressão mas cria inúmeras dificuldades. A mais fácil de explicar implica uma pergunta: os ingleses poderiam votar nas eleições europeias de maio? À partida não votariam porque se iam embora…

A outra maneira de ver a questão é saber o que faz a senhora May se perder a votação, como é possível que aconteça. Fica ou demite-se? Olhando para o percurso dela — parece algo agarrada à cadeira e ao seu dever como se tivesse cola… — não me parece que a senhora May saia se perder; vejo-a mais facilmente a invocar a suspensão do artigo 50 para ganhar tempo, manter o posto e prolongar a negociação; ou então colocara o Parlamento perante as consequências da sua indecisão: o Brexit sem acordo.

Saiu entretanto um estudo muito interessante da EY, que avalia, em matérias de serviços financeiros, o estado da arte na evolução do Brexit. É um mistério — ou talvez não… — a omissão do acordo apresentado pela senhora May quanto ao futuro dos serviços (em princípio ficam fora da União Aduaneira) e do setor financeiro em especial (sem ‘passaporte’ para manter os vínculos ou homologações com o BCE).

Curiosamente, os ingleses têm conseguido limitar os danos. O que a EY prevê é uma deslocalização de sete mil postos de trabalho de Londres para o continente, o que representa apenas 2% dos trabalhadores do setor financeiro. E quanto aos ativos as perdas não excederiam os 10%.

Ou seja, a praça de Londres continuaria a ser a primeira da Europa e os danos seriam menores (pelo menos no curto e médio prazo) do que o estimado. Outra explicação possível é que os mercados e as instituições, no fundo, não acreditam num Brexit sem acordo. Tese mais cínica mas interessante sobre a resiliência do setor financeiro na capital inglesa: há quem diga que quem tem estabelecimento em Londres é quem não quer ter estabelecimento em Nova Iorque, onde a regulação é mais dura e as infrações têm consequências mais severas…

Alemanha: o grande aviso à navegação

As declarações do ministro alemão das Finanças — a voz do motor económico da Europa — esta semana são muito relevantes.

Olaf Scholz é o representante máximo do Partido Socialista alemão (o SPD) na coligação. É por isso mesmo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças.

Esta semana, Scholz afirmou que os anos das vacas gordas acabaram na Alemanha. E especificou que o seu país não deverá ter mais excedentes a partir do próximo ano; declarou-se, por isso, contra qualquer redução de impostos, nomeadamente do imposto de solidariedade que os alemães ainda pagam para a financiar a reunificação; e também se declarou contra o aumento do investimento público. Assim com esta meridiana clareza… Estão a chegar dias mais difíceis no coração económico da Europa. A economia alemã está a arrefecer significativamente, o crescimento do terceiro trimestre foi negativo (-0,2%); e o Governo sabe — como Scholz também sabe — que o seu país é, na Europa, o que mais sofre o impacto, por um lado, das alterações das metas quanto a emissões de carbono na indústria automóvel (não está a conseguir cumprir) e, por outro lado, é também a economia mais lesada pela onda protecionista que esta a causar, progressivamente, uma crise de confiança.

A Alemanha é uma grande economia exportadora. Obviamente, o risco de uma crise comercial atinge o país mais do que outros Estados e economias. A Alemanha quer evitar o regresso as sanções dos EUA contra os automóveis europeus e já está a pagar uma fatura dolorosa quando exporta para a China e para os Estados Unidos.

Ora, a Alemanha é demasiado importante na Europa para fazermos de conta que não ouvimos nem percebemos. Obviamente o abrandamento sério do crescimento do PIB alemão tem impactos e efeitos nas economias que estão muito interligadas — como é o caso de Portugal que precisa bastante do investimento alemão e exporta muito para lá.

Tenho dito muitas vezes que, em 2019, uma boa dose de realismo devia substituir algum excesso de otimismo nos discursos e práticas oficiais (basta recordar o tom do Governo nesta semana de anúncios de infraestruturas…). O ministro alemão só veio confirmar que Portugal perceberá em 2019 que já houve conjunturas melhores…

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Brexit: a tentação de uma suspensão do artigo 50 (e May fica)

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião