Como sacanear o parlamento – parte 2

É na arbitragem das taxas de juro associadas aos diferentes prazos que está a borla aos bancos. Custa-me acreditar que o Ministro das Finanças não tenha feito estas contas.

Estávamos no início de Abril deste ano quando Mário Centeno foi à Comissão Parlamentar de Orçamento e Finanças responder às perguntas dos deputados sobre a renegociação do empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução (FdR), que acabara de ser anunciada. Dias antes, dois reputados economistas, João Duque e Ricardo Cabral, haviam expressado duras críticas aos termos da renegociação do empréstimo, o primeiro falando em perdas de 1.700 milhões de euros para o Estado e o segundo num perdão de 44.7% da dívida aos bancos.

Centeno ia sob aviso, mas acossado pelos deputados, meteu uma cassete e à pergunta “Qual o valor atualizado líquido dos pagamentos que o Estado recebe por este empréstimo?”, várias vezes enunciada, o ministro das Finanças lá foi balbuciando repetidamente: “Há um empréstimo, uma taxa de juro e um spread acima do da República que permite a solvabilidade do Fundo de Resolução”. Uma prestação lamentável e indigna de país de primeiro mundo. Entretanto, ficámos ontem a saber, através da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) à Assembleia da República, que há mesmo um perdão, uma perda, ou, numa versão mais suave, um desconto ao FdR, logo, aos bancos do sistema nacional que o financiam. O número da UTAO, que o afirma “conservador”, é 630 milhões de euros.

Note-se que a renegociação do empréstimo não me causa qualquer espécie. Quando o BES foi resolvido, o FdR não estava ainda capitalizado, menos ainda para uma operação da dimensão daquela que resultou no Novo Banco (NB). O reembolso do empréstimo do Estado ao FdR no prazo original estava assim altamente dependente da venda relativamente rápida do NB. Como a venda do NB não se concretizou naquele período de tempo, a renegociação do empréstimo do Tesouro ao FdR, para acudir à falta de financiamento interno do próprio FdR, seria apenas uma questão de tempo. Dito e feito.

Ora, alargar o reembolso do empréstimo para o muito longo prazo faz todo o sentido e 2046 é até capaz de pecar por defeito. Todavia, o que não faz qualquer sentido, é o custo do financiamento que será aplicado até lá, em particular a partir de 2022. Recorde-se que desta renegociação saiu um acordo segundo o qual entre 2017 e 2021 o Estado cobrará uma taxa de 2%, sendo que depois, entre 2022 e 2046, o empréstimo será refinanciado a cada cinco anos ao custo de financiamento da República a cinco anos – na prática, a uma taxa de juro inferior àquela que resultaria de uma operação a 30 anos, conforme é o caso. É precisamente na arbitragem das taxas de juro associadas aos diferentes prazos que está a borla aos bancos.

O empréstimo do Estado ao FdR foi renegociado para durar até 2046, criando uma necessidade de endividamento do Estado a 30 anos, e limitando a capacidade creditícia da República para outros fins durante o mesmo período de tempo. E, portanto, se assim é, então, o juro exigido pelo Estado ao FdR deveria ser pelo menos equivalente à taxa de juro exigida à própria República a 30 anos. As contas são fáceis de fazer e ainda há dias Portugal emitiu dívida a vencer em 2045 (a uma taxa de juro de 4,1%), existindo assim uma boa referência para o prémio de risco a tão longo prazo. Deste modo, atendendo às (muito favoráveis) condições de mercado de hoje, deduz-se que o Estado ganhará cerca de 1 ponto percentual na arbitragem das taxas de juro até 2021 (porque a taxa implícita na dívida pública a vencer em 2021 ronda 1% e até lá o Estado cobrará 2% ao FdR).

Porém, a partir de 2022, o caso muda de figura e, assumindo que as condições favoráveis de mercado se mantêm, é o Estado que deixará de ganhar 3 pontos percentuais por ano até 2046, correspondentes à diferença entre o custo da dívida pública a 30 anos e o juro, indexado aos cinco anos, que o Tesouro cobrará ao FdR. O Estado faz o contrário do que faria um banco lucrativo: pede emprestado a uma taxa mais alta e empresta-o a uma taxa mais baixa.

Custa-me acreditar que o Ministro das Finanças não tenha feito estas contas. E mais me custa que tivesse ido à tal comissão de orçamento e finanças sem outra argumentação que não a da cassete. Fez bem a oposição em pedir um esclarecimento à UTAO que, ainda há poucos dias, tinha prestado um outro esclarecimento interessantíssimo ao Parlamento. O esclarecimento de outra borla, uma borla fiscal para uma mão cheia de empresas, que resultou do regime de reavaliação de activos introduzido pelo Governo em 2016.

Relembre-se que esta medida fiscal, mediante a reavaliação de activos fixos tangíveis e propriedades de investimento, permitia a dedução fiscal da reserva (diferença) de reavaliação dos ditos activos a lucros futuros, em troca do pagamento de uma tributação autónoma de 14% sobre o valor da referida reserva. Segundo a UTAO, a EDP, que sozinha terá gerado metade de toda a receita fiscal obtida pelo Estado neste regime, vai pagar 165 milhões de euros de imposto sobre uma reserva de reavaliação de 1.185 milhões, ficando depois com direito a uma dedução fiscal de 339 milhões de euros a lucros futuros – um benefício fiscal líquido de 174 milhões de euros (ou seja, 15% da reserva de reavaliação). Nada mau! Na verdade, lamento apenas que a medida, de tão complexa, e aparentemente tão míope na ânsia de antecipar receitas, tenha sido desenhada a pensar nas grandes empresas, e não nas PME que também apreciariam o alívio fiscal.

Uma vez mais, o problema do exemplo anterior não está no problema em si. Está, sobretudo, na falta de transparência com que o mesmo é tratado. Ou seja, não me aborrece nada que a EDP tenha calculado bem a sua estratégia fiscal. Mas, para além da medida não ter sido justamente concebida para a grande maioria de empresas que constituem a base da nossa economia, incomoda-me que, mais uma vez, estes valores não tenham sido divulgados por iniciativa do Governo. Incomoda-me que tivesse de ser a UTAO a fazê-lo, embora, verdade seja dita, seja precisamente nestas situações que a mesma é mais útil. Infelizmente, estas situações vão-se repetindo – também há dias, o Conselho de Finanças Públicas deu uma reprimenda pública à Segurança Social porque esta não lhe tem disponibilizado a informação que deveria disponibilizar – e denotam um mau funcionamento da instituição parlamentar.

Os exemplos do ministro das finanças ou, pior ainda, do senhor primeiro ministro, que vão ao Parlamento e não respondem ao que lhes é perguntado, evidenciam uma democracia pouco madura. Uma democracia onde há uns maduros que se sentem livres de tentar escapar ao escrutínio dos demais e a quem o presidente da Assembleia da República tudo permite. Devo dizer que tudo isto me parece um pouco ridículo, mas, como dizia o outro, desculpem lá qualquer coisinha, que isto é só a minha opinião pessoal.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Como sacanear o parlamento – parte 2

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião