Como se vai governar a Europa?

No meio desta “salganhada” em que se estão a tornar os parlamentos e as coligações governamentais, o grande desafio que a generalidade dos estados europeus e a própria UE têm é a governabilidade.

A Europa é historicamente um espaço de turbulência política. Por aqui não faltaram regimes totalitários, genocídios, guerras, revoluções. Só a criação e o desenvolvimento da atual União Europeia permitiu conquistar décadas de estabilidade, progresso e paz. Apesar de estas conquistas serem difíceis de abdicar, no ADN do europeu não está um espírito de união e solidariedade. Provavelmente, só a memória fresca da tragédia da guerra e dos extremismos do século XX permitiu o desenvolvimento de tantas políticas comuns. Sendo que, sempre que a integração europeia se confrontou com a democracia direta, os resultados não foram propriamente animadores.

Face ao que tem vindo a ocorrer na generalidade dos países, é difícil ser otimista quanto à estabilidade política nos próximos tempos no espaço europeu. Sem estabilidade dificilmente há progresso. E, sem progresso, a paz (pelo menos social) também pode ficar comprometida.

A crise das dívidas soberanas e a obsessão pela austeridade, o terrorismo, a perturbação que o fenómeno das migrações tem causado (com a incapacidade de ter uma resposta comum compreensível), a fraqueza das lideranças e o descrédito dos políticos, a estagnação económica e até uma desagregação da cultura histórica europeia em prol de uma certa ditadura do “politicamente correto”, desgastaram demasiado uma fatia importante do eleitorado, começando a ter efeito relevante nas urnas. Isto é assim, não obstante a Europa continuar a ser a geografia mais equilibrada do mundo em termos económicos e sociais, ao ponto de ser tão ambicionado por aqueles que tiveram o azar de nascer em regiões manifestamente desfavorecidas.

A Era do “centrão” dominador e moderado terminou (pelo menos, por agora). Não há governo democrático sem consensos e concessões, mas também é fundamental que os executivos sejam capazes de tomar decisões eficazes. E a grande dúvida que se coloca é saber como se poderá alcançar isso com partidos tão extremados, como os que rapidamente têm vindo a emergir em quase todos os países europeus. No meio desta “salganhada” em que se estão a tornar os parlamentos e as coligações governamentais, o grande desafio que a generalidade dos estados europeus (e a própria União Europeia) tem pela frente é o da governabilidade. Como se governa assim?

Outro problema que acresce é o facto de na globalização económica os principais concorrentes da Europa não terem este tipo de problemas. Na China de partido único, que consegue ser comunista e capitalista ao mesmo tempo, é óbvio que isto nem é tema. Quanto aos E.U.A., por mais que Trump se esforce em perturbar o sistema democrático, o bipartidarismo – relativamente moderado em temas económicos fundamentais – não parece estar em causa.

Não deixa de ser curioso que Portugal tenha sido precursor nesta nova fase das “geringonças”, conseguindo trazer para o sistema um partido comunista ortodoxo e um partido da extrema-esquerda, tradicionalmente anti poder. Em termos de estabilidade governativa não se deu mal. No entanto, foram anos de puro jogo político cínico, sem reformas abrangentes e sem uma política económica geral que se percecione como coerente, duradoura e descomplexada em relação à iniciativa privada e à liberdade económica.

Seja como for, não vale a pena ter ilusões. Perante o cenário atual que os eleitores estão a escolher, mais do que lideres ideologicamente esclarecidos, os governos terão que ser liderados por quem seja capaz de jogar este jogo político e construir pontes entre as diferentes tendências, por mais distantes que se afigurem. E, neste capítulo, talvez não seja mal visto António Costa começar a fazer roadshows pela Europa a explicar como se “sobrevive”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como se vai governar a Europa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião