Cuidar da saúde dos nosso seniores

  • Fernando Ribeiro Mendes
  • 7 Setembro 2019

As políticas públicas estão confrontadas com novas exigências de cidadania que resultam dos ganhos de longevidade da nossa população.

Os ganhos de longevidade da população são uma tendência consolidada da nossa demografia, que se traduz na ocorrência da morte dos portugueses, em média, em idades cada vez mais avançadas. Em 2017, 85% dos óbitos verificaram-se em seniores de 65 e mais anos e 65% dos óbitos verificados disseram respeito a pessoas com idades de 80 e mais anos.

Sendo cada vez mais volumoso e longevo o segmento sénior da população, aumenta a pressão sobre o nosso sistema de saúde nos anos que antecedem a morte de cada indivíduo. Em 2017, 95% do total de óbitos foram o desenlace de doenças naturais, a maioria das quais com desenvolvimento gradual que se foi desenrolando durante vários anos: enfermidades do aparelho circulatório, tumores malignos e doenças do aparelho respiratório (responsáveis por 54% do total do ano).

Os cuidados ministrados no ocaso das nossas vidas incluem, num proporção crescente, meios de diagnóstico e terapêuticas sofisticados e muito caros, acedidos durante períodos prolongados, a que muitas vezes se sucedem cuidados paliativos também onerosos. Ao mesmo tempo, as enfermidades fatais são precedidas e acompanhadas frequentemente por patologias crónicas associadas à idades avançadas, as quais geram dependências que solicitam serviços e cuidados integrados de longo prazo, cada vez mais expressivos.

A maioria dos óbitos verifica-se em ambiente hospitalar. Em 2017, os 69.018 óbitos ocorridos em hospitais e clínicas contrastados com os 55.756 do ano 2000 dão-nos ideia bem sugestiva do aumento da pressão sobre os hospitais induzido por esta via, desde o início do século, numa população que diminuiu no período.

Toda esta evolução poderá ser contrariada se houver progresso significativo da condição de saúde da população, especialmente da mais idosa.

Tabela 1

Infelizmente, não há boas notícias neste capítulo, pois o número de anos de vida com saúde a que, em média, os portugueses e, em especial, os seniores podem aspirar tem evoluído modestamente. O mesmo se passa com a auto-perceção menos positiva que mais de metade da população portuguesa continua a declarar, quando inquirida acerca do estado da sua saúde (ver Tabela 1).

As políticas públicas estão, assim, confrontadas com novas exigências de cidadania que resultam dos ganhos de longevidade da nossa população: garantir a todos o envelhecimento saudável e os cuidados adequados a prolongar-lhes a vida, tanto quanto possível, com qualidade e dignidade.

Nas próximas eleições legislativas, é da maior importância que as candidaturas à Assembleia da República esclareçam as suas propostas neste domínio, cada vez mais importante na nossa vida coletiva.

Com tal objetivo, a CIDADANIA SOCIAL – Associação para a Intervenção e Reflexão de Políticas Sociais promove, no próximo dia 12 de setembro de 2019, a partir das 14h30, a Conferência sobre “Políticas Públicas para a Sustentabilidade do Estado Social – Legislativas 2019”, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, desafiando os agentes políticos à definição rigorosa e tecnicamente sustentada de políticas sociais adequadas e sustentáveis.

  • Fernando Ribeiro Mendes
  • Economista. Dirigente do Think Tank “Cidadania Social”

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Cuidar da saúde dos nosso seniores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião