Deputados sem faltas e com o dobro do salário. Há coragem?

Temos uma doença prolongada instalada no Parlamento mas que se estende aos principais partidos e à entidade que está encarregue de exercer algum controlo, o Tribunal Constitucional.

O menos importante no caso de José Silvano é o caso particular, isolado, por mais lamentável que seja – e é. Esse é, antes de mais, um problema do próprio e do seu partido, o PSD. Num fósforo, Rui Rio ficou sem discurso de ética porque não pode tentar diferenciar-se dos restantes partidos nesta questão depois de ter o seu secretário-geral envolvido num caso de falsificação de presenças no Parlamento e ter tentado arrumar o assunto na gaveta das “pequenas questiúnculas”. O “banho de ética” durou pouco e acabou com a ética a ser deitada fora com a água do banho.

O problema do caso José Silvano para o país é que é apenas o último de uma longa sucessão deles, todos com contornos semelhantes.
Mesmo considerando que em todas as actividades há pessoas menos sérias ou que lidam com as regras com mais informalidade – vamos usar este eufemismo -, importa saber se estamos apenas perante uma dúzia de casos isolados ou se, pelo contrário, temos um problema sistémico no coração do regime democrático relacionado com a transparência, a ética, as regras de governança e o escrutínio.

Os dados que temos indicam-nos que sim, estamos com um sério problema no funcionamento e práticas de instituições que deviam ser exemplares mas que acabam por transmitir aos cidadãos duas ideias altamente perversas: a primeira é que as regras não são para cumprir, são antes para serem torneadas e dribladas em proveito próprio com mais ou menos “chico-espertismo”; a segunda é que o rigor e a exigência, quando existem, são apenas para os cidadãos porque os políticos que fazem as leis que as impõem se permitem violá-las quando lhes é conveniente.

Ora, nenhuma sociedade que se tenha em boa conta pode assumir que esta é a normalidade e deve ser muito mais exigente do que isso.
Esta doença prolongada radica essencialmente no Parlamento mas estende-se aos principais partidos e à entidade que está encarregue de exercer algum controlo, o Tribunal Constitucional.

Quais são os principais sintomas desse problema do sistema?

1 – O primeiro é que estamos perante práticas reiteradas, regulares e que se mantêm ao longo do tempo. Não sabemos a sua verdadeira extensão, porque não há fiscalização, auditorias ou qualquer outro mecanismo que o permita aferir. Fica-se com a ideia que ninguém com poder para isso está interessado em sabê-lo com rigor. Mas a frequência com que são relatados casos pela comunicação social – sem que resultem sequer de uma investigação sistemática – faz-nos crer que só vemos a ponta do iceberg.

Na generalidade destes casos ocorre uma apropriação ilegal ou, pelo menos, imoral de recursos dos contribuintes à margem das regras e das boas práticas. Nalguns casos as práticas podem mesmo representar ilícitos criminais. E há sempre uma violação das regras que os próprios aprovaram, o que é sempre um péssimo exemplo.

2 – Outro sintoma é o sentimento de impunidade que reina, visível na repetição destas práticas e a sua perpetuação mesmo depois de serem denunciadas publicamente na comunicação social. Os deputados que o fazem sabem que as consequências são sempre nulas ou perto disso. Devolver o que se recebeu ilicitamente quando se é “apanhado” não é penalização decente, como se sabe. Por isso, “estão-se nas tintas”, como se diz em bom português.

Dois episódios ocorridos esta semana mostraram isso mesmo: quando o deputado José Silvano assinou a presença na Comissão – máxima ironia – da Transparência sem ter assistido à reunião depois da denúncia, feita pelo Expresso, das falsas presenças em plenário; e a inenarrável conferência de imprensa da sua colega Emília Cerqueira, que se sentiu à vontade para dizer que há uma prática alargada de partilha de passwords entre deputados, o que permite assinalar presenças falsas de deputados. Percebe-se que, havendo regras, os mínimos não são cumpridos e, pior, nem se tem a consciência da imoralidade e do laxismo.

3 – Depois temos o silêncio ensurdecedor a que se remetem todas as bancadas quando algum destes casos é conhecido. A normal competição partidária, que se faz diariamente sobre todos os assuntos em todos os palcos mediáticos, encontra sempre nestes assuntos uma trégua. A vigilância dos pares concorrentes, que é um dos factores de regulação em qualquer sector, simplesmente não existe quando se entra neste tipo de más práticas de elementos da classe política.

Nuns casos será o típico instinto corporativo de defesa. Noutros, os telhados de vidro que alguns partilharão recomendam prudência no arremesso de pedras ao vizinho. Seja como for, é pouco ou nada dignificante e todos ficam mal nesta fotografia. A larga maioria honesta dá cobertura às más práticas de uma minoria e quem sai a perder é a reputação da instituição parlamentar perante os cidadãos.

4 – E há também a flagrante incapacidade de auto-regulação, aqui agravada porque estamos a falar de uma instituição que não está sujeita a regulação externa. As regras em vigor no Parlamento são decididas pelos próprios parlamentares. A verificação do cumprimento dessas regras compete também aos serviços do próprio Parlamento. Mas pouco ou nada é feito, como não espanta num sistema em que se é juiz em causa própria.

Há uns meses, num dos casos das moradas falsas, a auditoria jurídica do Parlamento fez saber que ”não incumbe aos serviços da AR averiguar (fiscalizar) qual é, na realidade, o local da residência efectiva (habitual) do deputado, sendo a ele que incumbe declarar, para os efeitos em causa, qual é, em cada momento, essa residência”.

Agora, a propósito do caso de José Silvano, Ferro Rodrigues diz que é preciso “banir os procedimentos lesivos da credibilidade” do Parlamento, mas não diz como porque, na verdade, não vai actuar nem mudar nada.

E o vice-presidente do Parlamento Duarte Pacheco defende que a análise do tema “deve ser feita pelos deputados à porta fechada”. Pois claro.

Poderíamos ainda olhar para os partidos, as suas regras de financiamento e como o Tribunal Constitucional deixa prescrever centenas de milhares de euros de multas decorrentes das irregularidades detectadas pela Entidade de Contas. E de como há um ano os mesmos partidos se conluiaram discretamente para alterar a seu favor as regras referentes ao IVA que lhes é aplicado.

Fala-se muito do sentimento de “anti-parlamentarismo”, do populismo e das ameaças ao regime que podem resultar do crescimento destes fenómenos. Embora em Portugal nos pareça distante, este é um risco real.

E nestes processos há sempre duas formas de olhar para o problema e para as suas soluções.

Uma é “atirar” a quem expõe ou critica estas práticas esquecendo os factos concretos, a sua legitimidade e decência. É a lógica de “matar o mensageiro”, de acusar genericamente a plateia de “virgens ofendidas”, de defender que o problema não está nos actos mas sim no seu conhecimento público. Nesta abordagem, a única solução para o problema é a censura.

A outra é ter a honestidade intelectual suficiente para fazer um diagnóstico justo e equilibrado, ter vontade de mudar a essência do problema, alterar práticas e, no fundo, definir para os representantes democráticos dos cidadãos nada mais nem nada menos do que isto: as regras são para cumprir.

Há muito que o Parlamento e os partidos precisam de fazer essa reflexão.

Não faz sentido registar presenças de deputados? É legítimo que isso se possa defender. Mas então assumam-no com coragem, expliquem isso ao país e aos eleitores e suportem as imagens das bancadas vazias quando isso acontecer. Porque vai acontecer. E nessa altura voltem a explicar porquê.

O ordenado base de 3.625 euros dos deputados é baixo? São necessários uma série de subsídios, ajudas e senhas de presença para “compor” o rendimento de forma mais discreta que não apareça nas habituais comparações “quanto ganham os políticos?”. E alguma delas sem pagar IRS? Então assumam-no também. Digam, cara a cara aos eleitores e contribuintes que os deputados devem passar a ganhar 6.000 ou 7.000 euros por mês e acabem com a trapalhada de subsídios e ajudas. É mais transparente, o Parlamento poupa na área administrativa e os deputados passam a ser tratados como gente adulta e responsável. É preciso coragem política para o fazer? É. Expliquem que a democracia é um regime caro e, mais uma vez, assumam o ónus político dessa frontalidade.

Tudo é melhor do que a falsidade de ter leis e regras que se sabe à partida que serão violadas por quem as fez para si mesmo. Tudo é melhor do que um comportamento de casta que goza de impunidade. Este sim, pode ser o estímulo para propostas populistas. Começar por procurar as ameaças de Bolsonaros nas praças de touros pode não ser boa ideia.

E mais ninguém, além do Parlamento, pode resolver estas questões. Decidindo bem e com coragem; ou, num raro assomo de humildade, chamando alguém de fora para o fazer de forma mais distanciada e independente. Como está é que não deve ficar.

(O autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Deputados sem faltas e com o dobro do salário. Há coragem?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião