E depois da pandemia? Voltamos à anemia, claropremium

O Banco de Portugal prevê que a economia cresça uns míseros 2% em 2024. Com a “bazuca” em pleno não conseguimos melhor, sintoma da nação falhada que somos.

Esta semana o Banco de Portugal publicou o exercício regular de revisão das suas previsões. Este ano a economia deverá recuperar 4,8% e nos próximos dois anos vamos crescer mais do que estava anteriormente previsto, a taxas de 5,8% e 3,1%, respectivamente em 2022 e 2023. Mas não tenhamos ilusões. Estas taxas de crescimento, que infelizmente são absolutamente anormais para o padrão português, não reflectem qualquer melhoria das capacidades de desenvolvimento do país. Elas são uma consequência quase automática, uma evolução aritmética depois da histórica queda da economia de 8,4% em 2020, na sequência do “fecho” da economia por questões sanitárias. É como um elástico que regressa rapidamente ao seu estado habitual quando o esticamos e largamos. O Banco de Portugal estima que o país atinja o

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos