Emigrantes. Venham as remessas, os votos logo se vêpremium

Como é que se chegou a este desastre que estava à espera de acontecer? Por incúria, por falta de sentido de dever e porque qualidade da democracia não está nessas prioridades dos legisladores.

A verdade é que não precisamos da ajuda de extremistas e populistas para dar cabo do bom nome do regime e do seu estado de saúde. Os tiros nos pés são frequentes. O mais recente foi de bazuca e atingiu o elemento mais sagrado de qualquer sistema democrático: o princípio do voto universal. Não atribuo intenções dolosas ao que aconteceu com o voto dos emigrantes. O problema não é policial. É estrutural. E isso é bom e mau ao mesmo tempo. É bom porque seria demasiado grave que alguém tivesse querido desvirtuar uma parte da eleição e que o tivesse feito com sucesso. É mau porque tendo o problema origem na incompetência, na falta de zelo e no desprezo de uma sucessão de instituições é mais difícil de corrigir e obriga a um processo em que somos, por regra, medíocres: consensualizar um ponto de

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos