Está bom para a erva e os cogumelos

Greta Thundberg erra quando atribui aos governos, e às suas decisões sobre o assunto, uma importância excessiva, esquecendo que é nas pessoas comuns e nas empresas que estão os motores mais poderosos.

Este Outono tem sido extraordinário: chuva persistente, aguaceiros, abertas solarengas, dias cinzentos, chuva molha-tolos, vento, frio contido, calor mediano, enfim, um Outono claramente outoniço.

É de facto extraordinário que a meteorologia, em alguns momentos, corresponda ao padrão climático e isso poupa-nos muita conversa chilra quer dos negacionistas que acham que umas semanas frias e húmidas no Verão demonstram que não há aquecimento global nenhum, quer dos alarmistas que acham que uns dias de canícula no Inverno demonstram que o apocalipse é amanhã.

Talvez seja útil aproveitar esta pausa nas discussões extremadas para retomar alguma racionalidade. O primeiro ponto talvez seja sublinhar uma questão básica: meteorologia e clima são coisas completamente diferentes, tal como o buraco resultante de uma micro-explosão provocada por Vihls é completamente diferente do resultado do conjunto de micro-explosões que usa para transformar uma parede.

Sendo mais concreto, a meteorologia consiste na descrição do tempo que faz em cada momento, e que tem uma enorme variabilidade, sendo possível dizer que nevou em Évora, num determinado dia. Esse dia em que nevou em Évora está muito longe de definir o clima de Évora, porque é um dia excepcional e muito raro.

Meteorologia e clima são coisas completamente diferentes, tal como o buraco resultante de uma micro-explosão provocada por Vihls é completamente diferente do resultado do conjunto de micro-explosões que usa para transformar uma parede.

Henrique Pereira dos Santos

O que define o clima de Évora é a norma, não a excepção, a norma climática é definida a partir da determinação dos valores observados em trinta anos de observações, isto é, se a neve em Évora é um fenómeno meteorológico muito interessante, nomeadamente por ser raro, só será um fenómeno climático interessante se, em vez de um ou dois dias de neve em trinta anos, passar a haver vinte ou trinta.

Em climas muito variáveis, como é aquele em que vivemos — há outros climas muito mais estáveis, tal como há outros com maior variabilidade — o extraordinário é que haja um tempo de várias semanas muito próximo da norma, o mais habitual é que as condições meteorológicas estejam afastadas dessa norma climática teórica, umas vezes num sentido, outras vezes no sentido inverso.

O que interessa na discussão sobre alterações climáticas são os padrões, e não um Inverno extremamente frio e chuvoso ou um Inverno extremamente seco e com temperaturas acima da média. Ora é um facto que a variação climática é inquestionável. E é outro facto que sempre houve variação climática. E é bem provável que essa variação esteja a alterar-se.

A esmagadora maioria da ciência que diz que a variabilidade actual é provocada, ou pelo menos influenciada, pela libertação de carbono de que depende o nosso modelo social e económico.
Sobre esta discussão a minha opinião é completamente irrelevante: O assunto é demasiado complexo para o que sei, portanto aceito o que a generalidade da ciência diz, tal como aceito que é a Terra que gira à volta do Sol, por mais que os meus sentidos digam o contrário, porque sou incapaz de avaliar a correcção dos cálculos astronómicos que demonstram que é a Terra que gira e roda, e não o Sol.

De uma maneira ou de outra, sejam quais forem as razões que estão na base das variações climáticas em curso, a verdade é que é prudente e sensato adaptarmo-nos a um mundo em mudança: Se a ciência dominante estiver errada, os riscos sociais e económicos associados à transição energética são geríveis pela sociedade, nomeadamente o risco de serem socialmente injustas ou economicamente ineficientes. Mas se a ciência dominante estiver certa, o risco de a ignorar é brutal e as consequências sociais e económicas são de uma enorme dimensão.

Greta Thundberg não está errada quando fala sobre as mudanças que estão a ocorrer no clima, Greta Thundberg erra quando atribui aos governos, e às suas decisões sobre o assunto, uma importância excessiva, esquecendo que é nas pessoas comuns e nas empresas que estão os motores mais poderosos de evolução da sociedade. E, acima de tudo, comete um erro colossal, e uma injustiça da mesma dimensão, quando diz que nada está a ser feito para gerir o problema. Sobre isso escreverei noutro dia que hoje tenho de ir aproveitar este Outono que está do melhor para os cogumelos.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está bom para a erva e os cogumelos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião