Este é o pior momento para pensar nos incêndios florestais

Este é o pior momento para pensar nos incêndios florestais. Mas é infelizmente o único para que todos o façamos.

E pensar na floresta é olhar para a sua relevância estrutural. Na sociedade e no ambiente.

Viver com o fogo

Portugal tem que saber viver com os incêndios florestais. Mas isso não explica nem perdoa 64 mortos e mais de 250 feridos. Aceitar a inevitabilidade dos incêndios florestais responsabiliza-nos a todos e em especial os decisores políticos para tomar atempadamente as medidas para lidar com esta realidade. E esse é um trabalho de anos e de décadas.

Por maiores que tenham sido as falhas no combate especifico deste incêndio, a maior de todas é estrutural – é que se continua a olhar para o fogo como algo que vamos impedir de acontecer e apagar. E portanto o foco está no combate e marginalmente na prevenção. Mas não na preparação para o inevitável. Podemos e devemos fazer tudo para prevenir e combater os incêndios florestais. Mas em nenhum momento podemos aceitar que 64 pessoas morram de forma tão brutal.

E para salvaguardar vidas, as pessoas que vivem e trabalham dentro da floresta têm que estar preparadas para reagir ao fogo e dispor de meios de auto ajuda e de proteção adequados. As pessoas são parte da solução. É indispensável que estas populações recebam formação teórica e prática regular para saber como agir. E que ninguém se iluda – a prática perante fogo real é toda uma outra realidade, como só sabe quem já o viveu.

Neste combate é fulcral ter o povo em armas. Mas é também indispensável, para além da já obrigatória redução de combustíveis em torno das habitações, que estas populações disponham de abrigos equipados e seguros para se refugiarem do fogo, em vez de se verem obrigados a fugir ou a simplesmente gritar pelos Bombeiros. Para que quando a batalha está perdida, não se percam vidas, nem andem os Bombeiros a desdobrar-se em missões heroicas e quase suicidas.

E depois do incêndio é imperativo que, enquanto sociedade, sejamos solidários com quem tudo perdeu – e esta solidariedade tem que durar muito para além das manchetes dos jornais. Porque na floresta o tempo mede-se em décadas e não em dias ou semanas.

Um caso de sucesso

Portugal tem na floresta uma enorme riqueza, que contribui significativamente para a coesão social e territorial, para a preservação dos ecossistemas, da paisagem e ambiente, e para a economia com 3% do PIB e 12% das exportações. Temos características únicas que nos permitem sermos o maior produtor mundial de cortiça. E tivemos a arte e o engenho de termos a melhor industria de rolhas e produtos de cortiça.

Os eucaliptos, essa tão mal amada espécie, em Portugal produzem a melhor celulose do mundo para papel – e temos a industria que produz o melhor papel do mundo. E a industria que revolucionou o papel higiénico.

Dois claros exemplos de como a fórmula “natureza + inovação” trouxe desenvolvimento para o país.

Américo Amorim começou a fortuna na cortiça, a Sonae começou na fileira florestal, e a Navigator Company é uma referência mundial.

Mas quase nunca é por isto que a floresta chega às manchetes.

Onde o mercado não chega

Infelizmente também temos uma enorme área do território florestal, que, pelas suas características geográficas e climáticas e de estrutura de propriedade, não tem sustentabilidade sócio-económica. E é nestas áreas que tipicamente deflagram os maiores e mais devastadores incêndios.

Porque o fogo é a principal atividade económica destes territórios. Não o afirmo insinuando que há mão criminosa nos incêndios – as autoridades competentes o apurarão e a mera ideia me parece demasiado monstruosa – mas porque não existindo a capacidade económica dos proprietários, nem uma intervenção pública eficaz, as mesmas áreas ardem ano após ano.

E por isso considero que os incêndios florestais são, antes de tudo, um problema sócio-económico com enorme impacto ambiental – e que é por essa via que se devem abordar. Em vez de nos preocuparmos em proibir o eucalipto – que onde é gerido e tem rentabilidade raramente arde com impacto significativo – deveríamos encorajar a plantação e gestão de outras espécies autóctones extremamente úteis para abrandar o fogo e para o ecossistema.

Deveríamos incentivar a manutenção de rebanhos a pastar em regime extensivo, que são uma forma natural de gerir os matos. E compensar quem mantém florestas de conservação, necessárias para a preservação de ecossistemas, espécies, paisagens e ciclos do solo e da água. Porque devemos tratar os cidadãos que detêm e vivem e trabalham na floresta como parceiros úteis e responsáveis, para que tenham a liberdade de agir como devem, recebendo da sociedade a justa recompensa pelo que contribuem para o bem comum. Até porque proibir ou obrigar não resultou até agora.

A verdade é que até hoje temos quase sempre esquecido a floresta assim que o telejornal deixa de abrir com os incêndios. Porque infelizmente a pior altura para tratar dos incêndios florestais tem sido a única – e isso tem que mudar já.

Nuno Santos Fernandes é produtor florestal, foi dirigente da AFLOPS Associação de Produtores Florestais, é empresário e um dos fundadores da Iniciativa Liberal.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Este é o pior momento para pensar nos incêndios florestais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião