Estratégia europeia para finanças sustentáveis, uma realidade para breve

No dia 18 de julho a Comissão Europeia apresentou o relatório intermédio sobre o que poderá ser a estratégia europeia de finanças sustentáveis. Fez-se história

Numa sala cheia de representantes europeus – bancos, fundos de investimento, consultoras e ONGs — fez-se história: a Comissão Europeia assume o compromisso de desenvolver ações e políticas que promovam a integração dos temas ambientais, sociais e de governance em todo o sistema financeiro, promovendo assim uma abordagem de médio e longo prazo que é central para o sucesso da União dos Mercados de Capital e para alcançar os objetivos de neutralidade carbónica e de economia circular.

Este relatório intermédio chamado “Financiar uma economia europeia sustentável” defende que uma finança sustentável é sinónimo de um melhor desenvolvimento e de uma finança melhor. Define finança sustentável como um sistema financeiro que é estável e que tem em consideração os temas de longo prazo como educação, económicos, sociais e ambientais, incluindo emprego sustentável, financiamento das reformas, inovação tecnológica, construção de infraestruturas e a mitigação das alterações climáticas.

Apesar de ser um relatório intermédio, apresenta já oito recomendações prévias que devem ser consubstanciadas na futura estratégia europeia:

  1. Criação de um sistema que classifique os produtos e ativos financeiros de acordo com o seu desempenho na sustentabilidade;
  2. Introdução de um standard europeu para as obrigações verdes (Green Bonds), para ativos verdes e labels para fundos responsáveis;
  3. Implementação de um conjunto único de princípios relacionados com o dever fiduciário, onde a análise dos temas ambientais, sociais e de governance são especificamente reconhecidos como parte deste dever;
  4. Reforçar a disponibilização de informação não-financeira e material para a empresa, que se pode refletir em regras a definir pelas Bolsas de Valores e em análises de benchmark;
  5. Incluir a sustentabilidade em toda a legislação e regulamentação europeia do setor financeiro;
  6. Criação da organização “Infraestruturas Sustentáveis Europeias”, dedicada ao aconselhamento do poder local e outras autoridades, para o desenvolvimento de projetos sustentáveis na área das infraestruturas e para a identificação de potenciais investidores interessados nestes investimentos;
  7. Promover a incorporação dos temas da sustentabilidade nas agências europeias de supervisão;
  8. Publicar, através do Eurostat, um guia de standard contabilísticos, sobre como os investimentos em eficiência energética podem ser analisados e compreendidos pelo setor financeiro.

Para que tudo isto seja implementado, os temas da corporate governance e do dever fiduciário foram identificados como essenciais à aplicação efetiva destas recomendações, uma vez que subjacente a esta visão do sistema financeiro está a noção de investimentos de médio e longo prazo, onde os lucros de curto prazo deixam de ser o foco da gestão.

Esta abordagem bem como as recomendações preliminares estão em consulta pública de 18 de julho a 20 de setembro, sendo assim possível ainda contribuir ativamente para este processo tão fundamental aos objetivos de neutralidade carbónica, economia circular, proteção da biodiversidade, desenvolvimento sustentável e criação de emprego. Se ambicionamos um desenvolvimento sustentável, então é necessário criarmos as condições e os incentivos para que esse desenvolvimento possa ser financiado pelo sistema financeiro.

  • Economista especializada em sustainable and climate finance

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estratégia europeia para finanças sustentáveis, uma realidade para breve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião