Europa, Europa, para onde vais que não te vejo

José Miguel Júdice analisa, no Jornal das 8 da TVI, a situação política na Europa. Está sobretudo preocupado com o Reino Unido e com as consequências para o projeto europeu..

Há boas notícias a curto prazo da Alemanha, o oposto de Itália e confusão total do lado do Reino Unido. No entanto, as coisas podem não ser o que parecem. Porquê?

A Europa precisa de um governo estável na Alemanha como do pão para a boca. Como dizia a minha mulher na altura das eleições presidenciais dos EUA, “todos devíamos poder votar contra o Trump”. Concordo (e como teria sido diferente…). Mas também acho que todos os europeus deveriam poder votar nas eleições alemãs, pois o nosso futuro depende mais da Alemanha do que se calhar de nós próprios…

Não podemos votar, mas apesar disso sofremos as consequências. Tudo indica – e isso é bom – que a Alemanha, a curto prazo, terá um governo europeísta e que pode durar. As cedências feitas ao SPD por Merkel foram quase todas boas para a Europa e para os europeus. Mas, a médio prazo, este governo pode destruir o modelo político alemão e criar uma situação como a que resultou das eleições em Itália.

As coisas são o que são: CDU e SPD chegaram a ter mais de 80% dos votos e em setembro do ano passado ficaram-se pelos 53%. A prazo, os partidos antissistema de direita e de esquerda podem atingir a maioria, num sistema totalmente proporcional, pois o bloco central terá esse efeito. E para que não percam é provável que acabem a fazer políticas antieuropeias.

E nada disso é estranho no duopólio que dirige a Europa hoje em dia: em França só não ocorreu o mesmo efeito nas eleições presidenciais que se realizaram meses antes, visto que o sistema eleitoral permitiu a eleição de um presidente moderado apesar de uma maioria clara ter votado em partidos antissistema na primeira volta.

Em Itália, os dados são já claros: mais de 55% dos eleitores votaram em partidos populistas antissistema. E isso prenuncia o pior, não é? Talvez não seja assim.

Os eleitorados de países periféricos (neles se incluindo os chamados PIGS – Portugal, Espanha, Itália e Grécia – e a Escócia votam para protestar e reforçar peso negocial. Não votam para atingirem o que os radicais e populistas desejam. Ora, de facto, na Escócia e na Catalunha os votantes dão maioria a partidos independentistas… mas são em maioria contra a independência.

Na Grécia, votaram em referendo a favor do que seria a saída do euro, mas não se zangaram com Tsípras, apesar de ter agido contra o resultado do referendo que convocara com vontade de o perder.

Mesmo em França, Marine le Pen perdeu muitos votos devido ao medo da saída do euro pois foi levado a sério o seu programa.

Além disso, o sistema eleitoral italiano vai dificultar a junção dos populistas. A falta de uma maioria clara em Itália vai ajudar a que não haja riscos reais de saída do Euro e ainda menos da UE, apesar do que defendem o 5 Estrelas e a Lega (e de juntos terem 50% dos votos).

Por isto tudo é que estou sobretudo preocupado hoje em dia com o Reino Unido. A diferença é que, aí, houve um referendo para saída da UE que teve sucesso. Por isso, recuar é quase impossível; mas avançar no sentido do que foi a vontade popular não se consegue, pois não há condições para que a Europa ou o Reino Unido aceitem o que a outra parte deseja. Tudo está assim num impasse que é propício a aventuras, a um ano do acordo ter de estar fechado. Como (e de novo recordo Marx como há uma semana…) foi a opção pelo Império com Napoleão III: o mundo antigo já não podia voltar e o novo ainda não podia chegar.

Claro que não acho, sinceramente, que Boris Johnson (que podia ser o líder do 5 Estrelas, pois é tão bom palhaço como Beppe Grillo) se consiga coroar imperador. Mas o que pode acontecer, quando se aproximar o deadline para a saída do Reino Unido da União Europeia, a solução pode facilmente ser a pior para os dois lados.

E é então que os dados europeus se podem complicar: é provável que, em meados de 2019, se sinta já a crise na coligação alemã e que a tentação “Alemanha acima de tudo” seja mais forte. É possível que Macron esteja enfraquecido por um mau resultado nas eleições europeias e o populismo francês a crescer. A Espanha pode continuar sem solução para a Catalunha. Os países de Leste podem estar ainda mais nacionalistas e populistas.

O meu receio é que, do lado dos países ricos da Europa, se tente recuperar o Reino Unido (através de um novo referendo), pagando para isso a diluição total do projeto europeu. Isso permitiria a Teresa May recuar e serviria para satisfazer as pulsões populistas e xenófobas.

E o receio aumenta, desde que se não esqueça que, para quem manda na Europa, um acordo com o Reino Unido que o mantenha na União Europeia é bem mais importante do que o que se passar nos países do Sul. A ver vamos, mas entretanto regressemos a Portugal.

O CDS é o melhor amigo de Rui Rio. E amor com amor se paga

Primeiro, quero recordar alguns factos: Rui Rio quer virar o PSD para a zona do PS. Rui Rio quer tratar o PS e o CDS da mesma maneira. Rui Rio sabe que o CDS quer ir sozinho a votos. Rui Rio sabe que o PS vai ganhar as eleições.

O meu querido amigo Francisco Van-Zeller (que foi presidente da CIP) disse, e cito: “os governos de esquerda sempre foram melhores para os empresários” e “se o Costa tiver a maioria absoluta despeja rapidamente o PCP e o BE. E joga sozinho”. E o líder da Jerónimo Martins (Pedro Soares dos Santos) disse a quem o quis ouvir: “Acredito muito no Dr. António Costa”.

Assunção Cristas sabe que o núcleo duro do PSD já não é o que era: nas autárquicas em Lisboa, o PSD teve 25% do voto para as freguesias, mas apenas 11% para a vereação: ou seja, quase 60% dos laranjinhas votou em Cristas. E quando não há esperança de que o voto útil faça ganhar eleições, a tendência é para votar com mais liberdade interior.

Na Primavera de 1985, as sondagens consistentemente colocavam o CDS de Lucas Pires à frente do PSD do bloco central. E se não fosse a entrada em cena de Cavaco Silva (um “mutante”, como diria Isaac Asimov), a história do sistema político português poderia ter sido muito diferente.

Depois dos factos, as evidências: A burguesia ilustrada moderada, os meios empresariais, os que não gostam da geringonça, acham que fortalecer Costa é mais racional do que fortalecer Rio. Ou seja, o mais provável é que todos pensem que o líder do PSD foi ali e já volta, derrotado.

Por isso, Rio não tem outra alternativa que não seja tentar negociar uma coligação pré-eleitoral com o CDS (até para disfarçar o fracasso). Mas o CDS, naturalmente, vai tentar um resultado nas eleições europeias que o fortaleça para negociar e para vender caro o acordo.

Este fim-de-semana, o congresso do CDS vai seguramente ser a consagração de Assunção Cristas. Ela sairá reforçada como líder, com um projeto estratégico claro (116 deputados, incluindo os do PSD), com um projeto ideológico claro (congregar tudo o que é contra o PS e a esquerda), com uma classe política mais jovem, mais moderna, mais sintonizada com os novos tempos.

E o PSD não vai ter tempo de colocar o seu instinto de sobrevivência a funcionar, defenestrando Rui Rio, como fez no Congresso da Figueira da Foz para entronizar Cavaco Silva que se apresentava tão contra a esquerda que até apoiava Freitas do Amaral para a presidência como condição para a sua candidatura a líder.

Tudo pode ser diferente? Claro que sim. Mas com os dados que temos neste momento, não acredito. Talvez por isso dentro do PSD já se diga que o CDS pode chegar a 40 deputados em 2019, quando agora tem apenas 18…

Se o PSD tiver 76 deputados, só perde 13 e ganhará as legislativas. Pois claro, não é? É só fazer as contas, como diria Guterres. Pode ser claro, mas não deve ser fácil, pois não?
A ver vamos…

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Europa, Europa, para onde vais que não te vejo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião