Expropriados sem indemnizaçãopremium

Tivemos no último ano uma série de expropriações. Não podem ficar por indemnizar. Mas essas indemnizações também não devem prejudicar o futuro do país.

Durante o último ano, muitos negócios foram forçados a fechar e os seus proprietários obrigados a suportar os custos desse fecho, pelo menos parcialmente. Essas pessoas tiveram que usar as suas poupanças ou pedir empréstimos para manter os seus negócios vivos devido às restrições ao seu funcionamento impostas por lei. A justificação, concorde-se ou não, foi a de garantir um bem de utilidade pública: a saúde. No dicionário da Priberam, a definição de expropriar é: “ Desapossar (alguém) da sua propriedade ou de parte dela, geralmente devido a alegada utilidade pública, pagando-lhe um preço estipulado”. Sob qualquer perspectiva, menos eventualmente a jurídica, aquilo que o poder político fez no último ano foi uma expropriação selectiva aos proprietários dos pequenos negócios em nome da

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos