Facebook, o Quinto Poder

Mais de um em cada quatro seres humanos interage mensalmente nesta rede social. Mas este quinto poder não está regulado nem é transparente.

Se a comunicação social é considerada o quarto poder, por decidir o que tem atenção pública e assim supervisionar os poderes legislativo, executivo e judicial, o Facebook é hoje verdadeiramente um quinto poder, e de escala planetária. Neste momento acima de um em cada quatro seres humanos interage mensalmente nesta rede social. Mas este quinto poder não está regulado nem é transparente.

Vem isto a propósito das recentes mudanças ao algoritmo do Facebook, anunciadas por Mark Zuckerberg, que geraram muitas críticas. O tema é da maior importância porque é neste algoritmo (chamado EdgeRank) que reside o poder de influenciar o mundo. Sabia que apenas uma ínfima percentagem das publicações que faz no Facebook chega aos destinatários (os seus amigos virtuais)? O número exato não é conhecido, mas, no caso das publicações feitas por empresas, o alcance real não chegará aos 2% de seguidores… Ou seja: a fórmula secreta do Facebook determina quem vê as minhas publicações e que conteúdos me chegam. Assim, influencia com quem me relaciono, quiçá que tópicos eu vejo, que notícias eu leio, etc. Isto não seria assustador se houvesse uma entidade independente reguladora das redes sociais, que fiscalizasse o bem-dito algoritmo em termos de ética, igualdade e transparência. Mas não há.

Anunciou recentemente Zuckerberg que o objetivo das alterações é privilegiar mais as publicações de família e amigos, e menos as de empresas, marcas e media. Em teoria, faz sentido. Mas logo foi acusado de estar apenas a tornar mais caro o espaço no Facebook. Ou seja, as marcas terão de pagar mais para chegar aos seus públicos. E como há queixas recorrentes de falta de transparência, por parte dos maiores anunciantes (como a Unilever), dizendo que não há certeza de que o Facebook entregue os conteúdos pagos a quem é suposto, adensam-se as dúvidas sobre as reais intenções por detrás do EdgeRank. Aliás o Facebook já chegou a admitir que alguns dos números divulgados estavam seriamente sobrestimados…

Para além dos anunciantes, o Facebook tem vindo a acumular outros inimigos e suspeitas. Alguns ex-executivos de topo manifestaram preocupações sérias sobre a possibilidade de a rede social ser hoje uma poderosa arma de desinformação, capaz de ameaçar a própria democracia! A candidata vencida Hillary Clinton já veio relacionar diretamente o Facebook com a sua derrota eleitoral. Por outro lado, os media tradicionais estão a começar a virar costas à rede social. O caso mais recente é o da Folha de S. Paulo que anunciou que deixaria de publicar lá anúncios. E não nos podemos esquecer que as autoridades europeias têm as grandes companhias da internet na mira, o que atingirá o auge quando em maio entrar em vigor o RGPD (Regulamento Geral de Proteção de Dados), cujas multas podem ser bilionárias.

Tudo resumido, e apesar do Facebook começar a mostrar sinais de menor vitalidade (menos utilizadores em alguns mercados e menos tempo de utilização), vamos ver se o poder excessivo da rede social não tem de ser travado como aconteceu à omnipotente Bell, nos anos 80 do século XX. Na altura, foi o poder judicial a impor que a companhia telefónica mais poderosa daquele tempo fosse partida em numerosas companhias Bell regionais independentes. Assim, os poderes mais uma vez se equilibraram.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook, o Quinto Poder

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião