Governo ignora a inflaçãopremium

Compete ao governo garantir que os Portugueses não perderão poder de compra em 2022 e 2023, como prometeu. Mas ainda não cumpriu, como é exemplo o caso dos funcionários públicos.

Desde há meses que o governo ignora, ou faz que ignora, a pressão inflacionista. As tensões inflacionistas iniciaram-se nos EUA no verão do ano passado. Na Europa, as pressões inflacionistas também já se fazem sentir desde o final de 2021. Os dados de maio mostram que em 2022 a inflação ficará muito acima da previsão do governo. Em maio, a inflação homóloga ficou em 8%. Caso os preços não aumentassem mais até ao final do ano, ainda assim a inflação seria em dezembro superior a 6%. Caso os preços aumentem até ao final do ano 0.5% ao mês (igual à subida de fevereiro), a inflação ficará perto de 7.5%. Recorde-se que o governo prevê um IPC de 3.7%. Este governo acaba de ser eleito com uma maioria absoluta. Conquistou essa maioria absoluta com a promessa de melhoria dos rendimentos dos

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos