Há um senhor da AHRESP em cada esquina

A empresa do fato e da gravata está a morrer, os escritórios cinzentos tendem a acabar e a avaliação dos percursos profissionais com base nos diplomas tem os dias contados.

Há por aí uma série de gente a indignar-se com o presidente da AHRESP e as suas declarações sobre os “empresários despenteados” que vêm ao Web Summit. Tendo eu tão fraca figura como os ditos senhores, acho que tenho algo a dizer sobre o tema. Até porque sou um tipo invariavelmente despenteado, que faz a barba de vez em quando, que só tem ténis na sapateira e que a última vez que usou uma gravata foi no seu próprio casamento.

Antes de mais quero declarar que acho que estas declarações mais não são do que um mero exercício de ingenuidade. Conheço alguma coisa da nossa restauração e percebo que o senhor se tenha que exprimir naqueles moldes para explicar aos empresários penteados do seu sector o que vai acontecer nos próximos dias em Lisboa.

O problema das declarações do senhor da AHRESP não são as declarações em si, mas sim o facto de serem o espelho do Portugal tacanho das gravatas, dos senhores doutores, dos senhores engenheiros, dos senhores arquitectos e dos senhores professores. O Portugal do bafio e da naftalina. Do “Dr.” gravado no cartão de crédito e do “veste o teu melhor fato para ir pedir um empréstimo ao banco”.

Há 11 anos entrava na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e era-nos pedido que tratássemos por “doutor” assistentes ainda com acne, que usássemos fato e gravata nos exames orais, que tratássemos por “professor” os regentes e em alguns casos que nos levantássemos quando estes entravam nos auditórios. Sim, foi há 11 anos e não no tempo da outra senhora. Não sei se hoje em dia ainda assim é, mas tenho as minhas suspeitas. Podem tirar os meninos do passado, mas não podem tirar o passado dos meninos.

Há 9 anos que desisti do curso de direito e, mais ou menos ao mesmo tempo, comecei uma carreira na área da comunicação, que culminou em tornar-me publicitário. Ainda hoje, repito 9 anos depois, há quem me pergunte escandalizado o porquê de não ir acabar um curso que não me serviria para nada. Porque sem um curso superior uma pessoa não é ninguém, ora aí está.

A nossa tacanhice e cabeça de bota de elástico não tem limites. O português tem uma capacidade sobrenatural para focar toda a sua atenção no acessório e esquecer o que é fundamental. Cultura geral, empreendedorismo, conhecimento tecnológico, capacidade de comunicação, espírito de sacrifício, predisposição para o risco, empenho e ambição. Nada disso importa comparado com o belo do diploma.

O mais interessante é que esta característica é transversal quer à esquerda quer à direita. Imaginemos um político, independentemente do partido, a falar sobre o desemprego jovem. Invariavelmente irá surgir aquela expressão do “desemprego dos jovens licenciados”. Mas esperem lá, o que interessa é eles estarem desempregados e serem jovens, ou o facto de serem licenciados? O facto de eu ter um canudo em Antropologia dá-me o direito divino a ter um emprego? Posso ser um calhau, sociopata, mal cheiroso, carrancudo e preguiçoso que tenho direito a um emprego só porque tirei um doutoramento?

Não quero com isto dizer que a formação não importa. Importa e importa cada vez mais, não pelo seu aspecto formal mas efectivamente pelo conhecimento que nos permite absorver. Eu próprio dou aulas e curiosamente a primeira coisa que peço aos meus alunos é que me tratem por “tu”.

Olhemos lá para fora. A empresa do fato e da gravata está a morrer, o CEO engomadinho já lá vai, os escritórios cinzentos tendem a acabar e a avaliação dos percursos profissionais com base nos diplomas tem os dias contados.

Duas das mais importantes marcas do mundo (Apple e Microsoft) foram fundadas por tipos que desistiram das licenciaturas. Curiosamente o Facebook, a Virgin e a Dell também, entre muitas outras empresas de topo. É interessante que a maioria dos CEO’s dessas empresas não são propriamente conhecidos nem pelo seu trato formal, nem por andarem de fato e gravata. A juntar à festa todas essas empresas são conhecidas pelos seus escritórios divertidos, descontraídos e informais.

Oh João, mas isso é no estrangeiro! Claro que sim, sabiam que o Américo Amorim nunca andou numa faculdade? Sabiam que o Alexandre Soares dos Santos também desistiu do curso da FDUL e nunca tirou nenhuma licenciatura?

Felizmente, existe essa coisa tramada chamada globalização. Felizmente o mundo está a mudar e Portugal aos poucos também. O Web Summit ajudará a desempoeirar as mentalidades e a pouco e pouco os senhores da AHRESP serão cada vez menos. Isto caso os senhores doutores que por aí há o permitam, está claro.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Há um senhor da AHRESP em cada esquina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião