Habitação: Só a morte não tem solução

  • Pedro Coelho
  • 4 Novembro 2018

O problema da habitação nos centros urbanos precisa de conjugação de vontades, de respeito pela missão das diversas expressões da vivência comunitária e do mercado.

A subida dos preços da habitação nas duas principais cidades portuguesas releva para alguns milhões de portugueses. As propostas de soluções enunciadas são, maioritariamente, direcionadas para penalizar os ocupantes turísticos ou ocasionais e para impedir os investidores profissionais institucionais de constituírem portfolios de imóveis de habitação de rendimento. No primeiro caso, perturbando um dos principais motores da recuperação económica, no segundo, cerceando o aumento do mercado de arrendamento, através de medidas que pulverizam a propriedade, como acontecerá com a consagração do direito de preferência nos imóveis que não estão propriedade horizontal.

Apesar da latitude diversa dos territórios urbanos em causa, partilham um perfil de êxodo generalizado de muitos residentes ao longo de décadas, com graves consequências na constituição de cidades dormitório e de fortes movimentos pendulares diários.

Lisboa e Porto possuem um vasto património abandonado (terrenos e edifícios devolutos), ou não qualificado, por falta de condições económicas ou de vontade das partes. Territórios em que a crise económica de 2008 projetou, pela primeira vez, um aumento do mercado de arrendamento habitacional determinado pela situação do sistema bancário com pouca liquidez para acolher impulsos de crédito à habitação e pelos receios gerados na população pela instabilidade do mercado laboral e pelo reforço das situações de mobilidade, dentro e fora do território nacional.

Com a descida das taxas de juro, o regresso dos bancos ao financiamento ao crédito à habitação, aliados à descida do desemprego e recuperação económica, o quadro de referência dos portugueses mudou e por indução ou por vontade própria a vontade de comprar habitação própria regressou.

Neste renovado contexto a oferta, sujeita aos ritmos e aos ciclos mais longos impostos pelo processo de planeamento, aprovação e construção, evidencia duas dinâmicas diferenciadas consoante se trata de privados ou de entidades públicas.

Os privados têm previstos para os próximos tempos a comercialização de diversos projetos de promoção imobiliária, que colocarão no mercado milhares de fogos, existindo uma elevada carteira de novos projetos que aguardam aprovação municipal

As entidades públicas impulsionaram duas respostas que terão impactos positivos no mercado. O lançamento do concurso para a construção de cerca de 1000 fogos de habitação de arrendamento, em que uma parte significativa é destinada a casais jovens a preços acessíveis, e o lançamento do concurso público dos terrenos da Feira Popular que irão conter centenas de fogos.

Perante o desafio colocado, será necessário ainda um trabalho conjugado das entidades públicas para disponibilizar mais fogos do lado da oferta como forma de normalizar o mercado. Esse impulso mobilizador e de sinalização de vontade poderá passar por haver maior celeridade de aprovação dos vários projetos de licenciamento pendentes nas Câmaras, por idêntica agilização de processos por parte da Administração Central, pela disponibilização no mercado de múltiplos edifícios públicos, que estão totalmente desocupados, e pela racionalização dos espaços ocupados por serviços públicos no centro da cidade, que estão mais ocupados com arquivos do que com trabalhadores.

Este conjunto de medidas concretas do Estado nas suas diversas expressões implicaria o aumento da oferta, por forma a estabilizar os preços, o aumento da receita do Estado que, em parte, seria canalizada diretamente para diminuir a dívida pública, podendo a restante servir para a afirmação de uma visão solidária e para a desmaterialização dos arquivos. Com estes recursos, as autarquias locais poderiam apoiar os inquilinos idosos e desprotegidos que necessitassem de ajuda e a Administração Central aceleraria os processos de desmaterialização dos arquivos físicos do centro, libertando imóveis para as necessidades das comunidades.

O problema da habitação nos centros urbanos precisa de conjugação de vontades, de respeito pela missão das diversas expressões da vivência comunitária e do mercado e de uma ambição em mobilizar para solucionar. Como ficou provado, propostas existem, porque, afinal, só a morte não tem solução.

  • Pedro Coelho
  • Vice-Presidente da Square Asset Management

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Habitação: Só a morte não tem solução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião