“Imposto Google”: O saque fiscal e a ditadura da escolha

  • Ricardo Valente
  • 24 Fevereiro 2019

Esta proposta demonstra bem a lógica totalitária de alguma esquerda que considera que a riqueza serve para ser apropriada pelo Estado e que a escolha das pessoas é irrelevante.

O deputado do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, escreveu recentemente um artigo intitulado «A urgência do “imposto Google”» onde defendia a criação de um imposto sobre os gigantes digitais (Google e Facebook por exemplo), criando assim um designado imposto sobre serviços digitais.

Mais ainda, o deputado colocava como objetivo deste novo imposto “equilibrar a atividade da imprensa escrita e responder às consequências negativas da economia digital”, com o novo imposto a ser utilizado “para a criação de um fundo de promoção da imprensa e da literacia para os media, que combine medidas de apoio direto aos meios de comunicação social com programas de sensibilização e formação na comunidade”. Em concreto, as receitas deste novo imposto vão apoiar “um programa em parceria com os órgãos de comunicação social para que todos os estudantes do 12.º ano e do ensino superior tenham uma assinatura anual de jornal ou revista, por eles escolhida, garantindo a ligação de quase meio milhão de jovens e a imprensa”.

Temos, pois, uma dupla intervenção do Estado: criação de um novo imposto para financiar os meios tradicionais de imprensa (colocando-a mais dependente do Estado e, portanto, reduzindo a real liberdade de expressão) e permitindo que jovens tenham acesso a meios de informação condicionados por um acordo de parceria. Ora esta parceria entre Estado e órgãos de comunicação social seria aberto a todos? Nacionais ou internacionais? Em que tipologia? Jornais diários, semanários? Generalistas? Desportivos? Da área da Economia? Informática? Revistas?

Acredito também que estas medidas de sensibilização e formação na comunidade, conhecendo a matriz ideológica do BE, seriam apenas destinadas aos alunos do 12º ano e da universidade que estudem em escolas públicas. Ou seja, descriminando os alunos que estudam em escolas não públicas.

Esta proposta demonstra bem a lógica totalitária de alguma esquerda que considera que a riqueza serve para ser apropriada pelo Estado (via uso confiscatório dos impostos) e que a escolha das pessoas é irrelevante, pois uma comissão escolherá qual a imprensa que será apoiada por esta medida.

Quanto à lógica do fundo de apoio da imprensa, considero a mesma claramente totalitária e inequivocamente demonstradora da ideia de um Estado Doutrinador e definidor de linhas de pensamento, sendo igualmente desprovida de mérito para quem acredita, como eu, de que as pessoas continuarão a pagar por boa informação e que os meios de comunicação social verdadeiramente credíveis, e com valor, nunca deixarão de ser viáveis.

Ricardo Valente

Que penso eu sobre esta questão? Sou, de uma forma clara, daqueles que considera que as plataformas sociais, como o facebook, youtube, twitter, instagram, fazem a apropriação de um conjunto de dados pessoais individuais que viabiliza a monetização de todo o seu negócio sem a devida compensação a quem se regista nestas plataformas. Significa isto que esta renda económica deve ser apropriada pelo Estado sob a forma de impostos? Nada mais errado, uma vez que teríamos mais uma apropriação da riqueza individual por parte de um Estado já demasiado confiscador, conjugado com o aspeto pernicioso de que o Estado “ganharia” com o crescimento desta apropriação de valor por parte destas plataformas.

O que considero é que chegou a altura de através de forma gradual e voluntária estas plataformas repartirem os ganhos que obtêm com os seus utilizadores pelos dados que lhes são fornecidos, sendo que estes dados são uma nova forma de “trabalho” a ser remunerada. Num livro bem desafiante, “Radical Markets: Uprooting Capitalism and Democracy for a Just Society”, Eric Posner e E. Glen Weyl estimam que, quando a “economia da Inteligência artificial” estiver em pleno modo de funcionamento, uma família de quatro membros poderá obter um valor anual de cerca de $20.000 pelos seus dados.

Quanto à lógica do fundo de apoio da imprensa, considero a mesma claramente totalitária e inequivocamente demonstradora da ideia de um Estado Doutrinador e definidor de linhas de pensamento, sendo igualmente desprovida de mérito para quem acredita, como eu, de que as pessoas continuarão a pagar por boa informação e que os meios de comunicação social verdadeiramente credíveis, e com valor, nunca deixarão de ser viáveis.

  • Ricardo Valente
  • Colunista convidado, economista e membro equipa “Portugal 2040” do IL

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

“Imposto Google”: O saque fiscal e a ditadura da escolha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião