Incêndios e abandono fiscal

O abandono da tributação do imobiliário rústico é um dos mais notáveis fenómenos da história recente do sistema tributário português.

Segundo os dados que a AT disponibiliza no Portal das Finanças, a receita fiscal produzida pelos prédios rústicos aproxima-se atualmente do nível zero em termos relativos. O valor fiscal agregado dos prédios rústicos representa apenas 0,25% do valor total sujeito ao IMI, correspondendo os restantes 99,75% aos prédios urbanos.

O valor fiscal dos prédios rústicos só foi atualizado três vezes no último século, em 1929, em 1963 e em 1988, esta última com escasso significado, pelo que se encontra completamente desajustado da economia atual. O valor médio de cada prédio rústico é de 112 euros, de onde resulta que a generalidade destes prédios não gera qualquer imposto.

Significa isto que o Estado se desinteressou da tributação da riqueza imobiliária rústica e considera que ela não possui valor para efeitos fiscais. E como o Estado é o maior credor e simultaneamente o maior devedor da economia portuguesa, esse desinteresse tem um peso dominante sobre os agentes económicos e é uma afirmação implícita aos proprietários de que essa sua riqueza não possui valor.

Esse abandono fiscal da propriedade rústica é uma das causas do abandono da sua rentabilização pelos proprietários, ou seja, do abandono da agricultura, que por sua vez é a principal causa dos incêndios. Quando a terra não é cultivada passa a produzir material combustível, cujo consumo pelo fogo se torna inevitável, mais cedo ou mais tarde.

A ausência de tributação do património rústico aparentemente será boa para os proprietários, mas cidadãos que não pagam impostos tenderão a ser cidadãos menos exigentes, desde logo consigo próprios, mas também com o Estado e com os vizinhos, em especial no que respeita à limpeza do material combustível.

Qualquer política pública só poderá ter sucesso se envolver a participação ativa e exigente dos cidadãos a quem se dirige, e neste caso ela só será possível se a sua propriedade for valorizada.

A propriedade envolve sempre custos privados com a sua manutenção, mas também custos públicos, com as infraestruturas de acessos, com a organização da sua disciplina jurídica e, como agora podemos constatar, com o combate aos incêndios. Mas existe também uma responsabilidade social de rentabilização da propriedade e da produção de rendimento que a todos beneficia. A propriedade imobiliária rústica é uma fonte de riqueza e um ativo estratégico para o país, porque se trata de um fator de produção. O seu abandono é um desperdício em termos económicos.

A principal função dos impostos sobre o património rural nem sequer deve ser a obtenção de receita fiscal, mas antes a de indução à rentabilização da riqueza sobre que incidem. O imposto deve refletir o custo público da propriedade e impelir o seu titular a recolher dela o rendimento necessário para financiar o seu pagamento, seja cultivando a terra, seja arrendando-a.

Naturalmente que o IMI a pagar não deve ser tão elevado que obrigue o titular a vender a sua propriedade para pagar o imposto, mas deve ser suficientemente relevante para o induzir a cultivá-la ou a arrendá-la para financiar o seu pagamento.

Esse efeito ocorreu no imobiliário urbano, com a reforma da tributação do património de 2003, que infelizmente só incidiu sobre os prédios urbanos. Também neste domínio o valor fiscal estava profundamente degradado, sendo essa uma das causas da degradação dos centros históricos das nossas cidades ao longo de várias décadas, que ainda hoje podemos constatar. A reforma de 2003 atualizou o valor fiscal de todos os prédios urbanos para valores próximos dos de mercado, o que permitiu a generalização da aplicação do imposto e uma redução substancial das taxas relativamente à anterior Contribuição Autárquica.

O fenómeno de reabilitação urbana a que estamos a assistir é um dos resultados dessa reforma, que impeliu os proprietários a colocar os respetivos prédios no mercado de arrendamento ou na sua reabilitação para venda. Esse efeito foi também facilitado pela reforma do arrendamento urbano e pela criação de incentivos fiscais à reabilitação.

É esse o caminho que necessitamos percorrer no segmento rústico do imobiliário. Todos os prédios rústicos que possuam potencial de geração de rendimentos agrícolas, silvícolas ou pecuários devem pagar IMI, porque possuem valor de riqueza. Se criarmos um sistema de tributação que incida sobre valores de mercado dos prédios rústicos, valorizaremos a propriedade rural e induziremos os proprietários a rentabilizá-la, seja pelo seu cultivo seja pelo arrendamento.

Em simultâneo poderemos criar um sistema de benefícios fiscais à produção agrícola e ao arrendamento rural, em especial nas zonas do minifúndio do centro e norte do país, idêntico ao que existe para os fundos de investimento à reabilitação urbana e ao que existe já no artigo 24.º do Estatuto dos Benefícios Fiscais para a reflorestação.

E se permitirmos aos proprietários rurais a dedução do IMI no IRS ou IRC gerados pelo arrendamento ou pela produção agrícola, criaremos as condições para que o sistema fiscal se torne num dos principais instrumentos de prevenção dos incêndios e de promoção do desenvolvimento.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Incêndios e abandono fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião