Justiça, esforço e marketing: serralheiros e a Apple

Por vezes, a forma como avaliamos o preço de um produto está mais relacionada com o esforço que percepcionamos que foi necessário para o fazer do que com o seu valor intrínseco.

Imagine que chega a casa ao fim de um dia muito cansativo e se apercebe que deixou a chave do lado de dentro da porta e que não vai conseguir entrar. Decide chamar um serralheiro que, depois de duas horas de inúmeras tentativas mal sucedidas, lhe comunica que a única solução é arrombar a fechadura e colocar uma nova. Isso implica mais duas horas de trabalho e uma deslocação à oficina. Seis horas depois, a conta é de 200 euros. Agradece ao serralheiro por todo o seu esforço e paga satisfeito por ainda existirem pessoas trabalhadoras e honestas no mundo.

Agora imagine que chamou outro serralheiro que, com a ajuda de umas chapas de metal com um ar duvidoso, lhe destranca a porta em 30 segundos e lhe apresenta a mesma conta de 200 euros. O mais provável é que, depois de alguns insultos ao serralheiro pela extorsão de que acabou de ser alvo, acabe por lhe pagar e por lhe fechar a porta na cara. É provável também que fique depois a pensar no que é que está errado no mundo quando as pessoas se aproveitam desta forma do infortúnio dos outros.

O que é que passa aqui? Num mundo racional, o preço de algum produto ou serviço deve ser definido em função do valor que retiramos deles. Na realidade, o segundo serralheiro ofereceu um serviço claramente superior – entrar em casa em 30 segundos em vez de ter de esperar as seis horas do primeiro fornecedor -, pelo qual deveria estar disposto a pagar consideravelmente mais.

Uma forma simples de avaliar melhor o valor é pensar num exemplo mais extremo. Imagine que estava, à mesma, trancado, só que desta vez estava do lado de dentro de casa, onde estava também uma bomba programada para explodir ao fim de cinco minutos. Qual era o serralheiro que preferia ter consigo dentro de casa? E por qual estava disposto a pagar mais?

O que se passa é que as pessoas (que geralmente não têm uma bomba prestes a explodir ao seu lado) não são racionais e tendem a avaliar o preço em função daquilo que acham justo. Tipicamente, essa perceção da justiça é uma função do esforço envolvido – e o esforço pode ser bem ou mal comunicado.

O segundo serralheiro devia ter-lhe explicado todo o esforço que teve de fazer nos últimos 20 anos para saber como funcionam todas as fechaduras do mercado. Depois devia explicar que teve de reunir todas as ferramentas necessárias para cada caso. Devia ter-lhe dito que está finalmente em condições de destrancar qualquer fechadura em menos de um minuto. Aí, a sua perceção do preço teria sido mais favorável. Talvez até o tivesse convidado para entrar e beber uma cerveja. Talvez até tivesse aproveitado para comentar como passou ao lado de uma brilhante carreira no mundo do crime.

Uma empresa especialista em psicologia do consumidor é a Apple, que é muito boa a construir telefones e outros aparelhos, mas é muito melhor a tirar proveito da nossa irracionalidade.

Quando a Apple lançou o primeiro iPhone em 2007, assistimos a um momento de rara disrupção. O iPhone era algo radicalmente melhor face à concorrência e uma das palavras mais usadas por Steve Jobs durante a sua apresentação foi “revolucionário”. Toda a comunicação do primeiro iPhone girava em torno da revolução e da reinvenção do telefone. A mensagem, além de verdadeira, foi muito bem construída e o iPhone vendeu que nem pãezinhos quentes. Além de ter reinventando a indústria dos telefones, tornou a Apple na empresa com maior valor do mundo.

Entretanto, a concorrência foi recuperando o tempo perdido e, hoje em dia, é difícil dizer que um iPhone é melhor do que um Samsung ou um Huawei topo de gama. A Apple sabe isso e sabe também perfeitamente que, fazendo uma comparação direta e objetiva entre os vários aparelhos, os seus podem não ser a decisão racional. É por isso que a empresa californiana se tornou perita em mostrar o esforço e dedicação que são postos na produção de cada modelo. Sempre que há o lançamento de um novo iPhone, as apresentações e os vídeos de suporte dão ênfase a todos os pequenos detalhes e ao esforço dos designers para tornar o telefone mais fino e às horas de trabalho e tecnologia necessárias para que as fotos não fiquem tremidas. O processador biónico, o vidro mais duro de sempre, reforçado ao nível atómico e por aí fora.

O racional é muito simples: se o esforço que está envolvido na produção do iPhone não for muito bem comunicado, os consumidores podem deixar de achar o preço justo e a Apple passa a ser olhada como o serralheiro que abre a porta em meio minuto. E isso é um problema.

A justiça/esforço é uma das heurísticas mais poderosas para efeitos de marketing. Para escrever este artigo, revi os vários vídeos da Apple sobre os produtos e, apesar de estar completamente satisfeito com o meu iPhone 8, o empenho, dedicação, carinho – diria mesmo o amor e espírito de abnegação – com que o iPhone 11 Pro parece ter sido feito fazem-me sentir uma má pessoa por não retribuir imediatamente, aliviando a minha conta bancária de 1.179 euros. Felizmente, só estão disponíveis no dia 20 de setembro. Estou confiante que até lá a urgência irá passar.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Justiça, esforço e marketing: serralheiros e a Apple

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião