London Calling

Londres não percebe que o Brexit não é uma negociação, mas um violento conflito por via diplomática. E não entende que a intenção de Bruxelas é manter a coesão da União satisfazendo a Irlanda.

Após a humilhação e o desastre da Cimeira de Salzburg, Theresa May exige respeito pelo Reino Unido e seriedade nas negociações sobre o Brexit. Neste capítulo, a partir da imagem de tão triste figura é possível recordar alguns princípios políticos que oscilam entre o realismo e o cinismo. Recordem-se quatro definições essenciais. Um Radical é geralmente um político com os dois pés bem assentes no ar. Um Conservador é um político com duas sólidas pernas suportadas contra o solo, mas que nunca aprende a andar para a frente. Um Reaccionário é um sonâmbulo que apenas sabe mover-se para trás. Um Liberal é um político que por excelência sabe usar as mãos e os pés ao serviço de uma ideia política. Neste particular, Theresa May é um objecto político não identificado incapaz da audácia Liberal e paralisada pelo imobilismo Conservador.

Com o Plano de Chequers em ruínas, uma versão excêntrica em que o Reino Unido pretende permanecer no Mercado Único de bens e mercadorias, mas repudia as liberdades de circulação de serviços, pessoas e capitais, uma espécie de Brexit sem Brexit, ruínas aliás decoradas com crueldade política pelos líderes europeus, a Inglaterra arrisca uma condição da política interna que normalmente antecede os momentos de grande perturbação. Incapaz de produzir uma ideia política e operacional sobre o Brexit, o Governo Britânico oscila erraticamente entre as concessões liberais, para agradar aos Remainers, e as promessas reaccionárias, para ganhar o apoio dos Brexiteers. Tudo resulta no caos político de um Governo dividido, de um Partido Tory em turbulência e de um País estupefacto pela incerteza. Subitamente, a Velha Albion do realismo pragmático, do processo democrático credível, da civilidade robusta, desaparece na mais obscura indefinição, entre todas as dúvidas e nenhumas certezas. A Inglaterra do Brexit é um musical sem música.

Entretanto, em caso de não existir acordo, o Governo ameaça não pagar a factura dos 39 mil milhões de libras acordados na lógica da compensação a Bruxelas e no puro espírito da contabilidade da mercearia política. Em termos políticos, esta intenção não tem qualquer peso na negociação, parecendo mais o desespero a falar a linguagem da mais desvairada chantagem. Primeiro, Londres não percebe que o Brexit não é verdadeiramente uma negociação, mas um violento conflito por via diplomática. Segundo, Londres não entende que a intenção de Bruxelas é manter a coesão da União satisfazendo a posição da Irlanda. É com esta finalidade política que surge a ideia de uma continuidade territorial entre a Irlanda e a província britânica da Irlanda do Norte, vulgo Ulster. O preço político recai no lado britânico com uma nova fronteira em pleno Mar da Irlanda. Mas tal significa politicamente o fim do Reino Unido, agora atravessado por uma fronteira imposta por Bruxelas. O cenário político é simplesmente surreal e politicamente inaceitável para Londres.

A sociedade britânica parece estar a ceder na sua habitual resiliência. O eco do conflito político radical abafa as convulsões do Mar do Norte; as dificuldades económicas revelam-se no curto prazo – veja-se as declarações da Jaguar, Land-Rover e da BMW, proprietária da marca Mini; o sentimento de humilhação e ressentimento instala-se entre a população; a hostilidade e o ódio contra a classe política aumentam diariamente. O cenário de longas filas de TIRs em Dover e nas auto-estradas é equacionado nos planos de contingência oficiais; a visão do aeroporto de Heathrow com toda a frota da British Airways estacionada na placa é própria de uma ficção da saga James Bond; o exército em missões de assistência humanitária em território britânico distribuindo alimentos e medicamentos vem consagrado na programação de emergência pós-Brexit pelo próprio Governo. E nem uma palavra sobre o destino da City, apenas a maior praça financeira da “Europa europeísta”.

Costuma dizer-se que um Liberal é um antigo Conservador que teve problemas com a polícia e conheceu os privilégios da prisão. Também se sublinha que um Conservador é um antigo Liberal que conheceu a eficácia de um ladrão. Ao fechar a Inglaterra numa prisão com a eficácia de um ladrão, Theresa May é assim tragicamente Liberal e Conservadora.

Nota: O autor escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

London Calling

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião