Mais mulheres, se faz favor

Há mulheres que, por timidez ou vontade, optam por se resguardar, algumas ainda retraídas pelo pecado original de uma sociedade dominada pelos homens.

Eu defendo o talento, o mérito, sou contra qualquer tipo de quotas impostas por ditame de uma qualquer lei ou regulamento. Porém, continuam a ser poucas as mulheres em diversos lugares de topo em Portugal.

Talvez sejamos, e são vários os sinais visíveis no dia-a-dia, uma sociedade conservadora, com enormes preconceitos, com uma imagem difusa e pouco dinâmica do que são as comunidades modernas e os seus movimentos sociais. Ainda muito machista por herança de um «marialvismo» bacoco que ainda alguns tendem a ostentar.

Esta semana, no Negócios, lia que das 17 empresas cotadas no PSI-20, apenas cinco têm mulheres nas suas comissões executivas. Num total de 82 gestores, só oito (10%) são do sexo feminino. São elas Cláudia Azevedo e Ivone Pinho Teixeira (Sonae), Dionizia Ferreira e Ana Maria Jordão (CTT), Maria da Conceição Lucas (BCP) Laurentina Martins e Ana Rebelo Mendonça (Altri) e Ana Paula Marques (NOS), cito-as pelo seu valor e para elogiar as empresas que não hesitam em escolher mulheres para os seus conselhos de administração.

Ontem, o Público fazia manchete com a exigência do Governo ao Banco de Portugal de integrar mais uma mulher nos seus lugares cimeiros onde, para já, só está Elisa Ferreira. Esta semana, Mónica Ferro foi escolhida, e já elogiada por Belém, Governo e todos os quadrantes políticos, para um importante cargo no Fundo das Nações Unidas para a População, depois de um meritório trabalho ao serviço da comunidade, e sem politiquices, que tem desenvolvido pelos direitos das mulheres.

Eu gosto de mulheres. Sei como a maneira delas de estar no mundo, de encarar os problemas, é diferente da dos homens. Com uma sensibilidade e um olhar que não é antagónico mas complementar. «A mulher está muito perto da Natureza, há nela os mesmos encantos e os mesmos perigos», dizia o nosso sábio, tantas vezes esquecido, Agostinho da Silva.

O mundo seria incompleto sem as mulheres. É tempo de se ousar, não sendo nenhuma ousadia, apostar mais nelas. Ainda subsiste em muitos homens aquela mentalidade do personagem anquilosado e retrógrado de Fernando Rey, no “Tristana” de Luis Buñuel, de que a mulher deve estar em casa e, de preferência, calada.

Há mulheres que, por timidez ou vontade, optam por se resguardar, algumas ainda retraídas pelo pecado original de uma sociedade dominada pelos homens. Mas não devemos cortar as asas a quem pretende voar, a quem quer mostrar o seu talento e desenvolver a sua ambição profissional. São bem-vindas e todos ganhamos com isso. Por isso, não hesitem: mais mulheres, se faz favor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais mulheres, se faz favor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião