Marcelo devia tirar a condecoração nacional a Zeinal Bava

Zeinal é um bom exemplo daqueles gestores que quando atingem o topo do mundo se acham inimputáveis, criam uma corte de lambe-botas e vassalos e, depois, perdem o total contacto com a realidade

Houve um tempo em que alguns papalvos ficavam embevecidos pelos prémios que alguns empresários ganhavam. Hoje, já ninguém liga a prémios pois Zeinal Bava destruiu a credibilidade dos mesmos. Agora, quando alguém pomposamente se vangloriar do prémio que conquistou, qualquer português poderá dizer: «olha, o Zeinal ganhou os prémios todos, nacionais e internacionais, e matou a maior empresa portuguesa».

Dei-me ao trabalho de consultar o currículo de mais um de entre tantos magos da mediocridade que foram ungidos a excelsas figuras pela imprensa portuguesa. Zeinal Bava ganhou: 2009: Melhor CEO na área de Investor Relations no âmbito do “Investor Relations & Governance Awards (IRGA)”, uma iniciativa da Deloitte. 2010: Melhor CEO no sector de Telecomunicações da Europa, pela Institutional Investor. Melhor CEO em Portugal pela Extel. 2011: Segundo melhor CEO europeu no sector das Telecomunicações e melhor CEO em Portugal, pela Institutional Investor. 2011: Melhor líder português em empresa privada, pelo Best Leader Awards, promovido pela Leadership Business Consulting. 2012: Melhor CEO em Portugal e melhor CEO do sector de telecomunicações da Europa, pela Institutional Investor.

Em Maio de 2017, um tipo sério lê esta lista de encómios e tem vontade de perguntar: quem lhe deu estes galardões está arrependido? Pois é, custa mesmo baixar de um pedestal e ser confrontado com a realidade. Este homem foi, indiscutivelmente, um dos coveiros da maior empresa portuguesa, uma empresa pujante, de bandeira, na vanguarda das telecomunicações, e que se tornou uma caricatura levando a milhares de despedimentos pelas “brincadeiras” desta criatura.

Zeinal é um bom exemplo daqueles gestores que quando atingem o topo do mundo se acham inimputáveis, criam uma corte de lambe-botas e vassalos e, depois, perdem o total contacto com a realidade. Ganhou milhões – honestos e fruto do seu trabalho – mas ainda teve a ganância para se envolver em negociatas que hoje são alvo de investigação judicial por esquemas suspeitos de corrupção.

Eu não digo que ele é corrupto, não tenho provas para isso e não é a mim que compete acusar. Mas digo que, inegavelmente, ele é um indigente moral. E reforçada essa minha opinião com a notícia recente de que o próprio recorreu a um perdão fiscal em 2012. Para quê? Não tinha rendimentos vultuosos que lhe possibilitavam o pagamento das suas obrigações?

É que enquanto a nazi máquina fiscal portuguesa persegue os cêntimos de quem pouco tem, agacha-se perante os poderosos que têm milhões para contratar advogados que lhes montam umas off-shores à maneira para escaparem à Gestapo tributária. E, infelizmente, isto vai continuar enquanto não houver vergonha, não houver responsabilidade social de quem ganha salários milionários.

Zeinal Bava está-se marimbando para isto, como sempre se esteve marimbando para a comunidade. É por isso que a condecoração nacional que Cavaco Silva lhe deu em 2014 – a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial – é um monumento à vergonha, uma falta de respeito para todos os portugueses. É tempo de o actual Presidente da República poupar 500 selfies e tirar a condecoração a Zeinal Bava que é uma ofensa para todos nós.

Nota: Por decisão pessoal, o autor não escreve de acordo com o novo acordo ortográfico.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo devia tirar a condecoração nacional a Zeinal Bava

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião