Marx, o Socialismo do Milénio e a Cidade de Ouro

A ideia de “democratizar” a economia, a sociedade, os costumes, encerra uma piedosa petição a favor da descentralização do poder, num afastamento da centralização na boa doutrina socialista.

Marx está sepultado no cemitério de HighGate em Londres. No espaço de duas semanas o monumento que assinala a presença do filósofo é vandalizado por duas vezes. Na primeira incursão, um martelo empunhado pela mão esquerda flagela a lápide de mármore que decora o monumento, com particular ênfase no nome do filósofo. A placa pertence à sepultura original de 1883 e está apensa ao actual memorial desde 1954. Não estando o memorial coberto pelo seguro, o acto de “comentário político” ou de “protesto político”, constitui uma ofensa economicamente relevante e historicamente insubstituível. Na segunda ofensiva, o monumento foi coberto por inscrições a tinta vermelha, pretendendo salientar a mensagem e o legado político de Marx – “Doutrina do Ódio”; “Arquitecto do Genocídio”; “Memorial ao Holocausto Bolchevique”; “66,000,000 de mortos”. O espírito do filósofo parece não estar imune às ofensivas mais miseráveis e materialistas.

O socialismo de Marx é observado por muitos comentadores como sinónimo de erro político, desastre económico e supressão da liberdade. Embora o filósofo fale da substituição do “reino da necessidade” pelo “reino da liberdade” como expressão de um ideal de igualdade, este fascínio transformou-se na distopia do socialismo real. O socialismo do novo milénio recicla a ideia de um ideal de igualdade, acrescenta-lhe o verde do ambiente, a preocupação com o aquecimento global, os interesses instalados, a divisão entre os cidadãos e as elites, e sobretudo uma visão milenar e catastrofista do estado da economia global. Com uma agenda impulsionada por um conceito de igualdade radical, que não se centra exclusivamente na dimensão económica e na questão da redistribuição da riqueza “ilegitimamente acumulada”, mas que exponencia a erradicação de todas as desigualdades em todos os campos da actividade e da expressão humana. Em bom rigor para o socialismo do milénio não existem desigualdades naturais, mas sempre e apenas desigualdades artificiais criadas e aumentadas perpetuamente por uma sociedade injusta por intenção, preconceituosa por tradição, exclusiva por natureza.

A ideia de “democratizar” a economia, a sociedade, os costumes, encerra uma piedosa petição a favor da descentralização do poder, de todos os poderes, num flagrante afastamento do imperativo da centralização na boa doutrina socialista. A ignorância, a falta de memória, talvez a ingenuidade, tudo converge num projecto pioneiro de destruição das estruturas políticas e económicas em prol de uma perspectiva política positiva em direcção a uma lógica de autogestão. Mas no final, a autogestão não passa da execução obediente das directrizes emanadas de uma nova versão do Estado como realização do indivíduo, da verdade e da justiça. O socialismo do milénio é o figurino Dolce & Gabbana do Estado como garante último e único do Código da Natureza.

O que há de novo neste socialismo é o que há de velho no outro socialismo. As desigualdades naturais não existem, a falência da igualdade é sempre uma manifestação perversa das desigualdades artificiais que podem e devem ser corrigidas e eliminadas. A atitude relativamente à igualdade não pode ser encarada nem explicada apenas pela adopção de um critério económico de repartição da riqueza, mas efectivamente pela conjugação de uma visão politicamente inclusiva que venha a realizar o nivelamento das origens sociais, dos contextos geográficos, da diferença de capacidades, da diferença dos propósitos e dos fins a atingir, da diferença dos meios e da determinação colocados ao serviço desses fins. O critério de repartição alcança toda a sociedade constituída, todas as vertentes e vicissitudes da sociedade como expressão premonitória de um ideal harmonioso entre o Bem, o Belo e o Justo. E embora esta atitude política possa ser racionalizada, o socialismo do milénio será sempre a expressão de uma predisposição para o emotivismo político.

Nesta opção política extrema os temas e as acções políticas têm uma dignidade e um valor que é independente da veracidade dos factos sociais, pela razão objectiva de que as desigualdades são o contorno do costume, da tradição e da força do passado. Para o socialismo do milénio a vida em sociedade é um eterno começo ao alcance de um gesto da geração iluminada, uma deslocação política em que a realidade dos factos sociais é ultrapassada pelo “artificialismo” de uma visão política perfeita.

No cenário da Cidade de Chumbo, a geração protagonista do socialismo do milénio toma a seu cargo a construção da Cidade de Ouro, a edificação da Cidade do Sol, assume a responsabilidade de viver politicamente em comum a vanguarda de uma sociedade moralmente radical e pós-capitalista. O socialismo do milénio é uma espécie de seita herética que luta pelo advento de uma nova Jerusalém ressuscitada.

Nota: O autor escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Marx, o Socialismo do Milénio e a Cidade de Ouro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião