Montepio, idoneidade e “cavaleiro” legislativo

  • Fernando Ribeiro Mendes
  • 26 Fevereiro 2019

Os poderes públicos, sem honra nem glória, caem na situação que, não fossem as potenciais consequências gravíssimas para o Montepio e o sistema financeiro português, seria simplesmente ridícula.

A opinião pública informada não terá ficado surpreendida ao saber que o Banco de Portugal confirmou, enfim, a falta de idoneidade profissional do Presidente do Montepio Geral, decidindo sancioná-lo com coima.

Quais as consequências desta decisão para a vida da mutualidade?

A publicação, em agosto do ano passado, do Código das Associações Mutualistas veio submeter as grandes mutualidades à regulação da Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF), sujeitando-as ao regime legal da atividade seguradora. Nomeadamente, passou a ser exigível, nos termos do artigo 138.º do Código, o registo prévio e a avaliação periódica da idoneidade dos seus responsáveis em vigor no setor segurador e analogamente ao que se verifica na banca. Com o despacho conjunto n.º 11392-A/2018 dos Ministros das Finanças e da Segurança Social, de 29 de novembro, o Montepio Geral ficou sujeito a esse regime antes das recentes eleições associativas, pelo que se aplicaria já aos eleitos em 7 de dezembro.

A solução para a situação resultante da condenação do banco central, que já se antecipava há tanto tempo, pareceu então ter ficado garantida. O supervisor poderia e deveria intervir nesta altura, avaliando a idoneidade para o exercício de funções dirigentes na atividade financeira. A confiança dos mais de 600 mil associados e de todos os cidadãos nas instituições sairia reforçada e a idoneidade da gestão dos três mil milhões de euros dos fundos mutualistas seria salvaguardada.

Será assim? Infelizmente, em vez disso, está instalada a confusão nesta matéria porque, em paralelo à revisão do código das mutualidades, foi desencadeada uma operação legislativa que poderá deixar o Montepio Geral indefeso durante mais 12 anos, perante as consequências da falta de idoneidade da sua liderança. O que se passou?

A 19 de junho de 2018, ainda antes de publicado o novo código das mutualidades, deu entrada na AR a proposta de lei n.º 138/XIII, que transpõe para a ordem jurídica interna uma diretiva europeia sobre a distribuição de seguros, com o objetivo de reforçar a proteção dos tomadores de seguros, segurados e beneficiários de produtos de seguro. Nesta proposta foi inserida a norma que adita o artigo 33.º-A à Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro – regime jurídico da atividade seguradora -, explicitando que o mesmo se aplica também às mutualidades.

Não é inédito usar-se outros diplomas para adequar situações fora do seu âmbito direto, introduzindo neles disposições que a gíria parlamentar denomina “cavaleiros” (frequentes nas leis do Orçamento do Estado), assim economizando tempo e antecipando efeitos. No caso vertente, a própria ASF, obrigatoriamente ouvida no processo legislativo subsequente, estranhou tal inserção, anotando que se verificava “existir uma duplicação em relação ao já previsto [no Código das Associações Mutualistas] no respetivo artigo 138 n.º 1.”

A apreciação da ASF foi, no entanto, menos rigorosa. Com efeito, a mão que introduziu tal norma na proposta de lei fê-lo acrescentando-lhe uma especificação, relativamente ao código mutualista, de intenção pelo menos duvidosa.

A Lei n.º 7/2018, de 16 de janeiro, que resultou a final deste processo, adita efetivamente o referido artigo 33.º-A à Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro, com a especificação equívoca estipulando que as associações mutualistas “que preencham os requisitos definidos no artigo 136.º do Código das Associações Mutualistas, aprovado em anexo ao Decreto-Lei n.º 59/2018, de 2 de agosto, findo o período transitório neste estabelecido [sublinhado nosso], estão sujeitas, com as devidas adaptações” às disposições do regime jurídico de acesso e exercício da atividade seguradora e resseguradora em vigor no setor (entre elas o registo prévio e a avaliação periódica da idoneidade dos responsáveis).

Que período transitório é este que não está referido (e bem!) no artigo 138.º do Código das Associações Mutualistas? É o período de 12 anos findo o qual as associações mutualistas existentes ficarão plenamente sujeitas ao regime dos seguradores.

Estes 12 anos parecem totalmente justificados para a adaptação às exigentes regras de solvência do sector segurador e, possivelmente, outros aspetos do regime jurídico da atividade seguradora. Mas que justificação haverá para adiar por 12 anos a avaliação da idoneidade dos responsáveis mutualistas eleitos depois da entrada em vigor do Código, que o cavaleiro legislativo parece ter pretendido? Ter-se-á querido, através deste cavaleiro legislativo, salvaguardar a continuidade em funções do visado pela decisão do Banco de Portugal?

A maioria de deputados que aprovou no dia 21 de dezembro passado esta lei, do PS e do PSD, acompanhados pelo deputado não inscrito Trigo Pereira, deve uma explicação aos associados do Montepio e ao País. Como puderam ser os aparentes “peões” de tal cavaleiro legislativo cujas eventuais consequências, a serem aceites, são politicamente cínicas e moralmente indecentes, agravando ainda mais o risco sistémico que ameaça os aforradores mutualistas?

Ao cavaleiro (legislativo) de triste figura já se agarrou sem cerimónias o Presidente da ASF, que veio declarar não ter competências para avaliar a idoneidade dos responsáveis mutualistas! O escandaloso desta situação insólita obrigou a comunicado conjunto dos Ministros das Finanças e da Segurança Social afirmando outra interpretação dos normativos aplicáveis ao Montepio, segundo a qual a ASF está já em condições de avaliar a idoneidade do presidente da mutualidade, à luz do artigo 5.º-f) do Decreto que aprovou o Código das Associações Mutualistas.

Inegável é que, com toda esta confusão, a abalada confiança no Montepio sofre mais um rude golpe. Ao mesmo tempo, os poderes públicos, sem honra nem glória, caem na situação que, não fossem as potenciais consequências gravíssimas para o Montepio e o sistema financeiro português, seria simplesmente ridícula, discutindo entre si o que deveria ter ficado clarinho como água desde início, e assim ficando com toda a responsabilidade pelo que possa suceder de agora em diante nesta grande mutualidade.

  • Fernando Ribeiro Mendes
  • Economista. Dirigente do Think Tank “Cidadania Social”

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Montepio, idoneidade e “cavaleiro” legislativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião