Na busca das origens de um Portugal pobre

Uma investigação à história económica do país permite perceber que o século XIX foi, para Portugal, uma autêntica desgraça.

Em 1800, o rendimento por pessoa em Portugal era superior ao sueco ou ao alemão. Mas apenas um século depois, Portugal tinha o segundo rendimento por pessoa mais baixo da Europa Ocidental. Só a Grécia estava pior.

O rendimento português era, em 1900, menos de metade do que existe atualmente em Cabo Verde. Apenas alguns dos países mais pobres do mundo de hoje, como a Costa do Marfim, têm rendimentos reais inferiores, em termos reais, ao que Portugal tinha em 1900. Mesmo Marrocos agora tem mais de três vezes o rendimento real médio por pessoa que Portugal tinha nessa atura. Moçambique tinha em 2014 quase o dobro.

Sem dúvida, estas comparações são apenas aproximadas. Mas há duas conclusões que se podem inegavelmente tirar. Primeiro, ainda há pouco mais de um século, Portugal era um país verdadeiramente pobre. Segundo, o século XIX foi, para Portugal, uma autêntica desgraça.

Quais são as razões que podem explicar porque é que o século XIX correu tão mal para Portugal? O processo de divergência em relação ao resto da Europa não teria começado anteriormente? Estas são questões fundamentais para compreendermos toda a evolução da economia, da sociedade e da política portuguesa desde então. A discussão que será feita neste e em próximos artigos vai basear-se num novo trabalho científico, que poderão encontrar aqui.

Até há pouco tempo, não era possível saber quando é que Portugal se tinha tornado mais pobre que os outros países europeus. Teria sido sempre assim? Será que na época dos Descobrimentos, por exemplo, Portugal não teria estado melhor? Não era possível saber. É por isso que foi necessário calcular estimativas quantitativas de longo prazo que pudessem ser comparadas com as de outros países.

Neste novo trabalho, com Jaime Reis, calculamos o PIB português entre 1500 e 1850. É a primeira vez que isto é calculado. E temos estimativas anuais, o que se tornou possível graças aos trabalhos desenvolvidos no âmbito do projeto Preços, Salários e Rendas.

A evolução do PIB

Em próximos artigos tentarei retomar vários aspetos deste trabalho, mas ficam aqui, para já, algumas conclusões importantes. Por exemplo, mostramos que existiu um período de cerca de 200 anos, aproximadamente entre 1550 e 1750, em que se registou um claro crescimento económico per capita.

De facto, na altura do terramoto, em 1755, o PIB per capita estava cerca de 70% acima do seu nível de 1530, o que corresponde a um crescimento de 0,24% ao ano. Esta taxa pode parecer baixa à luz do que estivemos habituados na segunda metade do século XX, mas era muito alta para a época.

O facto dessa taxa de crescimento ser bastante boa, no contexto de economias pré-modernas, é ilustrado por comparação com o trabalho de Gregory Clark, historiador económico escocês que trabalha numa universidade da Califórnia.

Num trabalho que está traduzido em português com o título “O Adeus às Esmolas”, este autor afirma que as economias pré-modernas não cresciam, a não ser por pequenos períodos de tempo, logo revertidos.

Clark insurgia-se assim contra as bem conhecidas estatísticas de Angus Maddison, de acordo com as quais a Europa Ocidental (incluindo Portugal) tinha crescido (em termos per capita) durante a época 1500-1820.

Numa recensão de um livro de Maddison, Clark escreveu uma vez que as estatísticas do primeiro eram tão falsas quanto as relíquias medievais. Tinha alguma razão em afirmar que as famosas estatísticas de Maddison tinham pés de barro. Estas eram, de facto, para o período antes de 1820, “guesstimates”, ou seja, essencialmente inventadas. Mas como um recente artigo documenta (também disponível em versão de acesso livre aqui), nos últimos 10 anos os historiadores económicos têm feito imensos progressos no sentido de obter estatísticas reais (incluindo a série de Jaime Reis e minha para Portugal que aí é citada, ainda em versão manuscrita) e os resultados têm sido mais próximos dos de Maddison do que dos de Clark.

O livro de Clark não deixa, apesar de tudo, de ser uma das obras mais importantes de história económica das últimas décadas. No entanto, no que respeita a Portugal, mostramos que Clark estava errado, à semelhança do que outros autores têm concluído relativamente a outras economias europeias.

Aliás, repare-se que, no caso português, não só há crescimento per capita, mas que ele se verifica ao mesmo tempo que um crescimento da população, durante um longo período de tempo (o que contradiz o modelo de Malthus).

Outros autores conhecidos, como Prescott e Hansen, ou Galor, também insistem, tal como Clark, que nunca houve crescimento sustentado per capita na Europa antes de 1800. A evidência que tem emergido nos últimos 10 anos não confirma, de todo, essa ideia.

(*) Ano 1560 (**)Ano 1820
(*) Ano 1560 (**)Ano 1820

Mas então como é que Portugal chegou ao século XX mais pobre que outros países da Europa Ocidental? A tabela acima, tirada do nosso trabalho, mostra o rendimento por pessoa em Portugal em unidades comparáveis no tempo e também com outros países (dólares “internacionais” Geary–Khamis de 1990). Como se pode verificar, não existiu qualquer divergência significativa entre Portugal e outros países europeus (com a excepção dos líderes, a Inglaterra e Holanda) até final do século XVIII.

Não queremos dizer, com isto, que a “semente” da divergência futura não pudesse já estar aí a ser plantada, tal como muitos dos problemas que estamos a verificar hoje na nossa economia são, em grande parte, um resultado de más decisões tomadas nos anos 80 e 90, quando Portugal estava a crescer bastante.

Mas sem dúvida que a divergência económica efetiva, relativamente a outros países, é essencialmente um fenómeno do século XIX. Deveu-se essencialmente à industrialização dos outros, que Portugal não acompanhou. A partir do século XIX a maior parte dos países da Europa Ocidental começaram a crescer muito rapidamente, enquanto Portugal, assim como o sul da Itália e, em menor grau, grande parte da Espanha ficaram parados.

Porque não foi Portugal capaz de proceder à sua industrialização e entrar na era de crescimento económico moderno na primeira metade, ou mesmo na segunda metade, do século XIX? Relembre-se que só a partir dos anos 50 do século XX é que este crescimento se inicia em Portugal.

Neste artigo centrei-me apenas na medição do crescimento do rendimento ao longo do tempo, o que é crucial para estabelecer factos. Antes de pensarmos em explicações, devemos ter os factos em mente. Em futuros artigos abordarei possíveis explicações.

Notas:

(1) Por “Alemanha” refiro-me à região correspondente ao que hoje se designa por Alemanha, que ainda não existia como país.

(2) Fontes: o artigo citado e o Maddison project.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Na busca das origens de um Portugal pobre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião