Não precisamos dizer “não somos Itália”?

Para Bruxelas, Itália é um caso isolado de mau comportamento na Zona Euro. Por isso, acredita que não há o "efeito de contágio" do passado. Será mesmo assim?

Há bem poucos anos, naquilo que se iria tornar uma verdadeira tragédia grega, foram muitos os países que se apressaram a vir dizer “não somos a Grécia”. Depois veio o “não somos a Irlanda” e, claro, a versão que todos nós conhecemos melhor: “não somos Portugal!”.

A estratégia dos vários países era a de simplesmente isolar o problema. Estávamos todos no mesmo barco, todos com a mesma moeda, simplesmente a crise veio demonstrar que o sonho europeu tinha uma falha grave: a turma tinha alguns bons alunos, mas a maioria passou as aulas a brincar. E no momento do teste, muitos falharam.

Economias com taxas de crescimento marginais, graves problemas de competitividade, mas principalmente muitos anos de despesismo que levaram a défices sucessivos, ditando um crescente nível da dívida. Foram anos de “euforias despesista”, como os classificou recentemente Mário Centeno, o ministro das Finanças de um país que foi mau aluno, mas que saiu do resgate como delegado de turma. Centeno, agora líder do Eurogrupo, dá aulas na Zona Euro.

É algo desconcertante ver Centeno neste papel numa altura em que o mau aluno é um dos países que está na génese da Europa que conhecemos. São duras as palavras do economista feito ministro estrela por António Costa. Especialmente quando o chumbo de Bruxelas é dado a um orçamento italiano que em vez de austeridade quer aumentar rendimentos para fomentar o crescimento. A lógica de Costa.

Itália não verga. Itália sabe que é Itália. E isso tem o seu peso. Não se ouviu ninguém vir dizer “não somos a Itália”, apesar de haver muitos com alguma vontade de o fazer. Não o dizem porque… não fica bem. É a Itália. Mas também porque em Bruxelas, apesar de se reprovar o mau aluno, agora liderado por populistas, passa uma imagem de que está tudo bem. Mas não está.

Para Bruxelas, Itália é um caso isolado de mau comportamento numa Zona Euro em que pela primeira vez se cumpre em pleno a regra de não superar o défice de 3%. Como caso isolado, só ela será penalizada. Pelas sanções que lhe serão aplicadas, mas também pelos investidores, nos mercados.

A verdade é que até ao momento, pouco ou nada se viu nos restantes países daquela que é uma crise italiana. Não há o “efeito de contágio”. Um pequeno ressalto aqui e ali nos juros da dívida de outros soberanos, mas pouco mais se vê. E é nessa base que Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, confia que a história não se repetirá.

Mas parece que a Zona Euro está a tentar fazer uma direta para o exame do dia a seguir. Está a mostrar-se forte, capaz de enfrentar tudo, mas basta que no exame dos investidores saia aquele tema que não se estudou. E que pode deitar tudo a perder. O tema é o mau humor dos investidores, que por estes dias começam a dar sinal de que estão cada vez menos tolerantes. Uma má notícia e vai tudo por aí abaixo.

Essa é uma possibilidade que rapidamente porá em causa toda a teoria do “não há contágio”. Basta os juros italianos subirem mais um pouco. Basta o diferencial de taxas de juro face a outras economias agravar-se um pouco mais, mas também que os investidores comecem a fazer contas aos custos que Itália tem de suportar por causa da sua gigante dívida e a riqueza que gera, para a tensão aumentar.

Basta isso para mudar o sentimento nos mercados, levando os investidores a olhar de lado para outros países com problemas semelhantes. E aí há contágio. É certo que o contexto é diferente do da crise financeira. Afinal, agora as economias estão a crescer e há o BCE. Mas também é verdade que o crescimento está a abrandar. E Mário Draghi vai desligar a torneira. Ou será que o italiano vai ceder aos problemas do seu país natal?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Não precisamos dizer “não somos Itália”?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião