Não sabíamos

Era importante que quem tem o poder e pede sacrifícios fosse capaz de explicar os próximos passos e os critérios para passarmos aos próximos passos.

Medo

Uma pessoa pode ter lido imensos artigos sobre o avião ser o meio de transporte mais seguro do Mundo. Pode conhecer as estatísticas de acidentes de alto a baixo e saber que as probabilidades de acontecer um acidente são ínfimas. Pode ser a pessoa mais racional do mundo, mas quando está sentada no avião e começa a sentir turbulência, o seu subconsciente só o leva para um pensamento: a possibilidade do avião cair.

O medo e a paranoia foram essenciais à sobrevivência humana noutros tempos em que os riscos eram mais frequentes. Noutros tempos, o medroso que se escondia ao ouvir um barulho podia estar errado 99 em cada 100 vezes. Mas 1 em cada 100 vezes, o corajoso morria e o medroso sobrevivia, passando os seus genes e aprendizagem à próxima geração. Por isso, o medo e a paranoia são características humanas tão comuns e a coragem é uma característica tão rara (e tantas vezes misturada com loucura) mesmo num tempo como o nosso em que os riscos são cada vez menores.

O medo, incluindo o medo irracional, tem sido essencial à contenção da pandemia. É o medo que mantém pessoas de baixo risco em casa, impedindo-os de serem agentes de transmissão para pessoas de alto risco. Mas o medo também pode ser perigoso. O medo é um instrumento de poder.

Perante o sentimento de impotência, aceitamos tudo o que pareça poder combater a ameaça. Damos ouvidos a todos os que nos aliviem o sentimento de impotência: desde os maluquinhos das teorias da conspiração aos homens providenciais que nos garantem que isto só se resolve com um Salazar em cada esquina e um Cunhal em cada fábrica. Somos capazes de tudo para aliviar a sensação de medo, até aceitar coisas que nos teriam metido muito medo umas semanas antes.

Esperança

Precisamos de saber qual é o plano. Obviamente a situação epidemiológica é muito difícil de prever. Mas era importante que quem tem o poder e pede sacrifícios fosse capaz de explicar os próximos passos e os critérios para passarmos aos próximos passos. O que é preciso acontecer para as restrições serem levantadas? Quando poderão abrir lojas e fronteiras? Quando aparecer um tratamento? Quando o número de infetados começar a diminuir de forma consistente? Quando o vírus for completamente erradicado do país (se é que isso é possível)? E se o vírus reaparecer?

Era importante que pessoas que estão há um mês fechadas em casa percebessem qual o caminho previsto, mesmo que existam incertezas nesse caminho. Era importante que empresários que estão a colocar o seu património pessoal em risco para continuar a pagar salários percebessem o que é que podem esperar do futuro. Pessoas que estão a fazer um enorme esforço pessoal para não serem agentes de transmissão – muitos apenas para defenderem a sociedade a que pertencem porque o seu risco individual é pequeno – precisam de saber qual é o plano. Ou pelo menos saber que existe um plano. Precisam de ter uma esperança qualquer. Para continuarmos todos a caminhar lado a lado, precisamos de saber em que direção estamos a ir.

Planos

Planos para o verão? Ir à praia. Passear pelo campo. Atravessar fronteiras. Jantar com amigos mesmo quando não apetece sair de casa. Concluir no final que valeu a pena, apesar da ressaca. Passar a tarde a fazer compras sem comprar nada. Escolher ficar em casa a ver televisão num dia bonito, sabendo que o fazemos por opção e que amanhã podemos fazer diferente. Jogar à bola na areia. Levar os putos ao parque. Beber um fino à beira-mar.

Éramos felizes e não sabíamos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não sabíamos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião