Navegar à Vista

Portugal está a começar um novo caminho de regresso às minorias governativas, entre sondagens, expectativas dos eleitores e a tentação de poder dos adversários.

Os brasileiros usam a expressão “ruim de voto” para quem é pé-frio no momento da verdade, perante o boletim de eleição. Hesito em escolher se a expressão fica melhor a António Costa ou a Rui Rio. Na Grécia antiga, Heráclito dizia que tudo muda, nada é. É o que nos está a acontecer agora: Portugal está a começar um novo caminho de regresso às minorias governativas, que se equilibram entre as sondagens, a gestão de expectativas do eleitorado e o que os adversários ousam arriscar pela tentação de poder.

  1. Acabou de forma célere o teatro de máscaras: quando ouvimos, perante as primeiras projeções na noite de eleições, a vontade de uma Geringonça 2.0 para quatro anos, ficou clara a forma encontrada pelo PS para responsabilizar os antigos parceiros de governo de qualquer instabilidade para os próximos tempos. De os vincular e tornar reféns de uma perceção global: um novo acordo só não se faz se não quiserem, porque nós, socialistas, apesar de tudo o que dissemos sobre o Bloco de Esquerda durante a campanha, cá estamos disponíveis para continuar a viagem. Sobretudo porque, em contraponto, o PCP é um partido confiável.
  2. Pois, vamos por partes. Primeiro, o PCP. Seria o parceiro ideal, sem acordos escritos nem gritaria na Comunicação Social. Comprometidos, sérios, leais. O sonho perfeito para António Costa que, em troca de um salário mínimo mais alto e uma reviravolta na lei laboral, lhe asseguraria a tranquilidade de quatro anos de governação. O problema é que o PCP perdeu mais de 100 mil votos e as ruas clamam por ação. Para não dizer vingança! Há uma CGTP que está há demasiado tempo excessivamente paralisada e é altura de cumprir o destino: regressar às manifestações, bater-se por Mário Nogueira e os professores, pelos enfermeiros e motoristas, médicos e todos os funcionários públicos, mais pensionistas e tudo o que dependa da imensa mesa orçamental do Estado. E não deixar que outros sindicatos, avulsos e inorgânicos, tomem a liderança na contestação. Estes 4 anos de aparente paz nas ruas foram fatais e é imperioso regressar às trincheiras e aos valores básicos. De uma forma clara, em nome de uma cada vez mais difícil sobrevivência, Jerónimo de Sousa disse a Costa: estamos fora!
  3. Se uns não podem, outros querem demasiado, mesmo sem o merecerem. O Bloco perdeu 52 mil votos, sonhou fazer parte do governo e até se mostrou disponível para um acordo escrito para quatro anos. Um programa conjunto, assim disse Catarina Martins em plena noite de eleições, mitigando a erosão de eleitorado com a derrota da direita e uma possível influência direta no próximo governo. A pairar ficou um horizonte de nacionalizações – a começar pelos CTT, que já não vale nem metade do que o Estado recebeu pela sua venda -, salário mínimo a escalar, uma aposta de três ou quatro mil milhões na Saúde e uma guerra aberta aos privados no setor. Ah, e reversão da lei laboral. E para já, se faz favor! E mais pensões e mais salários para funcionários públicos. Mais, mais, mais. O problema é que a conjuntura está a mudar e o dinheiro não vai chegar da mesma forma dos últimos quatro anos. Mesmo com cativações e o mais baixo investimento público das últimas décadas. Ou seja, manter contas certas vai exigir esforço maior e não é possível uma política redistributiva ainda mais ousada. Resta a António Costa governar sozinho, no fio da navalha.
  4. Rui Rio tem uma fase profética na noite eleitoral: nem a vitória do PS foi tão grande, nem a derrota do PSD foi tão pesada. Se a PàF teve 36% depois de quatro anos de agruras, a cumprir um acordo imposto pela Troika, os quase 28 % assumem-se como um resultado aceitável. É preciso descontar o CDS e o efeito de quatro anos em que tudo correu bem do ponto de vista económico. Os brasileiros usam a expressão “ruim de voto” para quem é pé-frio perante o boletim eleitoral. Hesito se a expressão fica melhor a António Costa do que a Rui Rio: o primeiro-ministro falhou uma vitória dada como certa há quatro anos, quando todos profetizaram a morte da direita nas urnas. Salvou-se com um acordo inédito e histórico na democracia portuguesa, governando quem não venceu as eleições. Depois da melhor conjuntura económica do século acaba muito aquém da maioria absoluta. Se não foi agora, alguma vez será? E por entre o nevoeiro de uma navegação à vista, num governo minoritário que não vai colher a doçura de antigos companheiros de viagem, Rui Rio ainda se afigura como o melhor seguro de vida. E de estabilidade.
  • Jornalista. Subdiretor de Informação da TVI

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Navegar à Vista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião