Nem os sonhos escapam ao domínio socialista

Ao fim de 45 anos de democracia, governos de todas as cores não criaram as condições para que cada um se sinta livre para sonhar e para realizar esses sonhos.

Recentemente, Pedro Nuno Santos (PNS), ministro das Infraestruturas e da Habitação, decidiu partilhar connosco o “sonho” do PS de que aparecesse (?) uma “grande área metropolitana entre o Porto e Lisboa”, trazendo-nos à memória ecos da economia planificada de estilo soviético.

PNS dá a entender que seria o Estado a dinamizar esse “sonho”, mas não diz como nem quando tal empreendimento seria feito e, muito menos, quanto custaria. Este “sonho” junta-se a outros do mesmo calibre, como o de ressuscitar a Terceira Travessia do Tejo, cuja necessidade e, mais uma vez, custo, permanecem um mistério.

Com esta sucessão de “sonhos” o que deixa de ser mistério é que o PS e a extrema esquerda, que tem suportado o governo de António Costa e o respetivo aumento da carga fiscal, se preparam para embarcar em grandes projetos de obras públicas faraónicas ou de engenharia sócio urbanística de utilidade nula. Ninguém percebe porque é que, se há folga orçamental para estas megalomanias, não ocorre ao PS baixar a carga fiscal recorde que sufoca os contribuintes e atrofia a economia.

Mais uma vez, lá vem a planificação para orientar as massas. Aquela orientação tão querida do socialismo que não confia nas pessoas, não acredita nos indivíduos e acha que deve determinar a cada um de nós o que devemos sonhar, como devemos sonhar e quando devemos sonhar.

Os “sonhos” do PS seriam os pesadelos dos portugueses de hoje e das futuras gerações que pagariam estes desvarios.

São “sonhos planificados”, todo um outro nível de usurpação de soberania individual que transcende em muito a tradicional “economia planificada” socialista. Sempre defendi o desmantelamento do domínio do Estado na Economia, o impedimento da interferência do Estado na livre escolha na Educação e na Saúde, a rejeição de qualquer papel do Estado na vida íntima de cada um. Pelos vistos, também é preciso impedir o Estado de controlar os nossos sonhos.

Os “sonhos planificados” do socialismo querem dizer-nos onde, como e o que estudar. Os “sonhos planificados” do socialismo querem dizer-nos onde e como devemos cuidar e tratar da nossa Saúde. E com o número e duração das listas de espera, só não conseguem dizer quando nos irão tratar.

Eu defendo e acredito que, numa sociedade livre, é aos indivíduos que compete sonhar e ao Estado cumpre tão-só assegurar que esses sonhos possam ser prosseguidos em liberdade. Acredito no valor do liberdade ao longo da vida humana em toda a sua variedade e complexidade, e é por isso que qualquer inclinação de imposição socialista me revolta.

Ao fim de 45 anos de democracia, governos de todas as cores não criaram as condições para que cada um se sinta livre para sonhar e para realizar esses sonhos. Com o máximo de liberdade e com a responsabilidade que lhe corresponde. Através dos muitos que nos incentivam e do nível de desencanto e indecisão revelado pelas sondagens, sente-se que estas são ideias cujo tempo chegou.

É disto que o País precisa: pessoas mais livres, um Portugal mais liberal.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Nem os sonhos escapam ao domínio socialista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião