Novo concurso do PT2020 para contratar para o interior

  • Céu Carvalho
  • 6 Maio 2020

Esta nova medida destina-se a apoiar as empresas portuguesas localizadas nos territórios do interior na contratação de recursos humanos com licenciatura, mestrado ou doutoramento.

No âmbito do Portugal 2020 foi recentemente publicado um concurso para apresentação de candidaturas aplicável aos territórios de baixa densidade localizados nas regiões Norte, Centro e Algarve (Aviso N.º Norte-59-2020-17, Aviso N.º Centro-59-2020-05 e Aviso N.º Alg-59-2020-09, respectivamente), com vista à contratação de recursos humanos altamente qualificados, cujo grau de qualificação se enquadre em níveis iguais ou superiores ao nível 6 (licenciados, mestres, doutorados ou pós-doutorados).

Neste sentido, tal financiamento prevê reforçar a competitividade dos territórios de baixa densidade, permitindo, desse modo, a concretização das iniciativas integradas “+CO3SO Conhecimento” e “+CO3SO Digital” – inscritas no Programa de Valorização do Interior. Por sua vez, estas iniciativas, alicerçadas em dinâmicas já instaladas nos territórios em apreço, irão fomentar o aumento da capacidade produtiva das empresas e, consequentemente, a industrialização dos processos associados ao desenvolvimento de produtos inovadores e de alto valor acrescentado.

Perante um mercado cada vez mais globalizado e competitivo, é impreterível reforçar a competitividade das PME localizadas no interior do território nacional. Assim, as contratações previstas no âmbito do presente Aviso deverão contribuir directamente para a optimização das competências empresariais em Investigação e Desenvolvimento e Inovação (“I&D&I”) e, bem assim, para a intensificação das interacções entre empresas e outras entidades do sistema nacional de Investigação e Inovação (“I&I”).

Os projectos a candidatar deverão ter a duração máxima de 36 meses e o seu término não poderá ultrapassar o dia 30 de Junho de 2023. O apoio a conceder a cada projecto, sob a forma de incentivo não reembolsável (fundo perdido), será calculado através da aplicação de uma taxa de 50% ao total das despesas elegíveis.

Este Aviso dispõe de uma dotação orçamental global de EUR 6,1 milhões repartida por Programa Operacional (PO), da seguinte forma: (i) EUR 3 milhões afectos ao PO Norte; (ii) EUR 3 milhões afectos ao PO Centro; e (iii) EUR 100 mil afectos ao PO Algarve.

Os prazos para apresentação de candidaturas a este Aviso decorrerão de forma faseada e nos seguintes moldes:

  • Fase 1: 27 de Abril de 2020 a 30 de Junho de 2020 (18 horas);
  • Fase 2: 30 de Junho de 2020 (após 18h00) a 30 de Setembro de 2020 (18 horas);
  • Fase 3: 30 de Setembro de 2020 (após 18h00) a 15 de Dezembro de 2020 (18 horas).

Nota: A autora, por opção, escreve ao abrigo do anterior acordo ortográfico.

  • Céu Carvalho
  • Partner da KPMG

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo concurso do PT2020 para contratar para o interior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião