Novo normal? O que tínhamos era normal?

Descobri o vídeo esta semana num media australiano e veio preencher, em certa medida, aquilo que tenho sentido nos últimos dias. Primeiro, que não estou sozinha, depois “How Normal Was Normal?”.

Sempre escrevi com mais facilidade recorrendo ao vídeo. Defeito profissional. Mas porque hoje dedico o meu espaço de domingo ao tema do NORMAL, nada como começar um texto aqui de forma pouco normal, com um vídeo, em vez de palavras.

Descobri-o esta semana num media australiano e veio preencher, em certa medida, aquilo que tenho sentido nos últimos dias. Primeiro que não estou sozinha, depois “How Normal Was Normal?” É mais ou menos neste plano que têm andado os meus pensamentos…

A campanha #NOGOINGBACK da Extinction Rebellion para o mercado australiano tem um objetivo ativista. “Vivemos numa era de crises globais. O Cóvid-19 forçou-nos a parar. Na resposta das pessoas à pandemia, vimos outro mundo emergir. Mas interesses adquiridos farão tudo o que puderem para impedir-nos de aprender as lições desta pandemia global. O clima está a ser destruído e os políticos e sistemas políticos voltarão ao ‘normal’ se não nos agirmos. Recuse-se a voltar. Junte-se a nós em rebelião agora.” É este o storytelling que pede planeamento e colaboração à escala global, e que conta com a criatividade de Marco Mollo e de Luke O’Driscoll, dupla que trabalha na indústria criativa britânica.

O filme foi gravado durante o confinamento nas ruas de Sydney – junta a estranha beleza de ruas, restaurantes e escritórios vazios, com sons opressivos da “loucura” dos dias de uma vida “normal”. Posto isto, o que é o novo normal? Teremos tido tempo durante o nosso próprio lockdown para fazer uma pausa e pensar como seguir em frente…para este suposto “novo normal”?

Não tenho ainda respostas, mas tenho curiosidade e por isso, na próxima semana no ECO vou colocar o tema a debate com os próprios criativos e uma futurista que sente o mesmo. Não estou a “vender” a Talk, apenas a convocar aqueles que também se têm questionado sobre estes tempos…de Pandemias que nascem com vírus, ou do racismo para o qual também ainda não se encontrou vacina.

O Filme com que comecei este texto foi apenas o ponto de partida, ou talvez de encontro. Enviem-me questões, se tiverem, que as colocarei diretamente aos convidados da Talk.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo normal? O que tínhamos era normal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião