O Almirante Darlan e o poder

A história do Almirante Darlan é uma hipérbole da ambição desmesurada. Já não há Nazis, mas continua a haver “pequenos Darlans”, que não têm pudor de colocar de lado os princípios.

A história mais interessante e relevante que alguma vez li sobre como a ambição de poder pode cegar uma pessoa é a do Almirante Darlan. Nas suas memórias da 2ª Guerra Mundial, Churchill conta a história deste Almirante Francês. Lembro-me que quando li as memórias de Churchill, tinha eu então 17 ou 18 anos, fiquei admirado como Darlan se deixou cegar pela sua ambição de poder.

A história do Almirante Darlan conta-se rapidamente. Darlan era o Chefe da Armada Francesa em 1940. Tinha comandado a Armada Francesa durante a década de 30, modernizando-a. Chefiava assim aquela que seria a 4ª maior Armada do mundo (depois da Royal Navy, da Marinha dos EUA e da Marinha Nipónica). Tinha uma Marinha de Guerra superior à da Alemanha Nazi (que não se esqueça que contava com navios de grande porte como o Bismarck, o Tirpitz, o Scharnhorst e o Prinz Eugen, além de centenas de submarinos U-boat que quase ganharam a batalha do Atlântico, quase subjugando o Reino Unido pela fome e falta de abastecimentos).

Darlan era assim, em 1940, quando a Alemanha invadiu a Bélgica, Holanda, Luxemburgo e França, derrotando os Franceses em 6 semanas e obrigando os Britânicos a fugir em Dunkirk, um dos militares mais respeitados da França (talvez só atrás de Petain, o herói de Verdun em 1917). Pelo contrário, De Gaulle era um jovem Coronel, promovido a General nas seis semanas de combate contra a Alemanha.

Churchill conta que nessas seis semanas voou 3 vezes até França. Aí reuniu com o governo Reynaud, com Petain e com Darlan. O Primeiro Ministro Britânico disse então ao Almirante Francês:

  • “Se a França capitular, a Armada Francesa não pode cair nas mãos da Alemanha Nazi. Se tal acontecer, ambas combinadas terão um poder naval similar ao da Royal Navy. Eu sei que você é um Francês patriota, mas também anti Inglês. Quando nos conhecemos, num jantar da embaixada em Londres, você a primeira coisa que disse no seu discurso foi que o seu bisavô tinha morrido em Trafalgar” (a batalha em que Lord Nelson, que também morreu aí, derrotou a armada de Napoleão, impedindo de vez o bloqueio continental e a invasão da Inglaterra).

Churchill continuou dizendo:

  • “Se a França capitular, você fuja com a Armada para o Canadá. Aí, estará a salvo de ataques e terá todas as condições de manutenção e treino dos navios. Terá também ao seu dispor todos os ativos Franceses no estrangeiro, a começar pela enorme reserva de ouro que a França tem nos EUA. E o império colonial Francês seguramente que o seguirá e apoiará”.
  • “Dentro de alguns anos regressará para libertar a França, à frente da 4ª Armada do mundo e como líder incontestado da França livre”.

Que coisa extraordinária! Darlan tinha a oportunidade de servir o seu país e com isso alcançar a glória e o prestígio.

Darlan podia ter sido muito mais do que De Gaulle foi. Tinha muito mais prestígio e autoridade. E teria uma força militar formidável, ao contrário de De Gaulle, que levou consigo para Inglaterra uns poucos milhares de homens.

Mas Darlan não fugiu com a Armada para o Canadá. Pelo contrário, ficou em França. E, receando que a Armada Francesa caísse nas mãos dos Alemães e fosse usada para combater a Royal Navy e para preparar a operação “Leão Marinho” (o plano Alemão para invadir as ilhas Britânicas), Churchill deu aquela que mais tarde classificou como a sua “decisão mais difícil de sempre”. Bombardeou a Armada Francesa em Mers-el-Kébir (o resto da frota Francesa do Mediterrâneo seria mais tarde afundada em Toulon).

Churchill conta que em 1944, quando a França foi libertada, perguntou a um Francês se ele sabia a razão pela qual Darlan não tinha fugido com a Armada para o Canadá.

O interlocutor Francês de Churchill disse-lhe: “sabe, fiz essa mesma pergunta a Darlan no dia seguinte ao armistício de 1940 com os Alemães: então você não prometeu ao Churchill que fugia com a Armada?”

A resposta de Darlan é fantástica, porque mostra como a ambição de poder o cegou totalmente, ao ponto de se tornar um traidor e de não perceber que tinha diante de si a hipótese de se tornar o grande herói do século XX Francês.

Darlan respondeu:

  • “Sim, eu prometi fugir com a Armada, mas eu agora sou ministro”!

Extraordinário! Pelo simples lugar de ministro Darlan traiu o seu país, pactuo com os Nazis e perdeu a oportunidade de ser o grande herói Francês do século XX.

Sobre isso, Churchill escreveu nas suas memórias:

  • “Como são fúteis as maquinações humanas em proveito próprio. Raras vezes houve exemplo mais convincente disso. Bastava a Darlan zarpar rumo a qualquer porto fora de França para se tornar senhor de todos os interesses Franceses fora do controlo Alemão. Ele não teria chegado, como o General De Gaulle, apenas com um coração indomável e um punhado de espíritos solidários. Teria levado consigo a quarta Marinha do mundo, em que os oficiais e praças lhe eram pessoalmente dedicados. Darlan ter-se-ia tornado o líder da resistência Francesa. Todo o Império Francês teria cerrado fileiras em torno dele. Nada o poderia impedir de ser o libertador da França. A fama e o poder que ele tão ardentemente desejava estavam ao seu alcance. Em vez disso, ele atravessou 2 anos de um mandato ignominioso que acabou com uma morte violenta, uma sepultura desonrada e um nome execrado pela França e pela sua Marinha, que ele até então tão bem servira“.
  • “Poucos homens pagaram mais caros pelos seus erros de julgamento e de falta de carater que o Almirante Darlan. A ambição estimulou os seus erros”.

Lembro-me frequentemente desta história. Sempre que vejo um político a colocar à frente dos seus princípios e do interesse nacional a sua própria ambição e os seus próprios interesses, lembro-me do Almirante Darlan. Claro que esta história é uma hipérbole da ambição desmesurada. Felizmente, hoje não há nem a glória de vencer os Nazis nem a desonra de se aliar a eles. Mas continua a haver “pequenos Darlans”, que por um momento imediato de glória e poder não têm pudor de colocar de lado os princípios e os interesses maiores que eles próprios.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Almirante Darlan e o poder

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião