O céu de chocolate de António Costa

O último orçamento de António Costa antes das legislativas não pode ser uma festa. Mas também não podia ser uma noite escura. Vai daí, o primeiro-ministro decidiu distribuir bombons

Esta noite, mesmo antes de ir ouvir a entrevista de António Costa à TVI, as minhas filhas pediram-me que lhes contasse de novo a história do “Céu de Chocolate” do José Jorge Letria. O conto é uma delícia – e não é por ser de chocolate. O que eu não adivinhava era, que durante aquela hora e meia de entrevista sobre o próximo Orçamento do Estado, me lembrasse tantas vezes daquele céu que lhes descrevi antes de elas adormecerem.

Para que possa perceber porquê, deixo-lhe a história que se lê num instante:

“Era uma vez um país distante e quase desconhecido que tinha um céu feito todo de chocolate. O céu era espesso e muito doce e representava um problema para os habitantes desse país, porque não os deixava ver o sol, a lua e as estrelas, no pano escuro e luminoso das noites.

As pessoas gostavam muito da doçura do céu de chocolate, mas viviam tristes e cabisbaixas, por terem aquela imensa massa castanha sempre em cima das suas cabeças.

Dando-se conta da tristeza dos habitantes de quem tanto gostava, o céu pediu ao sol para enviar raios mais fortes e vendo esse pedido satisfeito começou a derreter-se lentamente.

Sobre as cabeças daqueles que, tristes e desiludidos, já começavam a pensar em partir de vez, começaram a cair pequenos pedaços de chocolate, ao mesmo que tempo que, lá no alto, se avistava já o rosto radioso do sol….

E foi assim… que nasceram os bombons”.

O último orçamento de António Costa antes das legislativas não pode ser uma festa. Mas também não podia ser uma noite escura. Vai daí, o primeiro-ministro decidiu distribuir bombons: não terá bem o impacto de um grande bolo de chocolate, mas adoça a boca e dá para distribuir melhor por todos os convidados.

Na entrevista desta noite à TVI, deu para medir melhor o Orçamento que vem aí, negociado com os parceiros de governação:

  • O IVA da eletricidade não pode descer para os 6%, mas o Governo promete “reduzir os encargos financeiros das famílias” de outra maneira, na conta que lhes chegará a casa;
  • Os transportes públicos não vão ter uma revolução, mas o Governo vai dar-nos o passe único, que reduz os custos para os milhões que habitam as duas grandes áreas metropolitanas;
  • O IRS não tem como descer muito mais, mas sempre virá “uma segunda fase” da aplicação dos novos escalões e uma subida do mínimo de existência social, de onde resulta que “mais famílias vão ter alívio de IRS”;
  • As pensões não vão poder subir tanto como nos últimos anos, mas “a boa notícia” é sobem já em Janeiro, “0,5% acima da inflação para 68% das famílias”;
  • Aos funcionários públicos não sairá a sorte grande, mas “há uma margem para negociar” que permite que também “faça parte desta melhoria de rendimentos que aconteceu para todos os portugueses”. Pelos vistos dá 5 euros a cada um, se for para todos.

Para lista não está mal, porque se distribui um bocadinho por tanta gente que todos terão alguma coisa a ganhar. Para a oposição parecerá tudo tão poucochinho que dificilmente poderão dizer que isto dos bombons é só por causa das eleições. Enfim, pelo menos são bombons, não são frigoríficos, certo?

Mais ou menos. Porque o ano orçamental continua a correr bem e o Governo tinha sempre duas opções para 2019: aproveitar a margem que ganhará (1,5 mil milhões de euros só com a redução do desemprego, mais um tanto com os juros) e baixar um pouco mais o défice e na dívida; ou aproveitar cada euro até ao último cêntimo e fazer o milagre da distribuição dos bombons, adoçando um pouco a boca de cada tipo de eleitor. António Costa, pelo que ouvimos ontem, preferiu a segunda.

Verdade seja dita, também haveria uma terceira opção: era distribuir não bombons, mas bolos de chocolate por toda a gente, como antes vimos outros fazer. Mas precisamente porque já o vimos antes, também já sabemos qual é o sabor do céu a cair-nos sobre as cabeças – ainda que seja de chocolate.

É provavelmente por isso que, chegando o momento de votar o Orçamento, ninguém se queixará dele. Nem Rui Rio. Mas vá, só faltam 12 meses para as próximas legislativas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O céu de chocolate de António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião