O Facebook nunca foi “cool”

O Facebook um predador sem piedade. Volúpia pelo lucro já a conhecíamos, a volúpia pelo poder e pela manipulação para o alcançar foi a fava que saiu desta vez.

A crise do Facebook e a sua perda de inocência só vieram revelar a face negra da rede social mais famosa do planeta. Mark Zuckerberg perdeu num ápice a maquilhagem e o valor da empresa em bolsa. Já não é o rapazola de Harvard que queria formar uma comunidade de malta universitária, como o filme “The Social Network”, de David Fincher quis apresentar. Hoje, já todo o mundo sabe que aqui também os ídolos têm pés de barro. O que parece, não é.

A marca azul e branca facturou 40 mil milhões em publicidade, mexe nos algoritmos como lhe apetece e consoante as conveniências, semeia e amplia conteúdos que vão beliscando a notícia, valor supremo da Comunicação Social, a quem também vai secando e asfixiando ao abocanhar a maior fatia de investimento publicitário que, anteriormente, estava na imprensa e televisão. O Facebook e o Google estão a matar os media tradicionais a quem irão exigir mais receitas para os ir exaurindo.

Com isso, com o esmagamento da imprensa, acentuar-se-á a tendência já existente das pessoas lerem apenas o que aparece onde andam. E elas andam no Facebook. Será uma enorme dificuldade vislumbrar como será o consumo de conteúdos nos próximos tempos. Pois as audiências afastam-se de jornais e televisões diariamente e cada vez haverá uma maior incerteza sobre as âncoras em que nos baseamos para ter informação fiável e credível, como escrevi há semanas antes desta crise.

Ora, esta crise com a Cambridge Analytica, que comprou 50 milhões de perfis para fins eleitorais, veio provar que esta rede, pretensamente amigável e simpática, é um predador sem piedade. Volúpia pelo lucro já a conhecíamos, a volúpia pelo poder e pela manipulação para o alcançar foi a fava que saiu desta vez. No meio deste carrossel de distracções permanentes e no caleidoscópio de novas sensações constantes que parece que marcam os nossos dias, há um enorme subtexto que perpassa pelas comunidades que nem o percebem nem têm armas para se defender dele: cada vez mais perdemos o controlo dos nossos dados.

Zuckerberg, que demorou cinco dias a reagir, o que leva a crer que não sabe nada de gestão de crise nos tempos dos quais ele próprio é um dos fundadores, timidamente disse que todos tínhamos concordado com a cedência dos nossos dados. Acontece que isso não é bem assim e muito menos os utilizadores tinham a noção que poderiam estar a ser as “Guinea Pigs” nas mãos de empresas especializadas em campanhas para segmentos devidamente identificados e que os seus dados estavam a servir para condicionar eleições, campanhas negras, opiniões sobre pessoas tudo através da democracia, ou opressão, como preferirem, do “like”.

Claro que a melhor base de defesa contra manipulações continua a ser consumir imprensa, ler livros, estar informado pelos reais canais de informação, que são os tradicionais e que nunca morrerão. A Economist – um canal aconselhável de boa informação – recordava há pouco tempo uma declaração de Mark Zuckerberg: «o meu objectivo nunca foi realmente tornar o Facebook “cool”. Eu não sou uma pessoa “cool”». Já percebemos isso, tal como já sabemos que não há Pai Natal.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Facebook nunca foi “cool”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião