O Facebook nunca foi “cool”

O Facebook um predador sem piedade. Volúpia pelo lucro já a conhecíamos, a volúpia pelo poder e pela manipulação para o alcançar foi a fava que saiu desta vez.

A crise do Facebook e a sua perda de inocência só vieram revelar a face negra da rede social mais famosa do planeta. Mark Zuckerberg perdeu num ápice a maquilhagem e o valor da empresa em bolsa. Já não é o rapazola de Harvard que queria formar uma comunidade de malta universitária, como o filme “The Social Network”, de David Fincher quis apresentar. Hoje, já todo o mundo sabe que aqui também os ídolos têm pés de barro. O que parece, não é.

A marca azul e branca facturou 40 mil milhões em publicidade, mexe nos algoritmos como lhe apetece e consoante as conveniências, semeia e amplia conteúdos que vão beliscando a notícia, valor supremo da Comunicação Social, a quem também vai secando e asfixiando ao abocanhar a maior fatia de investimento publicitário que, anteriormente, estava na imprensa e televisão. O Facebook e o Google estão a matar os media tradicionais a quem irão exigir mais receitas para os ir exaurindo.

Com isso, com o esmagamento da imprensa, acentuar-se-á a tendência já existente das pessoas lerem apenas o que aparece onde andam. E elas andam no Facebook. Será uma enorme dificuldade vislumbrar como será o consumo de conteúdos nos próximos tempos. Pois as audiências afastam-se de jornais e televisões diariamente e cada vez haverá uma maior incerteza sobre as âncoras em que nos baseamos para ter informação fiável e credível, como escrevi há semanas antes desta crise.

Ora, esta crise com a Cambridge Analytica, que comprou 50 milhões de perfis para fins eleitorais, veio provar que esta rede, pretensamente amigável e simpática, é um predador sem piedade. Volúpia pelo lucro já a conhecíamos, a volúpia pelo poder e pela manipulação para o alcançar foi a fava que saiu desta vez. No meio deste carrossel de distracções permanentes e no caleidoscópio de novas sensações constantes que parece que marcam os nossos dias, há um enorme subtexto que perpassa pelas comunidades que nem o percebem nem têm armas para se defender dele: cada vez mais perdemos o controlo dos nossos dados.

Zuckerberg, que demorou cinco dias a reagir, o que leva a crer que não sabe nada de gestão de crise nos tempos dos quais ele próprio é um dos fundadores, timidamente disse que todos tínhamos concordado com a cedência dos nossos dados. Acontece que isso não é bem assim e muito menos os utilizadores tinham a noção que poderiam estar a ser as “Guinea Pigs” nas mãos de empresas especializadas em campanhas para segmentos devidamente identificados e que os seus dados estavam a servir para condicionar eleições, campanhas negras, opiniões sobre pessoas tudo através da democracia, ou opressão, como preferirem, do “like”.

Claro que a melhor base de defesa contra manipulações continua a ser consumir imprensa, ler livros, estar informado pelos reais canais de informação, que são os tradicionais e que nunca morrerão. A Economist – um canal aconselhável de boa informação – recordava há pouco tempo uma declaração de Mark Zuckerberg: «o meu objectivo nunca foi realmente tornar o Facebook “cool”. Eu não sou uma pessoa “cool”». Já percebemos isso, tal como já sabemos que não há Pai Natal.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O Facebook nunca foi “cool”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião