O fanatismo progressista nega a verdade, corrói a sociedade e destrói a liberdadepremium

A atitude de negação da verdade para impor a mentira progressista é uma constante da história do fanatismo, pelo menos desde a revolução francesa.

O fanatismo progressista é uma ameaça à liberdade pelas mentiras que traz com ele, alimentando-se da negação da verdade, e torna-se ainda mais perigoso pela tentativa de calar os outros e pela divisão que provoca, prejudicando toda a sociedade. A esperança que surge é que o “progressivismo” parece, finalmente, estar a ser questionado, depois de anos de uma atitude contemporizadora, ou até mesmo seguidista, por parte de populações e governos democraticamente eleitos. Os Estados Unidos são o maior exemplo das guerras culturais contra a liberdade que assolam o mundo desenvolvido e a recente “fuga” de informação sobre as intenções dos juízes do seu Supremo Tribunal relativamente a um acórdão anterior sobre o aborto confirmam esta ideia. O caso é por demais conhecido pelos interessados. Norma

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos