O governo português permite publicidade enganosapremium

Se na sociedade não houver consenso sobre o sentido da vida e sobre os valores e sentimento de pertença a uma comunidade, reina um “nihilismo” que se autoalimenta por aquela ausência.

A publicidade enganosa é a que faz declarações que induzem em erro, sejam exageradas ou falsas, de modo que uma ideia ou um produto se torne mais atraente para as pessoas. A campanha ABCLGBTQ… que inundou o país é um exemplo de publicidade enganosa. Tornou-se legal fazer publicidade enganosa ou as autoridades vão fazer respeitar a lei? Toda a publicidade enganosa é proibida precisamente por se basear numa mentira. E é por se basear numa mentira que não está conforme e constitui excepção ao princípio geral da liberdade de expressão. Engana as pessoas, induzindo-as a ter comportamentos que partem de falsas premissas. Como em muitos casos pode ser difícil para as pessoas distinguirem o que é verdadeiro e o que é falso, compete às autoridades assegurar que a publicidade transmite informação

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos