O maior governo de sempre será igual a mais Estado

Este será um executivo centralizador, ainda que disfarçado de descentralizador, suportado em relações político-partidárias nem sempre recomendáveis, e de tendência burocratizante.

Quando o principal órgão executivo do Estado, o governo central, aumenta em número de membros, ao ponto de se tornar o maior executivo de sempre, está dado o tiro de partida quanto à discussão essencial da orientação política que será seguida durante a legislatura: é de mais Estado, mais despesa pública e, também, de mais impostos que falamos. Ora, o orçamento do novo Governo do Partido Socialista (PS) representará, segundo números que vieram a público na semana passada, uma despesa acrescida de 7 milhões de euros por ano num total de 71 milhões de euros anuais. O orçamento anual do Governo aumentará assim em cerca de 10% nesta nova legislatura. Simbolicamente, o sinal não poderia ser mais claro: é para gastar e há ordem para aumentar o aparato do Estado.

Confrontado com a dimensão do seu novo Governo, o senhor primeiro-ministro desvalorizou a situação afirmando que os governos não se medem pelo número de membros, mas sim pelas prioridades que definem para o país. Porém, para além de o Governo ter mais ministros do que se vê por essa Europa fora, onde a média é de 17 ministros por governo (contra 19 ministros no executivo do PS, num país de reduzida dimensão), há um problema de fundo: não se vislumbram as tais prioridades a que alude o primeiro-ministro.

Começando pelos dois novos ministérios, parecem ambos redundantes face às estruturas que já existem. Em particular, o novo ministério da coesão territorial apresenta evidentes redundâncias face ao do planeamento, bem como alguma sobreposição face ao ministério das infraestruturas e até mesmo face ao do ambiente.

O ministério da coesão territorial evidencia outra particularidade. A estrutura foi supostamente criada para fomentar a descentralização, em especial a valorização do interior alegada pelo primeiro-ministro. Mas, se assim é, não será a criação de um novo ministério, uma entidade que por definição centraliza e tutela, a antítese do que se entende por descentralização? A mim parece-me que sim.

Na verdade, se fosse verdadeiramente para descentralizar, delegavam-se competências locais e extinguiam-se organismos centrais, acabava-se com as tutelas que existem em vez de serem criadas novas tutelas. Por este caminho, a descentralização socialista, em vez de simplificar e tornar mais eficiente a administração pública, apenas acrescentará complexidade ao Estado. Não surpreende. É a política!

Quanto ao ministério da modernização administrativa e da administração pública, que tratando igualmente da descentralização é ele próprio redundante face ao da coesão territorial, parece também contraditório nos termos. Por um lado, entende-se a necessidade de modernizar a administração pública e de gerir os recursos humanos no sector público – sobre isto, ainda ontem foi notícia que o SNS foi declarado incapaz na gestão que faz dos seus recursos humanos. Mas, por outro lado, tratando-se de uma função que deveria perpassar toda a estrutura orgânica do Governo, ela deveria ser desenvolvida no seio de todos os ministérios, em vez de ser especificamente conduzida por um ministério em particular. Funcionalmente parece-me pouco expedito e pouco eficaz.

Questão diferente é aquela que diz respeito ao perfil dos próprios governantes. Neste início de legislatura, 27 dos 70 membros do novo executivo saltam da bancada parlamentar do PS para o governo, iniciando uma rotação muito habitual na Assembleia da República, mas que a desprestigia. É como trocar de jogadores ao apito inicial, fazendo entrar as reservas sem que os outros deem um chuto na bola. Parece-me mal.

Além disso, para o parlamento e para o executivo são necessárias aptidões nem sempre coincidentes. Sobre isto, desagrada-me, sem desprimor dos meus amigos juristas, que um terço dos novos governantes sejam formados em direito. Como diz o ditado em Inglês, “never ask a barber if you need a haircut”. Mas com tantos juristas no Governo, outra coisa não será de esperar senão a burocratização administrativa da acção governamental.

A administração pública, enquanto área de actividade prevista no Orçamento do Estado, representa uma despesa pública de 30 mil milhões de euros, ou seja, cerca de um terço do total da despesa pública em Portugal. É uma área que reage aos sinais e aos incentivos desencadeados pelas hierarquias tutelares, no topo das quais está o poder executivo do governo central.

Ora, o sinal dado pelo governo PS é claro: há que ser grande e há que ser forte (no sentido depreciativo do termo). Por isso, continuaremos a ter uma administração pública muito preocupada com as hierarquias e também com a ocupação política dos cargos. Na verdade, continuaremos com a política metida na administração pública. Com isto sofrerão os cidadãos e todos aqueles que, trabalhando no Estado e ambicionando carreiras estimulantes, com potencial de progressão e de valorização, permanecerão profissionalmente estagnados.

O novo Governo não engana. Este será um executivo centralizador, ainda que disfarçado de descentralizador, suportado em relações político-partidárias nem sempre recomendáveis, e de tendência burocratizante. O Estado será uma coutada de alguns e permanecerá alheado dos problemas do dia-a-dia dos cidadãos, longe das funções que os cidadãos valorizam nas instituições públicas.

Numa altura em que o abrandamento económico já chegou a Portugal – é ver a síntese de conjuntura económica divulgada pelo INE há dias –, a economia nacional beneficiaria de um executivo mais ágil e mais eficiente para que, como o primeiro-ministro terá dito há dias, “amigo não empatasse amigo”. O problema é que aqui não há amigos. Há os camaradas e, depois, num plano inferior, há todos os outros. Não deveria ser assim.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O maior governo de sempre será igual a mais Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião