O ódio aos jornalistas

Os jornalistas são todos bons? Respondo: mas todos os advogados, canalizadores, médicos, carpinteiros são bons? Claro que não, há é um maior escrutínio e exposição para determinadas carreiras

Em Portugal e no mundo a classe política há muito que atravessa uma via-sacra de ódio dos eleitores perante quem os devia representar. Acresce, também por cá, o mesmo sentimento relativamente a uma dita elite ungida pelos media que punha e dispunha nas grandes empresas e na banca e que levaram os portugueses a pagar todos os seus dislates e incompetências.

Mas há algo que me incomoda bastante: é o crescente e evidente ódio com o qual muita gente se refere aos jornalistas e à sua profissão. Não me passa pela cabeça cercear o direito de livre opinião de cada um, mas devia haver mais respeito e consideração, sobretudo quando o trabalho deles é realizado sobre grande pressão e cada vez com menos meios.

Eu deixei de ser jornalista em 2001, tive momentos fantásticos num tempo em que a profissão era considerada, as redacções tinham dimensão, em quantidade e qualidade, havendo cabelos brancos que davam tarimba aos jovens que chegavam, como foi o meu caso em 1995. Hoje, o panorama nada tem a ver com outras décadas.

As redacções são curtas, mal pagas, ameaçadas todos os dias pela publicidade que dramaticamente diminui todos os dias. São mensais as notícias de títulos que acabam e de cortes das administrações em quem produz conteúdos nas suas diversas dimensões e assim aumentam as pressões, a estabilidade nunca está assegurada e o jornalismo tornou-se uma profissão de risco.

Depois, e isso critico bastante, com as redes sociais, qualquer indivíduo bota “faladura” sobre assuntos dos quais nada percebe, entre os quais comunicação e jornalismo, dos quais o povo acha que tem conhecimento suficiente para opinar apesar de nunca ter trabalhado nesta área. Somemos a isso vivermos num mundo onde a ira floresce, onde a gritaria, a ofensa e a barbárie dos espíritos flui sem amortecedores, para muita gente sem rosto despejar as suas frustrações em cima de profissionais de bem e de títulos diariamente conspurcados por vilipêndios.

Quer isto dizer que os jornalistas são todos bons? Respondo: mas todos os advogados, canalizadores, médicos, carpinteiros são bons? Claro que não, há é um maior escrutínio e exposição para determinadas carreiras. Há erros, claro que sim, mas se não existir má-fé, e para isso há (ou devia haver) órgãos e reguladores, o que se deve é apontar construtivamente o erro. E nunca podemos esquecer que em cada profissional há um ser humano.

Sou um defensor acérrimo da importância do jornalismo. E defendo que as barreiras do gate-keeper subjacentes a quem faz notícias não devem ser esbatidas, até para separar claramente o trigo do joio e colocar quem apenas destila ódio sem qualquer competência ou conhecimento do universo mediático em «su sitio».

Seria bonito dizer que era bom dar mais meios a quem faz notícias. Porém, isso é utópico nos dias de um mercado escasso de receitas. Os jornalistas, também para continuarem o seu sonho e a sua realização pessoal na carreira que amam, vão ter de habituar-se a estas condições de instabilidade e fazerem o possível com menos. Agora, sigam em frente, não liguem a matilhas de analfabetos funcionais e a hienas que se alimentam de ódios e ressentimentos. A sociedade precisa de notícias e conteúdos que a ajudem a ser melhor. Isso, está do vosso lado.

Nota: Por decisão pessoal, o autor não escreve de acordo com o novo acordo ortográfico.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O ódio aos jornalistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião