O Orçamento que não deixa Centeno dormir

Um défice alto demais, uma dívida em risco de incumprimento e uma crise à vista. O Orçamento que tem que preocupar Centeno é entregue já na segunda-feira (mas não é o que está a pensar, ainda).

O diagnóstico

Má sorte ser presidente do Eurogrupo. Quando se preparava para entregar o último orçamento, porventura o mais fácil de toda a legislatura, Mário Centeno viu crescer um problema gigantesco que lhe pode aterrar nas mãos. Trata-se, claro, do orçamento que o Governo italiano vai enviar, também na segunda-feira, para a Comissão Europeia. E que se arrisca a ser o primeiro chumbo liminar da Comissão Europeia a um orçamento da zona euro.

Para Centeno, no papel de ministro das Finanças português, seria uma dor de cabeça dupla: Esta crise em Itália põe em risco os resultados de três anos de esforço, podendo ter efeitos explosivos nas contas do seu próximo orçamento; e o braço de ferro de Itália com Bruxelas pode ter consequências imprevisíveis no na política portuguesa, medidas na influência do Bloco e PCP, à beira de uma decisiva campanha eleitoral.

Já para Centeno, o presidente do Eurogrupo, esta luta pode bem contaminar o resto do seu mandato, deitar por terra qualquer tentativa de reforma da zona euro e pôr em causa a própria arquitetura da moeda única – para não dizer, no limite, a sua sobrevivência.

O problema

Em Itália, o problema começa e acaba na natureza do Governo que foi eleito há escassos meses. Composto por uma coligação populista, nacionalista e eurocética, o Executivo “Liga / 5 Estrelas” pôs o alfa e ómega da sua atuação num desafio ao status quo europeu. Com a sua popularidade subir à medida que ele se acentua.

Se o drama dos refugiados foi um ponto de partida, o natural ponto de chegada é o do seu primeiro orçamento que, pelas regras definidas, terá que passar pelo crivo da Comissão Europeia – e receber a sua aprovação formal.

Em Itália, porém, as promessas eleitorais cruzam-se mal com uma dívida gigantesca (a segunda maior da Europa) e com um crescimento económico anémico de há muitos anos. Pelo que bastou um esboço do orçamento ser enviado para Bruxelas para se abriu o braço de ferro. Em síntese, eis os quatro eixos de um problema que Centeno conhece bem, com os desenvolvimentos mais recentes:

  • As contas mal feitas. Pior do que as promessas eleitorais que custam muito dinheiro, do que o défice proposto de de 2,2%, do que uma subida do défice estrutural em 0,8 pontos percentuais, o maior problema do Orçamento que o Governo italiano se prepara para apresentar é que assenta numa ilusão de crescimento, numa previsão muito duvidosa sobre o crescimento da economia. Que não só contraria as estimativas do banco central, como levou já um cartão amarelo do organismo que vigia as contas públicas dentro do Parlamento – já com um aviso de que acabará com o seu veto;
  • A desconfiança externa. Face à incerteza que todo o processo está a causar, o FMI já reviu em baixa as suas estimativas de crescimento para Itália, tornando mais difícil o processo de elaboração e execução do orçamento. Acresce a isto que duas das principais agências de notação (S&P e Moody’s) marcaram para 26 de outubro a revisão do rating da República – ameaçando já uma revisão em baixa. O suficiente para levar os juros da dívida do país para os níveis mais elevados dos últimos quatro anos e meio.
  • O contágio. Com todo este rewind do filme da crise da zona euro, sabemos o que vem a seguir: outros mercados começam a sentir na pele o receio de uma rutura nas negociações entre Itália e a Comissão Europeia. Começando pelos países mais frágeis. A Grécia tem visto a sua bolsa afundar, sobretudo as ações da banca; por cá, fez cair a bolsa, também uma entrada nova no mercado da Sonae, e já penalizou uma emissão de dívida pública a mais longo prazo.
  • Mais a pressão externa. Na Alemanha, o ministro das Finanças que substituiu o temido Schauble, Olaf Scholz, deu uma entrevista ao Handelsblatt avisando o Governo italiano de que estará a “exportar a sua irresponsabilidade” para o resto da Europa. Em Bruxelas, aguardando o documento final, Moscovici e o vice-presidente da Comissão, Valdis Dombrovskis, enviaram uma carta para Roma lembrando – de forma seca – as regras e objetivos a que Itália se propôs e explicando que o “draft” não cumpre com esses pressupostos – “o que causa grave preocupação”, anotam os dois”.
  • …Mais a pressão sobre a Comissão. Para quem tenha em memória a flexibilidade que a Comissão mostrou, por exemplo, nas negociações orçamentais com o Governo português, é importante registar que, em Bruxelas, a Comissão está sob fogo precisamente por essa razão. Para além dos países credores, largamente representados no Eurogrupo liderado por Mário Centeno, também o Comité Orçamental Europeu (que supervisiona os planos de todos os países do euro) veio acusar o comissário Moscovici de “ter ido longe demais” ao não “aplicar as regras” de forma mais rigorosa num momento em que a economia europeia dava mais espaço aos governos para diminuir as dívidas. “É tempo de clarificar isso”, disparou esta semana Niels Thygesen, o presidente desse organismo.

Para Mário Centeno, este embate inicial lembra um filme conhecido. Conhecido pelo que viu acontecer, à distância, na Grécia (com um governo que só era diferente porque era de extrema-esquerda e não de extrema-direita, e porque estava preso a um financiamento externo). Mas conhecido, também, pelo seu próprio embate inicial com a Comissão Europeia e o Eurogrupo, quando lá entregou o seu primeiro orçamento no inicio de 2016, com o apoio de bloquistas e comunistas.

Naquela altura, Centeno levava uma ambição parecida: pedir flexibilidade à Europa, propondo um modelo económico mais ousado, com muitas promessas de distribuição de rendimentos que deveriam puxar pela economia. Naquela altura, face à resistência da Comissão Europeia, Centeno cedeu bastante: moderou as suas ambições, recalendarizou algumas promessas e garantiu que, ao menor desvio orçamental, travaria a fundo. Como hoje sabemos, foi a ceder que ganhou: mantendo mão de ferro nas contas do dia-a-dia, ganhou a confiança dos parceiros e investidores, poupou em juros da dívida e conseguiu um crescimento que lhe deu margem para acomodar outras exigências dos parceiros.

Centeno ganhou, mas é verdade que teve sorte, beneficiando de uma Europa em franco crescimento económico. Acontece que essa sorte não é a italiana: não só a economia europeia está a desacelerar, como os riscos económicos aumentaram muito: o BCE inverteu a política monetária, o Reino Unido está prestes a sair, a América está a rasgar acordos comerciais. E, sim, a Itália é mesmo grande demais para cair – o que põe muito mais pressão nas negociações do que com Portugal.

Mas agora, para Centeno, agora na pele de presidente do Eurogrupo, tudo isto é um mar de dilemas. Porque se Centeno quer tudo menos uma rutura negocial e uma crise com Itália…

  • Sendo defensor de uma maior flexibilidade na aplicação de regras europeias, Centeno não tem qualquer interesse em dar a outro Governo o que não conseguiu para si.
  • Sendo o ministro das Finanças de um governo apoiado por partidos eurocéticos (PCP e BE), não tem qualquer interesse em dar-lhes um trunfo negocial que pode prejudicar as contas certas do seu último orçamento.
  • Sendo presidente do Eurogrupo, não tem qualquer interesse em colocar-se ao lado de um governo populista que está à procura de alianças entre os governos e partidos mais perigosos da Europa (da Frente Popular de Le Pen aos governos de Visegrado).

A conclusão

Nestes dias de medo, como presidente do Eurogrupo, Mário Centeno só tem uma de duas saídas: ou usar estes dias para ser um verdadeiro presidente do Eurogrupo e convencer os populistas italianos a seguir a sua estratégia – revendo o orçamento e aplicando a cada medida um caráter progressivo (suscetível de ser suspensa se a economia não estiver a crescer o previsto e as contas estiverem a afundar); ou esperar pela próxima reunião, já uns dias depois do pronunciamento obrigatório da Comissão Europeia, e rezar que esta não tenha aplicado a Itália o primeiro chumbo total de um orçamento da zona euro – e que os ministros das Finanças deem espaço a uma negociação que acabe com cedências mútuas.

Para Centeno, uma rutura nas negociações entre Roma e Bruxelas é a certeza de que passará do céu ao inferno, com a perspetiva de uma crise do euro para gerir (interna e externamente) na reta final do seu mandato.

Mas, para Centeno, uma cedência ao populismo italiano seria uma dupla derrota: como presidente do Eurogrupo, que tem como missão a coesão da zona euro e a sobrevivência do euro; e como ministro das Finanças “austero” que esteve três anos a dizer que não, resistindo a à pressão de dois partidos eurocéticos para esticar a corda com Bruxelas e alargar uns furos ao cinto, em nome de uma ideia de sustentabilidade.

Ironia das ironias: Centeno e António Costa, os dois políticos portugueses que mais clamaram contra a austeridade e mais pediram flexibilidade à Europa, terão agora que convencer os populistas de Itália a fazerem como eles: ceder no essencial do seu discurso político e jogarem de acordo com as regras da Europa. A Itália, para eles, está como a Grécia esteve para Passos – só a cedência deles à “austeridade” lhes garante os frutos da governação passada.

Notas soltas da semana

  • O pesadelo de Tancos. Face à gravidade das suspeições, o primeiro-ministro não pode dizer ao país que “a informação que tem” é que o seu ministro da Defesa não sabia do documento que lhe denunciou o encobrimento militar. Ou põe mesmo a mão no fogo, ou tem que prescindir dele.
  • Mais uma dúvida sobre Tancos: os militares que souberam – como o ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes – não tinham o dever de informar o chefe da Casa Militar do Presidente da República?
  • A regulação é o que um Governo quiser? A sorte que é termos um Governo minoritário no Parlamento, que não pode decidir sozinho.
  • Um aeroporto é onde a ANA quiser? Diz que já há acordo com o Governo, mas não se sabe sequer se houve estudo de impacto ambiental sobre a localização no Montijo. Será que foi entregue a um chefe de gabinete?
  • Um problema de realidade: Cavaco revelou ter sido intermediário entre Sócrates e Passos para “evitar uma crise política”. Deus sabe como resultou.
  • Um problema de educação: a Inspeção Geral de Educação quer que os miúdos com nove anos lhes digam por quem é que se sentem atraídos. Deus lhes perdoe.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Orçamento que não deixa Centeno dormir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião