O Panteão, a legionella e Angola

Uma morte não é estatística, é uma tragédia. E se queremos andar aos beijinhos com a inovação, não podemos descurar a nossa comunidade

Incomoda-me bastante que um tema condicione a agenda mediática, tal como a Web Summit apagou nessa semana toda a realidade em que vivemos. Nesta, surgiu a questão do jantar da malta do Paddy Cosgrave no Panteão Nacional, um ultraje para muitos, para outros nem tanto. Mas enquanto se zaragateava em praça pública e nas redes sociais com o famigerado repasto, muitas coisas estão a acontecer.

Legionella mortífera – São 5 mortos, 50 infectados, 35 pessoas internadas, 6 em cuidados intensivos e ainda li um «especialista» afirmar que é tudo «normal». Não, não é. Uma morte não é estatística, é uma tragédia. E se queremos andar aos beijinhos e abraços com a inovação e as start-ups (e devemos andar), não podemos descurar as nossas costas, a nossa comunidade. Pedir desculpa é bonito e fica bem, mas temos de aprofundar se tudo foi feito e quem são os responsáveis, nem que seja uma empresa de manutenção. E se uma empresa é responsável, devem de imediato ser rescindidos todos os seus contratos com o Estado.

Como tratamos os nossos monumentos – Não sei se se lembram, há uns meses foi notícia a destruição que houve do Convento de Cristo devido a uma rodagem cinematográfica. Lembrei-me disto porque por causa do assunto do Panteão, vi reproduzido no DN a lista de preços para organização de eventos nos nossos monumentos. Ora, o nosso património não pode ter o valor de um espaço qualquer ou discoteca de vão de escada. Os 2500 euros para usarem o Panteão Nacional é ridículo e ofensivo (e nem devia ser usado a meu ver), tal como a tabela para outros é uma mixaria. Entendo que os monumentos devem estar vivos, não só com os turistas, mas há muito que defendo que exista um director comercial que saiba negociar valores justos para os espaços que são «premium» para todos nós. É algo que tem de ser revisto e com uma estratégia adequada.

Os exércitos de pedintes e vendedores da droga – Quem vive em Lisboa todos os dias se depara com dois tipos de exércitos, ou melhor, com duas indústrias que dão cabo da imagem de um país que se tenta vender como “cool”, moderno e atractivo para trazer mais investidores. Não quero aqui mencionar os muitos necessitados que continuam a dormir na rua e que deviam ter outra atenção dos decisores pois são um problema social que devia motivar a sociedade, escrevo é da indústria de pedintes que está semeada no eixo Avenida da Liberdade, Baixa e Terreiro do Paço, bem como dos indivíduos que em cada esquina oferecem na surra, em voz baixa, todo o tipo de drogas a qualquer transeunte que por ali passe. Esta tropa fandanga, tipo melgas, que actua nas barbas da polícia já devia ter sido limpa e é tempo de meter mãos à obra, porque para lá dos turistas levarem a imagem de uma Lisboa bonita, também levam o “bullying” destas criaturas.

A operação limpeza Dos Santos em Angola – Conto aos leitores que muitas vezes em conversa com empresários me perguntavam o que eu pensava sobre Angola. A todos dizia há uns tempos o mesmo: com a saída do actual presidente, quem vier vai criar uma nova oligarquia. João Lourenço está a realizar uma razia na nomenclatura de Angola. Tem afastado peças relevantes próximas de José Eduardo dos Santos e a cereja no topo do bolo aconteceu com a exoneração da Sonangol da sua filha Isabel. São tempos novos, é uma corrente de ar que corrobora a opinião que eu manifestava. Não sei como tudo irá acabar, se João Lourenço irá ser um Deng Xiaoping que marcará uma nova filosofia de um poder duro alavancado no crescimento económico, a quem não interessa se o gato é branco ou preto desde que cace ratos, como dizia o ex-líder chinês, ou se será apenas um Gorbachev que em pouco tempo será triturado pelas forças do passado recente.

Nota: o autor escreve segundo a antiga ortografia

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Panteão, a legionella e Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião