O Partido Socialista corta (novamente) as pensõespremium

O Governo do Partido Socialista apresentou um pacote de apoio às famílias que, de forma encapotada, traz um corte permanente nas pensões. E tem uma ilusão e um engano.

Em maio de 2011, o Governo do Partido Socialista de José Sócrates assinou um acordo com a Troika, depois de um ano a falhar objetivos orçamentais (nos chamados “PEC2”, “PEC3” e “PEC4”), em que aplicou uma austeridade em torno de 10 mil milhões de euros (subida das três taxas de IVA em 1 ponto percentual (p.p.), seguida da subida em 2 p.p. da taxa normal, de 21% para 23%; subidas significativas no IRS e IRC; corte nos salários dos funcionários públicos entre 3,5% e 10%; corte significativo no abono de família; entre outras medidas de aumento de receita fiscal e corte de despesa – mais detalhes podem ser lidos aqui. Nesse acordo do Governo do Partido Socialista com a Troika estava, na página 3 (ponto 1.11), algo que já constava do chamado PEC4 (que tinha sido chumbado no Parlamento, apesar

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos