O Programa de Emergência Social que Portugal precisapremium

As famílias, sobretudo as de menores rendimentos, estão já a passar por muitas dificuldades, que se agravarão nos próximos tempos. As empresas enfrentam fortíssimos constrangimentos.

O ano de 2022 tem sido marcado por um forte agravamento das condições económicas, financeiras e sociais. A subida da inflação, um processo que se iniciou no verão de 2021, mas que acelerou este ano, atingiu os 9% em agosto, um valor que não se verificava desde o início dos anos 90. As famílias, sobretudo as de menores rendimentos e as de classe média, estão hoje asfixiadas, por um lado pela subida das taxas de juro, com o agravamento das prestações do crédito à habitação (e que se prevê que continuem a subir fortemente nos próximos tempos), e por outro lado, pelo aumento do custo de vida, provocado pelo processo inflacionista. Em agosto, a inflação atingiu 9%, um valor que não conhecíamos há 30 anos. Mesmo que a inflação não cresça mais nos meses que faltam até ao fim do ano, ainda assim

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos